Segunda-feira, 28 de Outubro de 2019

466 - Pérolas e Diamantes: O esplendor da burocracia

 

 

A partir de 1921, a Rússia transformou-se no país dos “carimbadores”. Tinha duas vezes mais burocratas do que trabalhadores. A Ditadura do Proletariado consumou-se como Ditadura da Burocracia. E, a partir daí, desenvolveu-se.

 

O centro de Moscovo tornou-se num monumental amontoado de repartições públicas, constituído por comités, conselhos, departamentos e comissões. Uns sobre os outros. Andar em cima de andar. Prédio após prédio.

 

Começou-se então a planificar a economia.

 

Enquanto a economia tendia a definhar, o funcionalismo prosperava. Na Rússia, a falta de combustível, por exemplo, era cíclica. No entanto, existia um exército de funcionários dedicado a estudar como ele poderia ser entregue e onde.

 

Não havia papel nas lojas, pois noventa por cento do papel produzido pelo país era consumido pela administração.

 

Nas fábricas, a burocracia revelava-se igualmente ineficaz. Em 1920, para cada cem operários existiam dezasseis funcionários administrativos dedicados à papelada referente à produção. Mas havia ainda casos mais caricatos: na famosa metalúrgica Putilov, dos sete mil empregados, apenas dois mil faziam trabalho braçal, os restantes dedicavam-se à espinhosa tarefa da administração e empreitadas afins.

 

Trabalhar na burocracia tinha muitas vantagens, pois permitia o acesso facilitado a víveres e a outros produtos escassos. Por isso, o número de parasitas crescia à medida que a crise económica se aprofundava.

 

Empregaram-se então os denominados pequeno-burgueses com alguma preparação académica, sobretudo nas cidades de província. Passaram a ter incumbências triviais. O seu trabalho consistia em passar papéis de um lado para o outro.

 

Mesmo na gestão das indústrias, apenas um terço dos funcionários eram operários.

 

O dia típico de um funcionário do estado proletário russo consistia em ouvir e comentar mexericos nos corredores, tomar café e fumar cigarros. E também, é bom que se diga, nas filas de distribuição de rações exclusivas para a elite do país.

 

Os cargos burocráticos mais importantes eram sempre exercidos por homens do Partido.

 

Nas províncias, a agilidade e a competência eram tão reduzidas que qualquer pedaço de papel que tivesse um selo e uma marca de carimbo vistosa era identificado como documento oficial.

 

É famoso o caso de um inglês que conseguiu cruzar a Rússia usando como passaporte a conta do seu alfaiate na Jermyn Street, pois possuía uma bela caligrafia, um grande carimbo vermelho e a assinatura do alfaiate.

 

Numa escola de formação para jornalistas vermelhos, nenhum dos alunos de uma determinada turma conseguiu responder quem eram Lloyd George ou Clemenceau. Alguns diziam que o imperialismo era uma república localizada num lugar da Inglaterra.

 

Quase todos os camaradas bolcheviques passaram a ser ex-camponeses e ex-operários. Embora pudessem declamar mecanicamente algumas frases marxistas, não dispunham de educação suficiente para pensar pela própria cabeça ou questionar os líderes do partido sobre questões políticas abstratas.

 

O marxismo foi para eles um dogma funcional que lhes fornecia uma explicação “científica” sobre a injustiça social que eles próprios tinham vivido. Eram por isso militantes obedientes. Os bons camaradas faziam sempre o que lhes era ordenado. E ficavam satisfeitos em deixar todo o pensamento crítico a cargo do Comité Central.

 

Por isso mesmo Lunatcharski encheu o Comissariado da Educação de amigos e apaniguados. Até Lenine distribuiu vários postos do Sovnarkom por familiares e amigos de longa data.

 

Krupskaja foi nomeada vice-comissária de Educação. Anna Ulianova, irmã de Lenine, passou a cuidar da assistência à infância, e o seu marido, Mark Elizarov, ficou com o poderoso Comissariado do Povo para os Caminhos-de-Ferro.

 

Estaline, o raposo bolchevique, porque reinava no Ogburo, indicou nomes para muitos dos principais cargos existentes nas províncias. Dessa maneira montou a teia com que apanhou e eliminou todos os seus camaradas que faziam parte do Comité Central do Partido Comunista em outubro de 1917. Nem um escapou.

 

O insuspeito escritor comunista, Máximo Gorki, escreveu a Ekaterina: “Nos tempos que correm, só os comissários gozam de uma existência agradável. Roubam o mais que podem a gente comum e assim pagam as suas cortesãs e os seus luxos nada socialistas.”


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 15 seguidores

.pesquisar

 

.Janeiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9



29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Carinhos

. 478 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Gerês

. Gerês

. Poema Infinito (492): A c...

. No Barroso

. Lameiros

. 477 - Pérolas e Diamantes...

. No sótão

. São Sebastião - Couto Dor...

. São Sebastião - Alturas

. Poema Infinito (491): O v...

. Feira do Fumeiro - Botica...

. No Barroso

. 476 - Pérolas e Diamantes...

. No Louvre

. Paris

. Paris

. Poema Infinito (490): Os ...

. Notre-Dame de Paris - Int...

. Notre-Dame de Paris

. Louvre

. 475 - Pérolas e Diamantes...

. Montalegre

. Poses

. Barroso

. Poema Infinito (489): O p...

. Barroso

. Chaves

. Milagres lusitanos

. Barroso

. Barroso

. Barroso

. Poema Infinito (488): Luz...

. Barroso

. Barroso

. 474 - Pérolas e Diamantes...

. Na matança

. Na conversa

. Olhares

. Poema Infinito (487): As ...

. Na aldeia

. Na conversa

. 473 - Pérolas e Diamantes...

. No Louvre

. No Louvre

. Em Paris

. Poema Infinito (486): Dis...

. Em Paris

.arquivos

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar