Segunda-feira, 7 de Fevereiro de 2011

O candeeiro, o sapato, o santo e o risotto

 

Porque os meus olhos já necessitam de ajuda para poder ler a LER comprei um candeeiro novo com lente de aumento. Tenho-o junto ao sofá. Possui uma lente que aumenta três vezes e, graças ao ponto bifocal, chega a ampliar 5 vezes. Vem equipado com 12 luzes led (tecnologia de baixo consumo energético) e com um braço flexível para podê-lo inclinar como me der jeito. É leve e por isso posso deslocá-lo para onde quero. Funciona a pilhas ou a electricidade.

 

Foi com a sua ajuda que consegui ler o discurso alternativo de Manuel Villaverde Cabral, onde o sociólogo, historiador e político afirma que “se não há revolta é porque os papás estão a aguentar”. Li uma bonita história de Rogério Casanova intitulada “O Coelhinho Tomé e a Crise na Floresta Mágica”, onde “todos os animais estavam muito contentes com a situação pois as agências de notação de risco Libelinha & Noitibó tinham examinado demoradamente a probabilidade de incumprimento dos empréstimos subjacentes aos produtos e não encontraram problema nenhum; o rating dos produtos era tão bom como o rating do pôr-do-sol”. Inteirei-me ainda que os cães aparecem, sobretudo, nos livros que não são sobre cães. Pois eles saltam nos romances de Jack London, nos de John Steinbeck, nos de Charles Dickens, onde por vezes os homens são mais cães que os próprios cães, nos de Thomas Pynchon, onde um cão chega mesmo a ler Henry James. Já para não falar do Garryowen, um cachorro que só aparece num capítulo do Ulisses, de James Joyce, passado num bar, e que se limita a rosnar.

 

Tudo isto e mais alguma coisa anotei com letra bem desenhada no meu caderno de notas para discutir com o meu amigo T., que, agora reformado, decidiu dedicar-se à literatura.

 

Curiosamente, por alguma razão ditada pelo subconsciente, quando cheguei junto dele, em vez de lhe ler estes meus apontamentos, li-lhe um outro relacionado com São Tomás de Aquino. Mas antes de escrever o pensamento do senhor Santo, informo os estimados leitores que estudou teologia em Colónia e em Paris, onde foi discípulo de Santo Alberto Magno que o "descobriu" e se impressionou com a sua inteligência. Era na altura conhecido como o "boi mudo". Dele disse Santo Alberto Magno: "Quando este boi mugir, o mundo inteiro ouvirá o seu mugido."

 

Vamos agora dar lugar a um mugido seu: “As acções intensas fortalecem um hábito. Não a mera repetição. A intensidade favorece o aperfeiçoamento moral. Uma força de vontade intensa e perseverante. Eis um elemento da seriedade. A constância. Eis um dos elementos. Uma intencionalidade bem vincada. Um fito por nós escolhido.”

 

O T. olhou para mim e encolheu os ombros. Li-lhe então as minhas anotações retiradas da revista dirigida pelo Francisco José Viegas. Ele encolheu de novo os ombros. Eu perguntei-lhe se não tinha compreendido as citações ou se simplesmente não lhe interessava a mensagem. Ele tornou a encolher os ombros. Decidi pedir um café. Foi então quando ele puxou do seu bloco de notas e, dirigindo-se a mim, replicou: “Ora diz-me lá como se chamam as partes do teu sapato?” “Da minha bota, quererás tu dizer”, corrigi eu. “Ou isso”, persistiu ele. “E para que raio deveria eu conhecer o nome das partes do meu calçado?, questionei-o para podermos avançar na direcção certa. Ele disse: “Que nos interessam os mugidos do Santo boi se não dominarmos a nomenclatura básica dos ofícios que nos vão permitir sobreviver à Crise. Temos que regressar ao básico. Temos de tornar a aprender a trabalhar a terra, a tratar da floresta, a plantar o jericó, a podar as árvores, a rachar a lenha, a criar o porco, a fazer as chouriças, a cozer o pão, a tratar das galinhas e dos coelhos, a remendar as calças, a cerzir as meias e as camisas, a fazer os sapatos e a consertá-los.”

 

Depois do T. falar ficámos um bom pedaço a meditar. Ele meditou olhando para a praça e eu meditei olhando para a chávena vazia. Finalizada a meditação, veio a insistência: “Ora diz-me lá como se chamam as partes do teu sapato?” “Da minha bota, quererás tu dizer”, corrigi novamente eu. “Ou isso”, insistiu ele. “E para que raio deveria eu conhecer o nome das partes do meu calçado?, argumentei para podermos adiantar conversa.

 

Então, com a sua voz de papagaio, respondeu “porque sim” e começou a lição: “Parte inferior plana, sola e tacão; parte interior, pala e atacador; tira de cabedal que bordeja a orla superior do sapato (“bota, T., bota e não sapato”) abaixo do atacador, cano; parte rija sobre o calcanhar, contraforte; peça em forma de meia-nau, entre o cano e a tira acima da sola, enfranque; tira acima da sola, vira; parte frontal que cobre o peito do pé, gáspea; perfurações de ambos os lados, acima da pala onde se enfiam os atacadores, ilhós; protecção metálica em cada ponta do atacador, agulheta. E é tudo.”

 

“É tudo e não é pouco! E, já agora, espera aqui por mim que vou ali ao sapateiro da Ladeira a ver se me empresta, ou vende, um par de sovelas e um rolo de fio. Não posso deixar esmorecer o entusiasmo que em mim criaste. Já me imagino carregado de inspiração a coser as solas das botas junto ao meu candeeiro com lente de aumento. Eu de um lado do sofá a enfiar o fio pelo buraco feito pela sovela e a minha mulher do outro a fazer croché enquanto o senhor presidente da república reeleito nos comove com mais uma das suas passeatas para português ver. O mundo pode ser um sítio encantador. E a vida um evento curioso.”

 

PS – Receitas para ajudar a combater a crise.

Risotto de lagosta: ingredientes (para 2 pessoas de apetite médio, ou médio-baixo) – 1 lagosta com 475 gramas previamente cozida; 1 colher de sopa de azeite; 56,23 gramas de manteiga; ½ cebola de Loivos finamente picada; 1 dente de alho, também finamente picado; 1 colher de chá de folhas de tomilho, picadas; 182,5 gramas de arroz arbório; 160 ml de vinho branco gaseificado, de preferência Murganheira Reserva; 637 gramas de caldo de peixe a ferver; 1 colher de chá de grãos de pimenta verdes ou rosas em salmoura, escorridos e toscamente picados; 1 colher de sopa de salsa fresca, picada.

Confecção: Prepare a lagosta (torça-lhe as patas e rache-as; corte o corpo ao meio; remova as entranhas do animal e deite-as fora; retire a carne da cauda e pique-a. Reserve-a com as patas. Num tacho, aqueça o azeite e a manteiga, junte a cebola e refogue, junte o alho e refogue mais 29 segundos. Adicione agora o tomilho. Baixe o lume, junte o arroz e envolva no azeite e na manteiga. Frite e mexa durante 3 minutos até os grãos ficarem translúcidos. Adicione o vinho e deixe cozer durante 1 minuto. Mexa. Junte o caldo a ferver. Continue a mexer. Junte mais líquido de cada vez que o arroz necessite. Coza até o arroz ficar cremoso. 5 minutos antes do final da cozedura, junte as patas e a lagosta. Retire o tacho do lume e, continuando a mexer, junte os grãos de pimenta, o resto da manteiga e a salsa. Transfira para pratos individuais aquecidos e sirva de imediato.


publicado por João Madureira às 09:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Louvre

. Em Paris

. Poema Infinito (486): Dis...

. Em Paris

. Em Paris

. 472 - Pérolas e Diamantes...

. Feira dos Santos

. ST

. Na cozinha

. Poema Infinito (485): Sed...

. Olhares

. Vacas e balizas

. 471 - Pérolas e Diamantes...

. Em Amarante - Cultura que...

. Na feira

. No Porto

. Poema Infinito (484): Eco...

. Chega de bois em Boticas

. No Barroso

. 470 - Pérolas e Diamantes...

. Interiores

. Castelo de Montalegre

. No Barroso

. Poema Infinito (483): Ilu...

. No Barroso

. Na aldeia

. 469 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Noturno

. ST

. Poema Infinito (482): Res...

. No Barroso

. No Louvre

. 468 - Pérolas e Diamantes...

. AB

. VS3

. VS2

. Poema Infinito (481): Que...

. VS

. CL

. 467 - Pérolas e Diamantes...

. Pisões

. Misarela

. Olhares

. Poema Infinito (480): As ...

. Na Abobeleira

. Barroso

. 466 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Alturas d...

. Em Coimbra

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar