Segunda-feira, 6 de Maio de 2019

441 - Pérolas e Diamantes: Girondinos e Jacobinos

 

 

Como dizia Flaubert, as frases também são aventuras. A arte, para o bem e para o mal, é uma evasão, até porque o peso da realidade é imenso.

 

Por vezes, o pensamento criativo pode ser mais importante do que o conhecimento. Um erro não corrige outro. Há na política muita gente que se julga líder mas não passa de entrave.

 

A política neoliberal assemelha-se ao homicídio mais difícil de resolver: o que é cometido para esconder outro crime.

 

O tempo por vezes faz magia e consegue que aquilo que era invisível fique visível.

 

Uma coisa temos segura: os cães ladram sempre, tanto os do lado deles como os do nosso.

 

O poder democrático assenta no exercício recíproco de influências entre os dignatários do regime,  a que alguns apelidam de bloco central. Os jacobinos costumam reunir o comité central. E os outros, os girondinos, ou outras, engordam o cilício com a sua carne ternurenta. O seu misticismo é voluptuoso. O seu jejum é uma forma de iguaria requintada. Costumam ser os heróis, ou heroínas, da conversa fiada, repleta de vozearia, ênfase e hipérboles. 

 

São as unidades mínimas de carícia. O povo entretém-se a deitar mão ao vazio. A classe média enche-se de desassossego, fazendo surgir a insatisfação.

 

Apesar da sua aparente origem comum, o zelo religioso costuma dar-se mal com as contradições dialéticas, pois criam situações de dependência. É como a sopa de peixe temperada com âmbar, à velha maneira dos Pomorches, devoradores de pomuchel, conhecido entre nós como bacalhau.

 

Por vezes a realidade cai em cima de nós como uma tempestade de primavera.

 

O campo continua bonito, as árvores estão verdes e as roseiras estão em flor, mas isto é agora usufruído apenas através das fotos ou da televisão. Deslumbramo-nos com a natureza através da janela. Já não saímos à rua.

 

Os problemas costumam surgir quando nos queremos afastar da teoria e nos aproximamos da prática. Trabalhar junto das bases não é fácil. O povo pode parecer tolo, ou até sê-lo, mas tem boa índole. Quer do ponto de vista teórico, ou, até, do funcional.

 

Aí se colhe a experiência, se desperta a confiança, se pratica a beneficência e se começa, finalmente, a perceber a economia.

 

Ter um discurso um pouco elaborado é, nos dias que correm, como pronunciar obscenidades em latim: ninguém percebe, nem quer perceber. Ninguém sabe ou quer saber. Para quê discutir ideias? O que o povo deseja é comer bom e barato e ter um carro novo amigo do ambiente. E a vida espiritual despacha-se com uma ave-Maria seguida de um padre-nosso.

 

Os girondinos, não acreditando, nem tolerando a geringonça, foram tocar os sinos desabaladamente para assustar a populaça que começou por não compreender a desgraça anunciada. O mundo por vezes dá voltas e torna-se confuso. O facto é que nem Belzebu chega nem a gente almoça.

 

A verdade, é que da deceção se passou à exaltação. E, como é lei da vida, da exaltação se passará a deceção, sem que a ceia da conciliação tenha lugar. Os encontros fortuitos são sempre gerados pela casualidade.

 

Os girondinos costumam ficar nervosos quando chove. E também quando faz sol. Para eles, o mundo é perfeito quando há sol na eira, chuva no nabal e o povo se entretém a rezar o terço. A devoção a Nossa Senhora é imensa. É terna. É eterna.

 

Daí o estado de depressão girondina.

 

Mas a resposta é simples: os jacobinos concluíram que mais vale um pássaro “geringonceiro” na mão do que três a voar.

 

Os girondinos, acabrunhados, deixaram-se mesmo enovelar numa espécie de inércia culposa. Até o seu penteado chefe se tornou num viciado da imobilidade.

 

E eles, os pobres girondinos, pensam lá para os seus botões: é impossível saber se foi por nós ou por causa de nós, o que aconteceu. A vida, por vezes, é cruel.   

 

Mikhail Chichkin escreveu que “a harmonia universal é um regulamento destinado a ensinar aos neófitos que tudo é uma rima”.

 

Será a social-democracia uma suave monotonia?

 

Será a democracia-cristã um paroxismo de raiva?

 

Já nada os acalma, nada os satisfaz: nem os brinquedos, nem os alimentos, nem as bebidas.

 

Será a mágoa contagiosa?

 

O socialismo, por agora. É só sorrisos. E abraços.

 

E também drama. As eleições estão aí.

 

Os sermões vão-se suceder como as canções no festival.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Em Paris

. 460 - Pérolas e Diamantes...

. Póvoa de Varzim

. Póvoa de Varzim

. Bragança

. Poema Infinito (473): Dis...

. Porto

. Paris

. 459 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Farinha de milho

. Fato

. Poema Infinito (472): O a...

. Na aldeia

. Sorrisos

. 458 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No elevador

. S. Lourenço

. Poema Infinito (471): O s...

. No Louvre

. No Louvre

. 457 - Pérolas e Diamantes...

. Chaves

. Barroso

. Barroso

. Poema Infinito (470): Do ...

. Barroso

. Loivos

. 456 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (469): O l...

. No Barroso

. No Barroso

. 455 - Pérolas e Diamantes...

. O cabrito

. No Couto de Dornelas

. ST

. Poema Infinito (468): Voo...

. No Louvre

. O anjinho

. 454 - Pérolas e Diamantes...

. Gente bonita em Chaves

. Luís em Santiago

. No Louvre

. Poema Infinito (467): A a...

. Louvre

. Em Paris

.arquivos

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar