Quarta-feira, 29 de Setembro de 2010

A instrução dos corpos de orvalho

 

Entro na casa como se estivesse para nascer de novo. São cinquenta e dois anos de passos incertos. Sinto que as escadas se dissipam num imenso patamar e que os meus olhos devoram a chuva intensa da madrugada. As aranhas espalham o pânico do tempo, flores de pão emergem da masseira, os buracos da solidão disseminam memórias diluídas pelos predadores das sombras. Sei agora que é possível nascer exausto. Nasce-me o sexo translúcido num gesto delicado de romance. Sou uma nova realidade. Lá fora os galos cantam soporíferos amanheceres. Este é o meu tempo, um tempo inquieto pela importância da destruição. Imobilizo-me à porta observando os corpos de orvalho dos meus antepassados. Esses corpos para sempre frios e esgotados. Esses corpos inquietos pelo esquecimento infinito e imobilizados pelo abandono do chão sagrado. Eles sabem que ainda sou capaz de aperfeiçoar as gotas de orvalho que dão de beber ao desespero. Eles sabem que lhes comeram as nuvens da vida quando se amavam no escuro desejo da noite num perpétuo constrangimento de dor. Eles sabem a dor violenta de voar. Eles sabem das cicatrizes finíssimas da pobreza que lhes atravessou todos os dias da vida. Eles sabem das insónias e das violentas possessões geométricas dos sexos de pedra. Eles sabem dos dias molhados pelo álcool do esquecimento e pelos desvios nocturnos do vento frio e pelos olhos rotos de miséria e fome e desespero. Eles sabem, eu sei, das tardes queimadas pelo trabalho de camponeses escravos, eles sabem da vergonha das crianças pálidas que morriam como coelhos cegos, eles sabem do insuportável fedor da violência, eles sabem do terror cego dos relâmpagos e do cheiro a dúvida e a incerteza. Eles sabem do olhar ríspido de Deus quando lhe pediam pão, ou água, ou sol, ou depuração, ou amor, ou tolerância ou esclarecimento. O olhar de Deus foi o primeiro sinal de indiferença. Por isso eles sabem que viver tinha de ser uma luta inglória contra o sofrimento. E, apesar disso, comportaram-se como se nada soubessem. Por isso saber pode muito bem ser optar por nada saber. Agora os meus olhos desafiam a suavidade longitudinal das fotografias que descansam a um canto do quarto onde o sol tenta penetrar. O meu olhar toca-lhes no corpo de orvalho e com eles vou subir montanhas esquecidas e falar-lhes das mãos demoradas das crianças e da suavidade rectilínea dos lábios dos homens que lançam beijos no regaço das mulheres. Vou falar-lhes devagar na morte que consome todos os corpos. Vou pedir-lhes que pousem mais umas horas nas encostas crepusculares da alba estendendo-se num estremecimento inventado.  São agora os seus corpos de orvalho papéis escritos dentro do meu olhar. De novo sou a viagem de um barco à deriva. De novo adormeço no fundo da memória onde repousam esses corpos de gotas pequeníssimas. Agora sou novamente uma aldeia prolongada no esquecimento dos anciãos. Por isso entro em casa dos meus falecidos pais como se estivesse para nascer de novo.


publicado por João Madureira às 09:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

15


27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. 457 - Pérolas e Diamantes...

. Chaves

. Barroso

. Barroso

. Poema Infinito (470): Do ...

. Barroso

. Loivos

. 456 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (469): O l...

. No Barroso

. No Barroso

. 455 - Pérolas e Diamantes...

. O cabrito

. No Couto de Dornelas

. ST

. Poema Infinito (468): Voo...

. No Louvre

. O anjinho

. 454 - Pérolas e Diamantes...

. Gente bonita em Chaves

. Luís em Santiago

. No Louvre

. Poema Infinito (467): A a...

. Louvre

. Em Paris

. 453 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. Sorriso

. No Barroso

. Poema Infinito (466): Sem...

. Interiores

. No Barroso

. 452 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Barroso

. Poema Infinito (465): Dor

. No Barroso

. Misarela

. 451 - Pérolas e Diamantes...

. Feira dos santos

. Na feira

. O pastor

. Poema Infinito (464): A á...

. O homem da concertina

. Notre-Dame de Paris

. 450 - Pérolas e Diamantes...

.arquivos

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar