Segunda-feira, 1 de Agosto de 2011

Nós, os da ocidental praia lusitana (parte segunda)

 

Boaventura Sousa Santos tem razão: Portugal é um país de desenvolvimento intermédio. E fundamenta esta sua conclusão numa “atitude consciente em mostrar que há razões históricas e sociológicas para os nossos grandes problemas”.

 

Mas já lá iremos. Entretanto, deixem-me lembrar-vos três evidências simbólicas do destino errático e poético do governo da nação, que tanto prometia e que, ao que parece, cada vez mais se aproxima do estilo da ópera bufa. Para não ir mais longe, permitam-me que utilize as palavras de João César das Neves, um economista conservador próximo do PSD, que declarou ao jornal I que “as duas semanas do Passos Coelho são iguais às de Sócrates”.

 

A primeira evidência tem a ver com Pedro Passos Coelho. Afinal o actual primeiro-ministro prometeu que não se desculparia com os erros do passado, nomeadamente com os cometidos pelo governo de José Sócrates. Prometeu mas não cumpriu. E essa até era a promessa mais fácil de realizar. Uma coisa é falar, ou calar, outra bem mais difícil é governar. No primeiro debate sobre o programa do Governo PPC até conseguiu conter-se. Mas não conseguiu resistir mais do que um mês à comezinha tentação e lá veio ele com a ladainha da desculpa por causa das dificuldades impostas pela “pesada herança”. Que a herança é pesada, lá isso é. Mas os portugueses estão fartos deste jogo do empurra. Quem lá está foi porque quis estar e já sabia de antemão aquilo que ia encontrar. O Governo, em vez de se queixar, tem de agir.

 

A segunda evidência está relacionada com Francisco José Viegas. Dos três secretários de Estado na dependência directa do primeiro-ministro, o nosso (quase) conterrâneo é o único que não terá assento no Conselho de Ministros. Sendo esse o principal local de discussão política dos governantes, está visto que FJV está fora do jogo. E quem está fora do jogo racha lenha. Aceitando o estatuto minoritário da cultura em relação ao resto da governação, o distinto escritor de policiais vai andar sempre a colher apenas as migalhas que podem cair da mesa do orçamento. Dinheiro para a cultura não há, poder tão pouco. Resta a FJV fazer de bouquet num executivo que só tem olhos para a economia e as finanças. Salazar também assim pensava, por isso deixou o país com ouro nos cofres, mas com um atraso de cem anos em relação ao resto da Europa desenvolvida.

 

A terceira evidência relaciona-se com a senhora ministra da Agricultura (e mais qualquer coisa). A ideia mais revolucionária que encontrou para fazer andar a agricultura para a frente foi decretar o fim das gravatas para poupar no ar condicionado. As batatas, o trigo, as couves o milho e tudo o resto que aguardem. E os agricultores que esperem sentados, à sombra das oliveiras, as políticas agrícolas que a senhora ministra mais os seus assessores sem gravata irão desenhar no desconforto dos seus gabinetes. Curioso é que só pensou nos homens para poupar no ar condicionado. Por isso, com a devida vénia, aqui fica a pergunta: e as mulheres o que é que tiram para poupar na conta da electricidade do ministério?

 

Voltando de novo a Boaventura Sousa Santos, é pertinente a sua crítica em relação à nossa autoflagelação, que, na sua perspectiva, atingiu níveis alarmantes. Por isso se insurge contra os discursos dos “esclarecidos”, dos “estrangeirados, como eram chamados no século XVIII, que, ainda por cima, são estrangeirados que nunca saíram de Portugal”. A seguir ilustra a sua teoria com o caso de Medina Carreira a quem não desculpa a desfaçatez de nos comparar ao Zimbabwe.

 

Já que estamos em maré de autoflagelação, deixem-me citar BSS, em entrevista ao Expresso: “Os frades, que no século XVII vinham dos lados das Alemanha e da França, diziam dos portugueses o que nós dizíamos dos indígenas das colónias: que eram lascivos, preguiçosos, sem regras de higiene. Há um colonialismo interno, na Europa, que está sempre a aflorar”. E um pouco mais à frente: “Portugal iniciou a sua decadência a partir de 1580, quando perdeu a independência para Espanha. A partir daí, fomos sempre um país de desenvolvimento intermédio. Os barcos vinham do Brasil cheios de ouro, mas o ouro não ficava em Lisboa, seguia para Londres, para pagar a nossa dívida”.

 

Já Barry Hatton, um jornalista inglês a viver em Portugal, em entrevista ao mesmo jornal, disse que o português é passivo, contenta-se com o que tem”. No seu livro “Os Portugueses” defende que o português não só engana o patrão, como engana o fisco e o próprio governo. Considera que o nosso povo é muito humano e amável, que tem uma forma lânguida de viver que é muito simpática. Além disso temos a rara qualidade de nos agarrarmos ao que temos, mesmo que seja manifestamente mau. “Há um medo de o largar apara avançar”, conclui. Mas vai mesmo mais longe na sua análise sobre os portugueses, quando refere um axioma: “Durante a ditadura falava-se apenas do dever das pessoas e depois do 25 de Abril passou-se a falar de direitos. Nunca mais se ouviu falar de deveres”.

 

Mas a parte mais interessante da entrevista ao jornalista britânico encontra-se no trecho onde tenta responder à questão sobre como vivem as pessoas em Portugal. BH, por incrível que pareça, dispara a matar: “Há muito tempo, desde o século XVI, que Portugal não consegue gerar riqueza. Para um estrangeiro que vem de férias ou por um período breve é difícil perceber de onde vem a riqueza do país. O segredo é que muitas pessoas vivem com muito pouco. Há uns dias um blogue referia que em Portugal se trabalha mais do que na Alemanha. Respondi que o tempo de trabalho não interessa tanto como a produtividade”.

 

Para justificar esta situação, BSS considera que cometemos dois erros: o de termos voltado as costas às ex-colónias e um segundo relacionado com a má gestão dos fundos europeus. E vai mais fundo, apontando o dedo a Cavaco Silva, pois, na sua perspectiva, “foi ele que mandou abater barcos, cortar as oliveiras e cortar as vinhas, porque era uma maneira de receber subsídios. E foi ele que impediu as universidades de gerirem os fundos para cursos de formação para requalificarem mão-de-obra portuguesa, o que deu na maior corrupção da história portuguesa, com cursos, professores e diplomas fantasmas”.

 

 

Barry Hatton diz que conhece um sueco que afirma a pés juntos que “os portugueses são bons porque o Estado é mau”. O que nos permite estender o argumento e afirmar que quando PPC fizer como promete, e transformar o Estado mau em bom, os portugueses passarão de bons a maus. Ora, estimados leitores, está visto que o nosso futuro é tortuoso. Estamos como o brasileiro quando verifica: se correr, o bicho pega, se ficar o bicho come. 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 15 seguidores

.pesquisar

 

.Março 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9



31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

.  Epístola primeira

. A cultura do meu amigo

. Apetites freudianos

. Barroso com neve

. Vilarinho Seco

. Pinheiros com neve

. Poema Infinito (501): A c...

. Jardim Público - Chaves

. Tâmega

. 486 - Pérolas e Diamantes...

. Serenidade

. Serenidade

. Na conversa

. Poema Infinito (500): O D...

. Em Santiago de Compostela

. À espera

. 485 - Pérolas e Diamantes...

. Em Santiago de Compostela

. No Porto com Axel, Marina...

. Trabalhando

. Poema Infinito (499): As ...

. No pátio

. Atravessando a ponte

. 482 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No Porto

. Póvoa de Varzim

. Poema Infinito (498): A v...

. Em Guimarâes

. No Louvre

. 484 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. Sorriso

. Na aldeia

. Poema Infinito (497): Aur...

. Procissão

. Tudo treme

. 483 - Pérolas e Diamantes...

. A mulher e o burro

. Ao sol

. Na aldeia

. Poema Infinito (496): Luz...

. No trabalho

. No pasto

. 481 - Pérolas e Diamantes...

. Nuvens

. Água

. Músico

. Poema Infinito (495): Est...

. Arcos

.arquivos

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar