Segunda-feira, 17 de Junho de 2019

447 - Pérolas e Diamantes: Divagações

 

 

Não sei se hei de ficar triste ou contente, pois descobri que partilho o meu dia de aniversário com mais nove milhões de pessoas na Terra.

 

Tudo é uma questão de fé. Até a fé o é. E mesmo a Mafia, que resulta apenas de uma alteração de Mia Fida, que significa “Minha Fé”: aquilo em que creio, o meu credo.

 

A ironia é uma espécie de escape perante a contrariedade. Ou perante a incredulidade dos imbecis.

 

É um aforismo agustiniano: Uns têm sorte, outros têm paciência. O que tarde se aprende não traz experiência, traz desilusão.

 

Andam para aí a peneirar a verdade para com ela fazerem bolinhos de retórica. A receita é a de sempre: dar com uma mão o que depois tiram com a outra.

 

Raymond Aron meteu o dedo na ferida quando referiu que “as ideologias ditas de esquerda encobrem muita mitologia e mistificação”.

 

A esquerda muitas vezes tem razão. Muitas vezes não. Nisso é como a direita.

 

O que custa mais ver na esquerda é a mentira por omissão. Os seus propagandistas omitem sempre o que não lhes interessa, até a verdade.

 

Raymond Aron pôs um ponto final nessa filosofia da hipocrisia: “A política ainda não descobriu o segredo para evitar a violência. Mas a violência torna-se ainda mais desumana quando se crê ao serviço da verdade, a um tempo, histórica e absoluta.”

 

Desinteressamo-nos da política quando lhe percebemos os limites. Mas não é por isso que nos deixamos absorver pela indiferença.

 

Há um certo sincronismo na amizade: faz-nos sentir que o mundo tem algum sentido.

 

Ao que se sabe, Descartes morreu vítima da necessidade de se levantar antes de amanhecer, cerca das cinco da manhã, por ter de ir ler à rainha Cristina da Suécia lições de filosofia.

 

Já Stendhal aprendeu a escrever com simplicidade e clareza por ter estudado as ordens de batalha de Napoleão.

 

Meus caros amigos, por alguma razão o músculo mais forte do ser humano é o da língua.

 

Também eu fui vítima de terrorismo. Eu e todos aqueles que ouvimos contar as mais famosas histórias infantis, que mais não eram do que um arsenal de armas psicológicas contra a gente miúda. Hansel e Gretel lá estavam para nos avisar de que serão abandonados pelos pais; o Capuchinho Vermelho informava-nos de que cada  desconhecido pode ser o lobo mau que nos comerá; a Gata Borralheira obrigou-nos a desconfiar das madrastas e dos meios-irmãos. Já o Ogre, dos contos de Perrault, foi o mais eficiente de todos pois ensinou-nos a obediência e espalhou o medo entre a cristandade.

 

E também nos ensinaram muitas mentiras. Afinal, os europeus não inventaram quase nada, limitando-se a copiar os chineses e guardando o segredo bem guardado. Foi a China quem inventou quase tudo. A seda nasceu lá, há cinco mil anos. Foram eles que descobriram, denominaram e cultivaram o chá. Foram também os chineses os primeiros a extrair sal de poços profundos, a usar gás e petróleo nas suas cozinhas e nos seus candeeiros. Criaram os arados de ferro e as máquinas semeadoras, debulhadoras e ceifeiras, dois mil anos antes dos ingleses mecanizarem a sua agricultura. Inventaram a bússola mil e cem anos antes de os barcos europeus começarem a usá-la. Descobriram que os moinhos de água podiam dar energia aos seus fornos de ferro e de aço, mil anos antes dos alemães. Imprimiram livros seis séculos antes de Gutenberg e dois séculos antes usaram tipos móveis de metal nas suas imprensas. Inventaram a pólvora há mil e duzentos anos e o canhão um século depois. Há nove séculos, criaram máquinas de dobar seda com bobinas movidas a pedal, que os italianos copiaram com dois séculos de atraso.

 

Inventaram ainda a porcelana, a roca , o leme, a acupuntura, o baralho de cartas, o futebol, a lanterna mágica, a pirotecnia, o papagaio de papel, o papel-moeda, o relógio mecânico, o sismógrafo, a laca, a pintura fosforescente, os carretos de pesca, a ponte suspensa, o carrinho de mão, o guarda-chuva, o leque, o estribo, a ferradura, a chave, a escova de dentes e outras minudências.

 

Viver no século XXI é uma mistura de verdade com relativismo, que nos permite misturar ironia e sinceridade, construção com descontração e esperança com melancolia.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. 469 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Noturno

. ST

. Poema Infinito (482): Res...

. No Barroso

. No Louvre

. 468 - Pérolas e Diamantes...

. AB

. VS3

. VS2

. Poema Infinito (481): Que...

. VS

. CL

. 467 - Pérolas e Diamantes...

. Pisões

. Misarela

. Olhares

. Poema Infinito (480): As ...

. Na Abobeleira

. Barroso

. 466 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Alturas d...

. Em Coimbra

. No Louvre

. Poema Infinito (479): Ao ...

. No Louvre

. No Louvre

. 465 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. JVF

. Interiores

. Poema Infinito (478): O V...

. ST

. No Louvre

. 464 - Pérolas e Diamantes...

. No Porto

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. Poema Infinito (477): Tox...

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. 463 - Pérolas e Diamantes...

. Amizade

. Na feira

. Interiores

. Poema Infinito (476): Via...

. ST

. Expressões

. 462 - Pérolas e Diamantes...

.arquivos

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar