Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2011

O Homem Sem Memória

 

47 - Bem avisou o agente da autoridade: “Ó senhor Martins, não me faça uma desfeita dessas. Os Pereiras foram sempre uns ranhosos. Uns cheios de fome. Agora com o contrabando lá vão comendo carne do talho de vez em quando. Mas é sol de pouca dura. São uns desgraçados. As mulheres são para aí uma piolhosas. Nada que se compare às lá de casa.”

Mas o guarda Martins nada de lhe ligar. Quando largava a presa não lhe tornava a deitar o dente. Por isso respondeu com maus modos: “Sai-me da frente, filho de uma giesta seca. Ou me largas ou nunca mais passas um saco de café que seja. Tu sabes como eu sou, abocanho e largo. Sou um caçador de boca fina.”

Mas ele voltava ao mesmo: “Ó guarda Martins, nós sempre o tratámos bem, servimos-lhe sempre o melhor pedaço de presunto, o salpicão mais refinado, a melhor galinha, o coelho do monte mais vistoso. A melhor franga…”

“Deslarga-me cabrão. Quero lá saber da tua franga. Já está muito usada. Eu gosto delas virgueiras. A tua mulher tampouco me importa. É um pedaço de toucinho amarelado com sabor a ranço. Comer carne do mesmo animal causa-me fastio. Deixo para ti os restos da porca gorda e da franga desarranjada,” replicava o guarda-fiscal enquanto tocava o cavalo para a frente.

Mas o contrabandista não se dava por vencido. Os pobres possuem essa coragem imensa de nunca esgotarem a sua capacidade de súplica. E tornou: “Ó Martins, não me troque por esse miserável do Pereira. Ainda lhe põe remédio dos ratos na comida. Até comprei uma banheira de cobre para a Rosita dar banho em água de rosas. Comprei-lhe um vestido novo e umas cuecas modernas no Gomerzindo de Xinzo.”

“Umas cuecas novas?”, admirou-se o guarda. “E para que as quer? Sempre andou com as partes ao léu.”

“É para lhe agradar”, respondeu o contrabandista. “A pombinha chama por si muitas vezes. Diz que gosta dos rebuçados que lhe dá.”

“Desses rebuçados já tu lhe deste antes de mim, meu debochado. Eu sempre gostei de as adestrar. Mas a tua Rosita já estava treinada. Por isso perdi o interesse. Podes tu voltar a dar de mamar à miúda, meu canalha. Deslarga-me filho-da-puta.”

“Está visto que não me conhece. Carne que eu não como dou-a aos cães”, proferiu cerrando os dentes o contrabandista. E pôs-se a correr pelo monte fora como um galgo. O guarda Martins tirou a pistola do coldre, fustigou o cavalo com o pinguelim e correu à desfilada disparando tiros de raiva. Mas aqueles ermos eram bem melhores de percorrer a pé que de ginete. E a cavalgadura do guarda-fiscal fora treinada para trotar com fidalguia e aprumo em campo raso. Por isso retraiu-se na hora da caçada.

Ao longe ecoou o grito de vingança do contrabandista: “Hei-de matar-te, meu filho de uma grandessíssima puta, nem que seja a última coisa que faço na vida. De mim ninguém se fica a rir.”

Os tempos foram passando. O agente da autoridade continuou na sua vida de contrabandista e pedófilo. O contrabandista perseverou na sua rotina de cabrão, cheira cus e chefe de família. Aliciou vários guardas-fiscais, outros tantos republicanos, um que outro agente da judiciária e dois pides, dos bons. Conseguiu ganhar mais algum dinheiro, distribuiu benesses, fez-se amigo do sargento e conseguiu mesmo comprar uma pistola de guerra como a que usava o guarda Martins. Mas a sua arma preferida passou a ser uma navalha de ponta e mola que afiava todos os dias. Foi também apalpando terreno, mas com muita cautela, pois sabia que o guarda Martins tinha bons e leais amigos e espiões competentes distribuídos um pouco por todo o lado.

Primeiro foi falando mal do homem que o tinha abandonado e desprezado, dizendo que ele era um debochado, um pedófilo e um traidor. Todos os que o ouviam lhe respondiam da mesma maneira: “Olha que tu!” E ele: “Posso ser aquilo que sou, mas de mim ninguém se fica a rir.” Depois começou a persegui-lo com toda a experiência de homem do contrabando. Estudava-lhe as rotinas, anotava mentalmente as horas dos passeios e sabia de cor os dias em que invariavelmente o guarda Martins ia a casa da família Pereira locupletar-se com o gado da capoeira.

Como já se disse, o guarda Martins não fumava, não bebia vinho nem cerveja, mas libava, quando saciado de sexo, um whisky velho de marca a que juntava um charuto cubano. Escusado será dizer que nesses dias, o seu sexto sentido se desvanecia e muitas das vezes era o tino do cavalo que o conduzia a casa sem se enganar no caminho.

Era noite estrelada e fria quando o cavalo e o cavaleiro, bufando ambos das ventas, viram aparecer ao longe um vulto embuçado numa capa de burel. O cavalo relinchou. O guarda Martins berrou: “Quem vem lá que faça alto senão é um homem morto.” Mas o vulto não obedeceu. O guarda Martins sacou então da pistola e, dando uma chupadela no charuto, tornou a ameaçar: “Quem vem lá que faça alto senão é um homem morto.” E mais uma vez o vulto nada de obedecer. Quando chegou mais perto, o vulto desembuçou-se e deu lugar à fina figura da Rosita em cima de umas andas que gritou muito alto o nome da guarda. Então o cavalo empinou-se e fez com que o surpreendido guarda caísse ao chão. Quando se sentiu sem carga, a montada do agente da autoridade Martins pôs-se em fuga deixando o seu estimado dono estatelado no chão. Por detrás da Rosita surgiu o seu pai que se aproximou do surpreendido guarda e lhe deu com o cipó de torgo na cabeça. Desfalecido, mas não inconsciente, viu como o contrabandista lhe apertava as mãos e os pés como quem se prepara para matar um animal.

O guarda ouviu o contrabandista dizer para a filha: “Chega-me aí a navalha.” “Para que queres tu uma navalha, filho de um reco?, balbuciou o guarda Martins. “Para te capar”, respondeu a Rosita. Então baixaram-lhe as calças, as cuecas e, com gesto certeiro, de um só golpe deceparam-lhe o pénis. “Este já está”, informou o pai. “Mete-lhe o rebuçado na boca, para que desfrute”, pediu a Rosita.

O contrabandista benzeu-se e assim fez.

 


publicado por João Madureira às 09:00
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (454): O f...

. No Barroso

. No Barroso

. 439 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

. 436 - Pérolas e Diamantes...

. Na Feira

. Na aldeia

. Olhares

. Poema Infinito (450): O d...

. Vaca atenciosa

. BB

. 435 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. ST

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar