Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

TerçOLHO

Este é um espaço dedicado às imagens e às tensões textuais. O resto é pura neurastenia.

TerçOLHO

Este é um espaço dedicado às imagens e às tensões textuais. O resto é pura neurastenia.

25
Mai20

492 - Pérolas e Diamantes: A benevolente tirania das democracias

João Madureira

 

A velha luta de classes foi substituída por uma outra bem mais parva: a luta da classe política contra tudo o resto. A classe política, enquanto tal, tornou-se demasiado reverente perante o dinheiro.

 

Quando a política é uma piada, o que faz sentido é ser comediante.

 

Eu conto uma piada. Um homem vai ao médico porque anda deprimido. A vida não está fácil. A vida é cruel. E dura. Sente-se só no mundo. O futuro parece-lhe vago e indefinido. O médico olha para ele com ar sorridente e diz-lhe que o tratamento é simples. Como na cidade está um bom circo, recomenda-lhe que vá ver o palhaço Patraquim. Ao ouvir isto, o homem desfaz-se em lágrimas e diz: “Doutor, eu sou o palhaço Patraquim.”

 

Os mais céticos acham que as pessoas não leem nada, não pensam em nada e não sentem nada. Eu considero que os céticos são uns exagerados, pois é bom de ver que as pessoas não leem quase nada, não pensam em quase nada e não sentem quase nada, a não ser uma fome endémica por um leitãozinho da Bairrada, o que é um indicador da possibilidade de os seus filhos nascerem autistas, hiperativos ou simplesmente insensatos.

 

Está claro que esta espécie de voz enfática é manifestamente exagerada.

 

A grandeza gosta de gabar-se até das suas próprias ruínas. Da pobreza, nem as cinzas se lhe aproveitam. Já a classe média aquece-se, quando pode, no morno calor do borralho.

 

Conversa-se sobre bagatelas e fazem-se afirmações em que não se acredita. Tudo isso nos faz perder o discernimento. Depois aceitamos tudo como um facto consumado.

 

A velhice permite-nos adquirir a capacidade de nos apoderarmos da experiência e modelá-la a uma nova luz.

 

As pessoas que fazem as leis nunca as elaboram com a intenção de elas poderem proceder contra os seus interesses.

 

A verdade é que a benevolente tirania das democracias parece ter um prazo de validade limitado.

 

Na democracia aconteceu que muitas pessoas com interesse passaram a pessoas interessadas e de pessoas interessadas transformaram-se em pessoas sem interesse. É por isso que a política é uma espécie de jogo das cadeiras.

 

A verdade é que os cavaleiros democráticos, montados nos seus cavalos flamejantes prontos a repor a verdade com a espada da justiça social, foi chão que deu uvas. Já ninguém acredita em tais histórias.

 

A verdade é que nesta história da democracia liberal tipo século XXI tudo está tão baralhado que já não se distinguem as personagens umas das outras e a ação acaba sempre por se basear no roubo, na mentira e na extorsão. Nem os argumentos da Walt Disney eram tão fracos.

 

A verdade é que a biografia dos estadistas atuais é de tal maneira desinteressante que vai ser difícil arranjar quem as escreva sem cair no ridículo ou ficar deprimido.

 

A verdade é que a nossa sociedade de informação transformou os cidadãos em gente sem personalidade, todos iguais, com a mesma voz, a mesma maneira de falar, os mesmos gostos, a mesma opinião.

 

Existe uma espécie de dissociação trabalhada. Hoje gostamos de tudo e não gostamos de nada. Quanto mais conhecemos os outros, menos nos conhecemos a nós próprios.

 

Dizemos respeitar os processos políticos mas perdemos as nossas opiniões políticas. Rezamos sem acreditar. Subordinamo-nos ao trabalho, negando muitas das vezes o nosso caráter, o que implica a negação da nossa consciência. Lidamos com o subterfúgio e a ocultação como se estivéssemos num videojogo.

 

Agora só há narrativas. Ninguém estabelece compromissos.

 

Mas tem de se voltar à fidelidade, aos princípios e aos valores. A palavra dada por cada um tem de ser assumida, valorizada e respeitada.

 

Dizem-nos que cada vez somos mais livres, mas a verdade é que cada vez temos menos direitos.

 

A Democracia não é um fenómeno teológico. Não depende da fé, mas da vontade dos homens e das mulheres.

 

Numa Democracia não pode haver exceções à regra. Mas a verdade é que elas existem. E em tal quantidade que a regra é que é uma exceção afrodisíaca.

 

A tal robustez democrática, de que nos falam os nossos queridos líderes, é feita à base de esteroides.

 

Com todo este exercício físico democrático deixámos praticamente de pensar e apenas contamos os dias que faltam para o fim do mês. Ou cogitar no crédito e na poupança possível que nos permita ir de férias para Varadero.

Mais sobre mim

foto do autor

Visitas

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

blog-logo

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

A Li(n)gar