Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

TerçOLHO

Este é um espaço dedicado às imagens e às tensões textuais. O resto é pura neurastenia.

TerçOLHO

Este é um espaço dedicado às imagens e às tensões textuais. O resto é pura neurastenia.

22
Nov21

567 - Pérolas e Diamantes: Todos os cuidados...

João Madureira

Apresentação3-2 - cópia 3.jpg

 

A viúva de Wagner transformou Bayreuth numa espécie de templo para um grupo de seguidores dedicados a cultivar a memória sagrada do mestre. As opiniões desse grupo eram de um antissemitismo raivoso, chegando a interpretar as óperas de Wagner como opondo heróis nórdicos contra os vilões judeus, embora a sua música pudesse ser interpretada de muitas outras maneiras.

 

As duas figuras de proa do círculo de Bayreuth eram Ludwig Schemann, um intelectual que tinha traduzido o tratado do francês Joseph Arthur de Gobineau sobre a desigualdade racial para alemão, e o inglês Houston Stewart Chamberlain, que desposou umas das filhas de Wagner e publicou uma biografia elogiosa do grande compositor.

 

Cosima e o seu grupo de amigos difundiam as suas ideias através da publicação mensal do boletim Bayreuther Blatter, enquanto Schemann viajava pelo país falando em reuniões antissemitas e fundando distintas organizações racistas radicais, nomeadamente a Sociedade Gobineau, em 1894.

 

O seu sucesso foi limitado, mas a difusão das ideias do teórico racial francês por Schemann contribuiu muito para consagrar o termo por ele inventando (“ariano”) nos meios racistas alemães. Esta designação, originalmente usada para denotar os antepassados comuns dos falantes de línguas germânicas como o inglês e o alemão, começou a ser utilizado devido ao argumento de Gobineau segundo o qual a sobrevivência racial só podia ser garantida pela pureza racial, que estava supostamente preservada no campesinato alemão ou “ariano”, e que a mistura racial resultava num declínio cultural e político.

 

Mas o maior impacto resultou do livro de Chamberlain, Os Fundamentos do Século XIX, publicado em 1900, obra vaporosa e mística, onde o autor retrata a história em termos de luta pela supremacia racial que tinha mantido a sua pureza original num mundo de miscigenação.

 

Segundo Chamberlain, os cultos e heroicos alemães tinham pela frente os implacáveis e tenebrosos judeus, que não deviam ser menosprezados como grupo marginal ou inferior, elevando-os ao estatuto de ameaça cósmica à sociedade humana.

 

Na sua perspetiva, a luta racial estava ligada a uma luta religiosa.

 

Grande parte do livro tenta provar que o cristianismo era essencialmente germânico e que Jesus, não obstante todas as provas em contrário, não era judeu.

 

O livro de Chamberlain impressionou muitos leitores, pois apelava à ciência para justificar os seus argumentos.

 

O autor de Die Grundlagen des Neunzehnten Jahrhunderts desenvolve a fusão do antissemitismo e do racismo com o darwinismo social.

 

O cientista inglês Charles Darwin afirmou que os reinos animal e vegetal estavam sujeitos a uma lei de seleção natural na qual os mais aptos sobreviviam e os mais fracos ou menos adaptados morriam, garantindo dessa forma o melhoramento da espécie.

 

Os darwinistas sociais aplicaram este modelo à raça humana. Foi dessa maneira que se fundiram alguma ideias-chave posteriormente adotadas pelos nazis.

 

O antropólogo Ludwig Woltmann, em 1900, aventou que a raça ariana ou alemã representava o apogeu da evolução humana e, por isso, era superior a todas as outras. Disse ele: “A raça germânica foi escolhida para dominar a terra”. Mas existia um problema: as outras raças estavam a impedir que tal acontecesse.

 

Em 1912, o general Friedrich von Bernhardi disse que a guerra era “uma necessidade biológica”.  Escreveu num seu livro que “sem a guerra, as raças inferiores ou decadentes abafariam facilmente o crescimento dos rebentos saudáveis e seguir-se-ia a decadência universal.

 

O antissemitismo e a higiene racial foram os componentes principais da ideologia nazi.

 

Heinrich Schartz e outros académicos alemães difundiram a ideologia dos irmãos de armas através de diversas publicações, mas a maior influência desta ideologia foi sobre o movimento juvenil, no qual os jovens, na sua maioria da classe média, faziam caminhadas no meio da natureza, cantavam canções nacionalistas à roda da fogueira e desdenhavam da política bafienta, da moralidade hipócrita e do artificialismo social do mundo dos adultos.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

blog-logo

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

A Li(n)gar