Segunda-feira, 9 de Dezembro de 2019

472 - Pérolas e Diamantes: Ideias entusiasmantes

 

 

À sua maneira, Demi Gambus, o célebre filho de Miquela, de forma metódica e organizada, empenhou-se em investigar vários ramos de delito. Para isso, elaborou uma longa lista de complexas e variadas formas da nobre arte de roubar.

 

Logo de início, defrontou-se com uma exasperante surpresa: quase todas as possibilidades já tinham sido experimentadas pelos seus antepassados. E ele, por dignidade própria, negou-se a repeti-las.

 

No entanto, chegou a conclusões que, apesar de simples, são incontestáveis: há milhentas formas de roubar e de intrujar, mas a melhor de todas baseia-se numa combinação de métodos. Por exemplo: roubar alguém, arruiná-lo e logo de seguida, após a ruína, oferecer-lhe um empréstimo com um juro usurário.

 

Mas a conclusão mais pertinente foi a de que o mesmo acontecimento, dependendo da época, não só não era considerado crime, mas até podia ser motivo de louvor.

 

Dedicou-se então ao estudo profundo da sua época e em procurar uma forma de roubar que, ao mesmo tempo, o fizesse ganhar prestígio com esse ato.

 

Logo de início percebeu que os crimes praticados com violência eram os mais desprezados pela sociedade. Provavelmente porque são os mais evidentes e expõem mais os seus autores. Essas são ainda as formas mais primárias, as mais primitivas. Estão fora de moda vai para muito tempo.

 

A burla e o abuso de confiança agradavam-lhe sobremaneira, eram procedimentos mais refinados. Mas também eles implicam correr muitos riscos e dão muita visibilidade aos seus autores.

 

Concluiu que é necessário burlar, mas de uma posição sólida. Tal solidez só é possível na legalidade. Esta é a verdadeira solução. No mundo civilizado, não existe nenhuma lei que penalize o enriquecimento resultante dos rendimentos, mesmo que abusivos, de determinados negócios.

 

Por exemplo: comprar por cinco o que vale dez e de seguida vendê-lo por mil não é considerado uma burla, mas antes um bom negócio.

 

Depois de muito matutar, o filho da velha Miquela, apercebeu-se que estava muito cansado. Decidiu então tomar um banho quente em plena madrugada. Acordou um dos seus criados e pediu que lho preparasse. Bem aconchegado na sua água morninha, reviu a última pasta e leu uma frase escrita com a sua letra: “Também posso roubar através da usura.”

 

A ideia entusiasmou-o. Tinha já aprendido em família a meter-se em campos escuros e escorregadios, no limiar da legalidade, com a habilidade de um equilibrista de circo. Deogracies-Miquel Gambus sabia que a usura implica sempre uma união tentadora, muitas das vezes contranatura, entre as leis e a moral.

 

A história da usura não lhe saía da cabeça. Lembrou-se então de um episódio familiar, atribuído ao primeiro dos Gambus. Em 1850, Miquel Gambus I conseguiu organizar uma frota de quinze embarcações, de diferentes tonelagens, que secretamente transportava várias centenas de cavalos ao longo da costa africana. Todos roubados, como não podia deixar de ser. O destinatário era o fabuloso rei N’Geco do Daomé, que estava em guerra com a França pelo controlo do Golfo da Guiné. A ideia do monarca africano era surpreender os franceses com um regimento de mulheres guerreiras montadas a cavalo.

 

Sem incidentes significativos, que não passaram de pequenos encontros com piratas berberes que não faziam ideia com que pirata se metiam, aquele porta-estandarte da delinquência organizada chegou ao Porto de Cotonou.

 

Gambus I foi o convidado especial do rei N’Geco, que o cumulou de atenções e lhe pagou a encomenda com pedras de ouro, a mais pequena pesava cem gramas, e, para arredondar,  um par de raparigas.

 

Uma daquelas pedras douradas foi conservada sempre à vista de todos, na vitrina da sala de jantar do chalé de Alcagaire, à altura ainda chamada de El Cagaire. Das duas raparigas, uma morreu na viagem. A outra viveu ainda vários anos. Os suficientes para escurecer, mesmo que ligeiramente, os genes de umas quantas famílias da vila.

 

Eram outros os tempos, tempos românticos e aventureiros em que era possível ser ladrão e herói ao mesmo tempo.

 

Gente desta guarda dentro de si uma última esperança: que o inferno não exista.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 15 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Voo

. Tranquilidade

. Poema Infinito (502): Com...

. Passeando

. Tâmega

.  Epístola primeira

. A cultura do meu amigo

. Apetites freudianos

. Barroso com neve

. Vilarinho Seco

. Pinheiros com neve

. Poema Infinito (501): A c...

. Jardim Público - Chaves

. Tâmega

. 486 - Pérolas e Diamantes...

. Serenidade

. Serenidade

. Na conversa

. Poema Infinito (500): O D...

. Em Santiago de Compostela

. À espera

. 485 - Pérolas e Diamantes...

. Em Santiago de Compostela

. No Porto com Axel, Marina...

. Trabalhando

. Poema Infinito (499): As ...

. No pátio

. Atravessando a ponte

. 482 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No Porto

. Póvoa de Varzim

. Poema Infinito (498): A v...

. Em Guimarâes

. No Louvre

. 484 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. Sorriso

. Na aldeia

. Poema Infinito (497): Aur...

. Procissão

. Tudo treme

. 483 - Pérolas e Diamantes...

. A mulher e o burro

. Ao sol

. Na aldeia

. Poema Infinito (496): Luz...

. No trabalho

. No pasto

. 481 - Pérolas e Diamantes...

.arquivos

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar