Segunda-feira, 10 de Janeiro de 2011

A tensão e o polvo frito com amêijoas e camarão

 

Escrevo esta crónica debaixo de uma grande tensão. É só tensão, tensão e palavras umas atrás de outras, como se a escrita fosse um caminho que vai dar a algum lado. As palavras são tensão, a vida é tensão. Tudo tende para o eufemismo e para o mais além. A alegria é tensão. A tristeza é tensão. Toda a tensão tende para a paranóia.

 

Gostaria de escrever algo de útil, mas creio que não sou capaz. Tendo, como já afirmei anteriormente, cada vez mais, para a tensão. Tudo o que leio me orienta para o mesmo caminho. Para o caminho tenso da realidade. Para a depressão. Para a economia. Para a depressão tensa da economia. Ou para a economia tensa da depressão. Ou, ainda, para a tensão tensa da epifania.

 

Deus do céu, ao que isto chegou. Uma pessoa, mesmo que não queira, é obrigada a ler o que vem nos jornais. Todos são unânimes em dizer que Portugal se portou como uma cigarra. Mas, por outro lado, os números evidenciam que as dívidas ao Fisco davam para pagar todo o défice deste ano e ainda sobrava para pagar os gastos com a Casa Civil do presidente da República. São cerca de 12,8 mil milhões de euros. O problema é que não há gente capaz de cobrar tal dívida. A economia portuguesa estagnou, a dívida cresceu e por isso somos obrigados a financiar-nos no estrangeiro. Ou seja, o país está de tanga em pleno Inverno.

 

É a paranóia completa: 600 mil desempregados, o FMI está aí à porta, a banca portuguesa tem o seu financiamento em risco, o TGV ameaça, ao mesmo tempo, prosseguir e estagnar, os políticos ameaçam-nos com boas intenções e sacrifícios. Além disso aumenta o IVA, as deduções fiscais vão diminuir, os salários na função pública vão sofrer cortes significativos. Vão subir as rendas, o crédito, a água, o gás, a electricidade, a gasolina, as portagens e os transportes.

 

E de novo sou invadido pela tensão. Pela depressão. O meu mundo está a ficar cada vez mais curto e pobre. Morreu Bobby Farrell, a cara e o corpo dos Boney M, e a irmã mais velha da família Von Trapp, protagonista do filme Música no Coração. E a Bolsa de Lisboa encolheu 6,3 mil milhões de euros em 2010.

 

E se tudo isto não bastasse, o constitucionalista Gomes Canotilho disse que “um presidente não é neutro nem moderador, é um cargo político. Todos temos as mãos sujas.” Afirmação que contradiz todo o argumentário político de Cavaco Silva, que além de não ler jornais, não ter dúvidas e raramente se enganar, afirmou que para serem mais honestos do que ele, os outros candidatos à presidência da república tinham de nascer duas vezes. E mesmo assim…

 

No entanto permiti-me que vos cite Vasco Pulido Valente (Confiança, Público de 7 de Janeiro de 2011), o emancipado, e putativo, opinion maker do regime, ele que é tão british, que não morre de amores pelas esquerdas, e virtuoso deputado do PSD seleccionado por Cavaco Silva: “Verdade que 300 mil euros não são uma fortuna e que a excitação da época levava com naturalidade a excessos lamentáveis. Só que a alegada candura de Cavaco não o recomenda. Quem se envolveu – porque ele de perto ou de longe se envolveu – na trapalhada do BPN não é aparentemente a criatura indicada para superintender, com o seu conselho e a sua prudência, a economia de Portugal inteiro. Quem nos garante que do assento etéreo a que tornará a subir não sairão opiniões ruinosas para o país? Quem nos garante que esse primoroso economista que tanto respeitávamos não se deixará enganar por um trafulha qualquer da Venezuela ou da Líbia? O dr. Cavaco pede confiança aos portugueses; e faz muito bem. Mas, com o caso BPN perdeu ele próprio a confiança dos portugueses.”

 

Dizem os sociólogos que cada vez mais as pessoas precisam de se envolver na cidadania com ideias. As lideranças carismáticas têm de fazer um enorme esforço para administrar o carisma. Daí as eleições para chefia da nossa república serem aquilo que são: um enorme vazio de ideias, com personalidades políticas que não conseguem entusiasmar nem os mais intrépidos militantes partidários.  

 

Lá fora, o Papa criou uma agência financeira contra a lavagem de dinheiro. Cá dentro, o Governo acusa Cavaco Silva de “branquear” Oliveira Costa. E o presidente, por causa das coisas, e apesar das pressões, decidiu promulgar o Orçamento de Estado de 2011. Isto é o que se chama serviço público. E é por estas e por outras que vamos tornar a eleger um homem desta grandeza.

 

E se tudo isto não bastasse, o Expresso diz-nos que 2011 vai ser um ano mais triste e escuro porque várias câmaras vão reduzir o apoio a associações e os fundos para festas e bailes populares, com a firme intenção de poupar milhões. Várias aldeias do país vão ter a luz cortada durante a madrugada, obras estruturantes vão paralisar, vai diminuir drasticamente a cedência dos autocarros, as excursões, os almoços e as romarias subsidiadas.

 

E como se não bastasse a crise económica, aí vai mais uma má notícia: um relatório do GAVE refere que os alunos do 8º ao 12º ano de 1700 escolas do país não conseguem estruturar um texto encadeado, explicar um raciocínio com lógica, utilizar linguagem rigorosa ou articular conceitos.

 

Outra: Francis Obikwelu, referenciado pelo El País como implicado na operação “galgo”, nega as suspeitas, lembrando que na sua vida só tomou vitaminas e que sempre correu limpo. E disso somos nós testemunhas, sempre o vimos correr limpo e, mais do que isso, envergando roupa desportiva de marca e muito colorida.

 

 

 

PS – E por causa da crise, mas mudando de paradigma, aqui fica uma receita de polvo frito com amêijoas e camarão, que encontrámos no livro “Receitas Bagos d’Ouro”, cujo produto das vendas reverte a favor das crianças carenciadas de São João da Pesqueira e Sabrosa.

 

Ingredientes para quatro pessoas adultas, ou para três adultos e duas crianças em idade escolar básica: 800 gramas de polvo cozido e cortado às rodelas; 12 camarões selvagens descascados; 28 amêijoas; 8 dentes de alho esmagados; azeite virgem extra q.b.; 16 batatinhas novas cozidas; coentros.

 

Confecção: Tapa-se o fundo de uma caçarola com azeite, deitam-se de seguida os alhos, os coentros, as batatinhas e os camarões. Assim que estes estiverem fritos, viram-se e junta-se-lhes as amêijoas. Quando que os ingredientes estiverem a fervilhar, introduz-se o polvo e mistura-se tudo até as amêijoas ficarem abertas. Se não simpatizar com o gosto dos coentros pode substituí-los por salsa. Acompanhe com um Branco do Douro de fino aroma.


publicado por João Madureira às 09:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Julho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (465): Dor

. No Barroso

. Misarela

. 451 - Pérolas e Diamantes...

. Feira dos santos

. Na feira

. O pastor

. Poema Infinito (464): A á...

. O homem da concertina

. Notre-Dame de Paris

. 450 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. Em Lisboa

. Em Lisboa

. Poema Infinito (463): Fix...

. Em Paris

. Em Paris

. 449 - Pérolas e Diamantes...

. Retrato

. Retrato

. Retrato

. Poema Infinito (462): Sol...

. Retrato

. Retrato

. 448 - Pérolas e Diamantes...

. Paris - Trocadero

. No Louvre

. No Louvre

. Poema Infinito (461): Ent...

. No Louvre

. No Louvre

. 447 - Pérolas e Diamantes...

. Couto Dornelas

. Couto Dornelas

. Couto Dornelas

. Poema Infinito (460): A t...

. Couto Dornelas

. S. Caetano

. 446 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. Poema Infinito (459): O v...

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. 445 - Pérolas e Diamantes...

. Em Chaves

. Na aldeia

. Vilarinho Seco

. Poema Infinito (458): Vib...

.arquivos

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar