Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

TerçOLHO

Este é um espaço dedicado às imagens e às tensões textuais. O resto é pura neurastenia.

TerçOLHO

Este é um espaço dedicado às imagens e às tensões textuais. O resto é pura neurastenia.

23
Dez19

474 - Pérolas e Diamantes: Confusões

João Madureira

 

 

Paul Mason, uma das vozes internacionais mais críticas do sistema capitalista neoliberal, tem um novo livro (Um Futuro Livre e Radioso – Uma defesa apaixonada da humanidade) onde medita sobre a desumanização que transforma os cidadãos em clientes, reduzidos à sua funcionalidade económica, ao mesmo tempo que alerta para o risco da humanidade ser suplantado pela inteligência artificial (IA). No fundo, é a sujeição dos indivíduos às forças do mercado.

 

Difunde-se na política e na economia o medo, e utiliza-se o ressentimento como forma de manter os privilégios e as hierarquias.

 

A globalização revela desequilíbrios e os sistemas económicos ficam sem controlo. O mundo é cada vez mais um lugar musculado, desordenado, instável e desigual.

 

Com a crise de 2008, o sistema de mercado livre implodiu, resultando daí um conflito entre uma elite neoliberal, que não quer perder privilégios, e uma esquerda que não consegue dar uma resposta satisfatória aos novos desafios. No meio estão os cidadãos em estado de confusão, reduzidos à sua funcionalidade económica.

 

A direita ultraliberal, entretanto, entrou em pânico, e com razão, pois já não consegue manter a sociedade unida e luta desesperadamente para continuar a garantir que as hierarquias não se dissolvem.

 

Os seus líderes, com especial relevo para Trump, revelam desdém pelos direitos humanos universais, medo pela liberdade, fazendo finca-pé no negacionismo ambiental. Vivem da idolatria e do autoritarismo, tentando fragmentar a ordem mundial.

 

Querem passar da ordem ao caos.

 

Tudo fazem para que os cidadãos quebrem a sua confiança em relação à democracia  e à política. Sendo capitalistas, abominam o capitalismo estatal, defendendo um capitalismo sem Estado.

 

Nessa luta, estigmatizam os meios de comunicação que lhes não são fiéis. Em troca, fabricam a toda a hora notícias falsas.

 

Esta postura política tornou a diplomacia e a política doméstica imprevisíveis.

 

Esta forma de neoliberalismo nacional, transformou-se num ataque global ao pensamento e à ciência, à lógica e à definição de políticas sustentáveis.

 

Toda esta confusão resultou em medo, legitimando a violência da extrema-direita, criando uma narrativa racista, misógina e nacionalista. Esta corrente populista sobrepõe-se à lógica e à verdade. A responsabilidade passou a ser relativa.

 

O neoliberalismo está controlado pelos monopolistas e especuladores. O vício é o de sempre: proteger a riqueza daqueles que já a possuem, reproduzindo as desigualdades.

 

É necessário reformar o capitalismo para se poder vencer as mudanças climáticas.

 

Mas existe outro fator de preocupação relacionado com o crescimento do pós-humanismo em todos os aspetos da nossa vida.

 

Olhares

O controle que se faz dos nossos comportamentos através de algoritmos ou da inteligência artificial, apesar de estar ainda no início, levanta problemas de privacidade, vigilância e liberdade.

 

Claro que à esquerda também existem tentativas de reciclar o bolchevismo. Por exemplo, Alan Badiou ou Slavoj Zizek, andam a tentar reformar a palavra comunismo. Mas parece ser tarefa impossível.

 

Basta ir a alguns países onde reinou o “socialismo real” para se perceber que ainda existem pessoas com uma memória viva do comunismo, que o comparam ao fascismo. E o regime comunista da China é até motivo de chacota, por ser uma mistura de autoritarismo, marxismo, confucionismo e contabilidade.

 

Paul Mason defende que é necessário pensar numa transição do capitalismo, assente numa economia colaborativa e partilhada, “onde seja possível viver numa sociedade sem trabalho automatizado e mais igualitária”.

 

O seu sonho é ver uma comunidade “sem pobreza, onde a propriedade e as hierarquias não são o mais relevante e em que todos dispõem de tempo livre para desenvolver o seu potencial humano e possuem recursos materiais suficientes para viver”.

 

Defende, para isso, a necessidade de uma nova esquerda, resiliente, assente num humanismo radical, capaz de requalificar a política. Ele acredita que tal vai acontecer. Eu tenho a minhas dúvidas, pois a ideologia neoliberal e a dominação algorítmica não se vencem com duas tretas.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

blog-logo

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

A Li(n)gar