Domingo, 20 de Fevereiro de 2011

Sinais inequívocos de desenvolvimento (abaixo a reacção)

 

O dia amanheceu vai para meia hora e já o mundo que eu contemplo da janela do meu escritório se encheu de luz. Primeiro foram os cumes das serras que se iluminaram, a seguir a luz desceu mansa sobre as encostas para vir pousar suavemente sobre o vale. Posteriormente chegou à minha janela e por ela entrou aos borbotões. Pousou delicadamente sobre alguns livros, acariciou parte do tampo da minha secretária e compôs desenhos interessantes nas paredes depois de ser filtrada pela persiana. Finalmente chegou ao pintassilgo e cessou a sua trajectória descendente indo fazer cócegas ao cágado que se espreguiçava no chão encerado.

 

Lá fora reparo, entusiasmado, nos reflexos prateados da geada, nos passarinhos que voam baixo e nos reformados mais novos que logo de manhã fazem as suas caminhadas pela saúde.

 

Enquanto os meus sapatos novos comprados nos saldos da Baviera alargam na forma de madeira, pois o peito do meu pé continua mais alto do que devia, eu rejubilo com o trinado eufórico do pintassilgo que, dentro da gaiola, exprime a sua liberdade. Talvez uma liberdade vigiada, mas mesmo assim liberdade. É melhor estar enfiado numa gaiola, protegido do frio, com acesso automático à água e ao sustento, do que gozar da inglória liberdade de ser acometido pelo frio ameaçador das noites transmontanas. E o que é, afinal, caros leitores, a liberdade? Aliás, a liberdade nem sempre é o melhor sistema de vida. Nem sequer o mais natural. Que o digam os passarinhos que tombam das árvores como folhas mortas.

 

Repleto de esperança, lembro-me, com orgulho, de várias notícias que dão conta do nosso imparável desenvolvimento. Isto apesar das análises inglórias dos velhos do Restelo, das críticas acéfalas dos deputados da oposição e das censuras estapafúrdicas do suposto próximo primeiro-ministro, dos seus putativos ministros e, ainda, para fartar a vilanagem, dos presumíveis secretários e subsecretários de Estado. A todos eles, liberais, neo-liberias e ultra-liberais da treta, lembro as sábias palavras de Churchill: “Um político que não sabe mentir é irresponsável”. Por isso, verdade seja dita, os nossos homens, mulheres, e mesmo os moços e as moças dos partidos, são de uma responsabilidade avassaladora.

 

Se me dão licença, lembro aos estimados leitores que, por favor, percebam os sinais. Nos últimos seis meses foram vendidos em Portugal cerca de três milhões de telemóveis e a taxa de desemprego cada vez está mais próxima da dos países mais desenvolvidos da Comunidade Europeia. E só não enxerga estas evidências quem está de má fé.

 

É claro que nem toda a gente perfilha destas ideias. Especialmente os homens das artes que costumam andar lá por fora a trabalhar (ou a fazer que trabalham, pois nisto das artes é muito difícil distinguir o que é trabalho do que é diversão), e depois se acham no direito de, quando se atrevem a vir cá passar uns dias para matar saudades, se porem logo a dizer mal do seu próprio país.

 

O fotógrafo Paulo Nozolino é disso o exemplo paradigmático. Começou por criticar as cidades para logo chegar às pessoas. “A cidade são as pessoas e a cabeça das pessoas está cada vez pior.” Mas não se ficou por aí, o ingrato, foi ainda mais longe e mais fundo: “O que eu rejeito neste país é a incapacidade de pensar que as pessoas têm. São como carneiros. Como se explica viver num país que aboliu a Filosofia?”

 

Não me quero deitar a adivinhar, mas quase que me atrevo a dizer que as nossas elites têm muito mau perder. Julgam-se melhores do que a terra que os viu nascer, desprezam e criticam, com laivos de malvadez, o seu próprio povo.

 

O poeta Pedro Tamen, por exemplo, disse em entrevista que “os poetas, no seu reduto, não são tipos normais. Vêem um bocadinho mais do que os outros.” Não deixa de ser irónico, mas o poeta mais famoso de Portugal – Camões, O Luís Vaz nado em Vilar de Nantes - era cego de um olho, por isso tinha necessariamente de enxergar pior do que a maioria do seu povo que, ao que sabemos, possuía, e ainda, dizem, possui os dois. Fernando Pessoa era míope até dizer chega; Ruy Belo idem aspas; o mesmo se pode expressar acerca de Alexandre O’Neill. E o próprio autor de tão incongruentes palavras usa uns óculos que evidenciam uma miopia acentuada. Ora quem isto afirma não lobriga muito bem o alcance das suas opiniões. Não se observa ao espelho.

 

Mas o mais forte indício do nosso desenvolvimento tem a ver com a percentagem crescente de suicídios. Os suicídios têm aumentado nos últimos anos, passando já a barreira do milhar, e a maioria dos suicidários são homens. Por incrível que pareça, a taxa de suicídios é um sinal de desenvolvimento, para tanto basta estudar os países do norte da Europa, que aliam os altos níveis de desenvolvimento com os também elevados índices de suicídios. É visível que esta é uma notícia que, apesar da dupla interpretação oficial, por parte do Governo e da Oposição, constitui um sinal que nos enche de orgulho, dissimulado, é certo, mas, mesmo assim, orgulho, apesar de tudo.

 

Quando os vários índices de desenvolvimento são tão desalentadores, é reconfortante inteirarmo-nos, mesmo em acto de contrição e confissão pessoal e intransmissível, de uma informação (a da taxa de suicídios, claro está) que aponta um caminho: o crescimento sustentado da nossa qualidade de vida.

 

PS – Reconfortante é também saber, através da opinião avalizada da psicóloga Joana Almeida, que “a bissexualidade é uma orientação sexual e não uma zona de transição”. Agora sim, ficámos todos mais tranquilos.


Mas, se o amigo leitor estiver de acordo, podemos estender este conforto ainda um pouco mais. Fique a saber que existem ainda os pomossexuais, que são pessoas que evitam rótulos restritos como hetero, homo ou bissexual.



publicado por João Madureira às 20:20
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Porto

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. Poema Infinito (477): Tox...

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. 463 - Pérolas e Diamantes...

. Amizade

. Na feira

. Interiores

. Poema Infinito (476): Via...

. ST

. Expressões

. 462 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (475): Bre...

. No Barroso

. No Barroso

. 461 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No Barroso

. Em Lisboa

. Poema Infinito (474): Ven...

. Na Póvoa de Varzim

. Em Paris

. 460 - Pérolas e Diamantes...

. Póvoa de Varzim

. Póvoa de Varzim

. Bragança

. Poema Infinito (473): Dis...

. Porto

. Paris

. 459 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Farinha de milho

. Fato

. Poema Infinito (472): O a...

. Na aldeia

. Sorrisos

. 458 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No elevador

. S. Lourenço

. Poema Infinito (471): O s...

. No Louvre

. No Louvre

. 457 - Pérolas e Diamantes...

. Chaves

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar