Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2019

430 - Pérolas e Diamantes: As ervas daninhas

 

 

Há gente sincera que para não ter de modificar as suas opiniões evita todos os encontros com pessoas que pensam de maneira diferente. Colhem os seus pensamentos em conversa com pessoas que pensam da mesma maneira e em livros escritos por pessoas como elas. É o que se chama em física de ressonância.

 

Tudo começa por convicções sem grande significado, mas que depois se combinam e apoiam umas nas outras até um ponto em que se tornam insuportáveis.

 

Por vezes custa-me respigar no caixote do lixo que é a nossa memória. Mas, como agora se diz, o lixo é para reciclar. Não só o lixo, como a desonestidade, a intriga, a maledicência, a mentira, a cobardia, etc.

 

Pode estar o dia mais bonito, mas na nossa memória chove, cai a noite e fica frio. Depois ficamos em apneia.

 

Já há muito que deixei de representar.

 

Lá está o jardinzinho cheio de ervas daninhas, campainhas, grama e uma macieira morta.

 

No televisor LCD lá está o Casablanca, um dos meus filmes preferidos. E lá dentro o Rick diz a Ilsa: “Please trust me!” E o meu coração enche-se de coragem quando ela, a Ilsa, com aqueles lindos luzeiros marejados de lágrimas, lhe responde: “I will!” Tudo a preto e branco como mandam as leis do bom gosto e da tradição. E também a música: “A Time Goes By”.

 

Está visto e ouvido. Posso voltar a ter esperança no ser humano. Aleluia.

 

Não há nada mais detestável do que aquelas pessoas convencidas que têm razão acerca de tudo.

 

A verdade não é como a comida, não se pode exprimir em calorias. Tal como só há uma vida, também há só uma consciência.

 

Em política, as decisões não podem ser apenas justas, têm de ser também eficazes.

 

A grande maioria dos “fazedores de opinião” que por aí escrevinham são apenas delegados de propaganda política, e quase todos maus, apesar de parecerem razoáveis e impolutos. Pretendem inflamar corações e esclarecer cabeças, mas apenas acirram as paixões, raramente as purificam. Dizem-se arautos da vontade coletiva, mas apenas defendem os seus interesses e os da sua família política, quando não da pessoal.

 

Convidam-nos à valentia, pretendendo a nossa valorosa inatividade.

 

Uma coisa podemos constatar: esta mistura política conjuntural, que nem sequer possui oposição válida, exprime mais emoções do que ideias elaboradas. Daí o seu sucesso. Daí o seu futuro fracasso.

 

Passou-se da sujeição à falta de autoridade. As nossas elites são essencialmente agiotas e roubam o povo tendo como aliado o Estado e os seus súbditos, que por cá se intitulam pomposamente de políticos. O que eles são é capatazes dos banqueiros. Mentem e roubam com a maior desfaçatez, encobrindo-se sobre o manto diáfano do serviço público. O dinheiro é público, disso não restam dúvidas, mas os interesses são apenas privados.

 

Escutem o que vos digo: hoje ninguém tem a coragem, ou a dignidade, de dizer a verdade. Ninguém. Nem o presidente da república, nem o primeiro-ministro, nem o ministro das finanças, nem os deputados, nem o presidente do banco de Portugal. Ninguém. Em política todos mentem. Só que uns mentem menos do que outros. As exceções, a existirem, ficam por vossa conta e risco. Acreditar nos políticos é como acreditar no pai natal.

 

O Estado atual limita-se a expandir a organização técnica e a burocracia.

 

Os novos democratas uma coisa conseguiram: eliminar o respeito pelos prestígios tradicionais. Hoje já não há honra, nem palavra dada. É tudo relativo. Dizem eles.

 

Não resisto a lembrar as palavras de Victor Basch, que se seguiram a uma intervenção de Raymond Aron, um pouco antes da Segunda Guerra Mundial, revestidas de uma tónica patética.

 

“Ouvi-o, Senhor, com um grande interesse; tanto maior quanto não estou de acordo consigo em ponto algum... diria que esse pessimismo não é heroico; diria que para mim, fatalmente, as democracias sempre triunfaram e triunfarão... Há uma regressão hoje em dia, estaremos num vale? Pois bem, subiremos outra vez ao cume. Todavia, para isso é preciso exatamente alimentar a fé democrática e não destruí-la com argumentos tão fortemente e tão eloquentemente desenvolvidos como o senhor fez.”

 

Nem um único dia duvidou da vitória das democracias, nem mesmo quando os milicianos o levaram e à companheira para os assassinarem.

 

Outra mentira deles: a desigualdade não diminuiu em Portugal. O famoso combate à fraude fiscal e ao desperdício é tudo treta, é argumento para enriquecer alguns e fazer pagar ainda mais impostos aos de sempre. Em Portugal continua-se a viver de baixa tecnologia e de baixos salários.

 

Há ainda a ignorância do cidadão comum, que não percebe o que se passa, e a incúria e a irresponsabilidade dos peritos, que, mesmo percebendo, acham melhor para os seus interesses e para os interesses de quem lhes paga, não dizer nada.

 

Enquanto os portugueses respirarem é só andar para a frente.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

. 436 - Pérolas e Diamantes...

. Na Feira

. Na aldeia

. Olhares

. Poema Infinito (450): O d...

. Vaca atenciosa

. BB

. 435 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. ST

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

. Em Paris

. Em Paris

. 432 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. ST

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar