Segunda-feira, 23 de Setembro de 2019

461 - Pérolas e Diamantes: A banalização do mal

 

 

Quanto mais leio menos aprecio o ser humano. Se calhar ler faz mal à saúde mental das pessoas. Passo a explicar este meu desnorte. No livro “Hitler - Uma biografia”, Ian Kershaw relata que na “Operação Barbarossa”, no “cumprimento da profecia”, as unidades de assassínio hitlerianas, na sua fase inicial, foram ajudadas por lituanos que decidiram pôr em prática pogroms selváticos contra os judeus. Em Kaunas, um entusiasta local resolveu matar judeus à paulada, um a um, enquanto a multidão que observava – onde se encontravam mulheres que levantavam os filhos no ar para poderem ver o espetáculo –, aplaudia e encorajava o insano.

 

Uma testemunha ocular recorda-se de que cinquenta judeus foram assassinados dessa maneira em menos de uma hora. Quando o carniceiro terminou a matança, pulou para cima da pilha de cadáveres e tocou o hino nacional da Lituânia num acordeão. Os soldados alemães, provavelmente surpreendidos, assistiram impassíveis a tudo. Alguns até tiraram fotografias. O comandante da Wehrmacht da área, o coronel general Ernst Busch, ao ter conhecimento do sucedido, considerou que se tratava de uma questão interna de disputa entre lituanos, pelo que não possuía autoridade para poder intervir. O assunto foi despachado para a polícia de segurança local.

 

Ao que agora se sabe, estes comportamentos patológicos e extremados estavam largamente generalizados entre os novos senhores dos territórios de Leste e muito longe de se confinarem aos nazis mais acérrimos.

 

Milhares de judeus foram levados em grupo para fora das cidades, onde os forçavam a despir-se e a colocar-se no cimo dos outeiros, à beira das ravinas. À medida que as salvas de tiros dos esquadrões da morte ecoavam, os corpos das vítimas iam caindo para a pilha de cadáveres que se amontoavam abaixo delas. As mulheres e as crianças – que eram consideradas como possíveis “vingadores” no futuro – eram agora de uma maneira geral incluídas nos massacres, no seguimento de instruções verbais transmitidas por Himmler e passadas aos comandantes dos vários esquadrões da morte. Assim se foi banalizando o mal. No verão de 1941 foram assassinados no leste, pelos adeptos nazis, cerca de meio milhão de judeus.

 

A princípio, ainda havia algum simulacro de decoro, pois as execuções eram feitas por pelotões de fuzilamento. Mas, decorridas algumas semanas, as mortes eram levadas a cabo com uma metralhadora; as vítimas eram chacinadas nuas enquanto se ajoelhavam à beira das valas.

 

A pacificação do território conquistado a leste, segundo Hitler, tinha de ser conseguida matando a tiro qualquer pessoa “que olhasse sequer de esguelha”.

 

Já na Alemanha, os judeus ainda andavam misturados no meio dos arianos, o que causava muita apreensão. Além disso, constituíam “centros de agitação” e ocupavam apartamentos que eram necessários. Entre outras coisas, os judeus eram responsáveis por açambarcarem bens alimentares. E mesmo pela escassez de morangos na capital.

 

No meio de uma tensão nervosa, e aconselhado por Goebbels, Hitler autorizou que os judeus fossem obrigados a usar um distintivo que os identificasse: a famosa estrela de David, grande e amarela.

 

Começou então a ser pensada a solução definitiva. Pediu-se, para tal, que houvesse uma total clareza desde o princípio com respeito ao destino reservado aos “indesejáveis”, “quer o objetivo fosse estabelecer permanentemente para essas pessoas uma determinada forma de existência, quer estivessem destinadas a ser totalmente aniquiladas”.

 

Começaram então a ser construídas as câmaras de gás em Belzec. Entretanto iniciaram-se os fuzilamentos em massa e os assassinatos nos furgões de gás. Na primeira semana de dezembro de 1941, Chelmno, uma estação de furgões de gás do sul da Warthegau, transformou-se na primeira unidade de exterminação em funcionamento.

 

Em Minsk, 12 000 judeus do gueto local foram executados a tiro pela polícia de segurança, a fim de vagarem espaço para o fluxo de judeus germânicos, pois, segundo o comissário-geral para a Bielorrússia, Kube, as pessoas provenientes da sua “própria esfera cultural” deveriam ser tratadas de maneira diferenciada das “hordas nativas e atabalhoadas”.

 

O ataque japonês Pearl Harbour, a 7 de dezembro, veio acelerar todo o processo, originando que os planos de efetivação de uma “solução final” para a “Questão Judaica” entrassem numa nova fase: a mais assassina de sempre.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Na aldeia

. 469 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Noturno

. ST

. Poema Infinito (482): Res...

. No Barroso

. No Louvre

. 468 - Pérolas e Diamantes...

. AB

. VS3

. VS2

. Poema Infinito (481): Que...

. VS

. CL

. 467 - Pérolas e Diamantes...

. Pisões

. Misarela

. Olhares

. Poema Infinito (480): As ...

. Na Abobeleira

. Barroso

. 466 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Alturas d...

. Em Coimbra

. No Louvre

. Poema Infinito (479): Ao ...

. No Louvre

. No Louvre

. 465 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. JVF

. Interiores

. Poema Infinito (478): O V...

. ST

. No Louvre

. 464 - Pérolas e Diamantes...

. No Porto

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. Poema Infinito (477): Tox...

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. 463 - Pérolas e Diamantes...

. Amizade

. Na feira

. Interiores

. Poema Infinito (476): Via...

. ST

. Expressões

.arquivos

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar