Segunda-feira, 22 de Agosto de 2011

Terceira crónica estival: um, dois, três e… zzzzzzzzzzzzz

 

As noites são quentes, os dias são quentes, o sol é estonteante e o mar é frio como o caraças. Mas de resto, tudo bem. Continuo a ir para a praia, continuo a besuntar-me com muito rigor, continuo a ir tomar banho no mar aos solavancos, hesitando, hesitando, hesitando sempre. De noite suo muito por causa do calor. De manhã acordo alagado em água. Agora a pele começou a dar mensagens de que, por não estar habituada a tanto sol, também existe e não gosta mesmo nada de ser maltratada. O contacto com os tecidos tornou-se problemático. Fora isso, férias na praia são encantadoras, sobretudo antes de fazermos centenas de quilómetros para ir ao seu encontro e depois de já estarmos a trabalhar, quando a recordamos, em amena cavaqueira, na doce e calma companhia dos amigos.

 

Ler os jornais na praia é uma trabalheira. O vento sempre a soprar faz as páginas adejar em todos os sentidos e, quando o vento acalma, as mãos gordurosas do protector solar, em aliança espúria com a tinta das letras impressas, mancham tudo. Fora isso, tudo bem. A areia escalda, os vizinhos da barraca ao lado gracejam à base de impropérios (bendito seja o povo mais o seu sagrado linguajar), os filhos de vários casais amigos jogam futebol, ou batem ritmadamente com duas raquetes numa bola muito parecida à do ténis mas que produz um som estranho, levantam areia, chutam a bola contra quem passa, gritam imenso a sua alegria, pedem muita desculpa pelo incómodo de virem de cinco em cinco minutos procurar as bolas tresmalhadas nas toalhas das pessoas que para aqui estão de papo ao ar, com os olhos fechados a fazerem que descansam, enquanto se vão remordendo de raiva e angústia por causa de, à semelhança da interdição aos cães, a praia não ser igualmente vedada às crianças e aos africanos que persistem em vender relógios, óculos de sol e girafas de madeira de vários tamanhos e preços.

 

Passear na praia é aquilo que me dá mais prazer. Desde logo porque consigo aguentar bem o contacto da água fria com os meus delicados pés. Mas também tem os seus inconvenientes: a inclinação do areal que prejudica a frágil estabilidade da minha coluna vertebral, as pedras que incomodam o meu andar, a elevada quantidade de pessoas que se põem a passear junto ao mar ao mesmo tempo mas em direcções opostas, os jogadores de futebol e raquetes que ocupam a maior parte do espaço vital da praia, os jovens mergulhadores que correm como loucos e aos gritos, para saltarem para as ondas, assustando as pessoas mais idosas e aspergindo água fria sobre as crianças que descansadamente fazem buracos na areia. 

 

Por vezes dá-me vontade de ir urinar por força da muita água que bebo devido ao facto de tomar uns comprimidos que são diuréticos e por isso amenizam a minha tensão arterial. Mas como nessa altura já o sol aperta muito, e as casas de banho são distantes, o exercício torna-se penoso. Amigos meus mais dados à zombaria, aconselham-me a que me enfie no Atlântico e verta águas dentro do seu aconchego, pois ninguém dá por nada, além disso, dizem eles com acerto, e com vossa licença, o mijo é salgadinho como a água do mar. Reconheço que o apelo é forte, mas a minha educação espartana proíbe-me determinantemente de dar tréguas ao facilitismo e à promiscuidade.

 

Quando chega a hora do almoço, o sol aperta de tal maneira que me só me apetece fugir dali. Mas o caminho até casa é tão íngreme e penoso que apenas me consigo arrastar pela torreira, incomodado com o sal seco na pele das minhas costas e a areia nos interstícios das minhas chinelas de plástico robusto. Os sacos com as toalhas molhadas pesam. O sol continua a atacar, os outros veraneantes empurram-me, as crianças berram, os jovens pedalam nas suas bicicletas pelo meio das pessoas como se fossem pilotos de motas de grande cilindrada, os africanos insistem de novo na oferta a bom preço, dos óculos, dos relógios e das girafas. Entretanto é necessário passar pelo supermercado para comprar bebidas. Lá dentro a fila é enorme, os estrangeiros são muitos e as funcionárias das caixas não têm mãos a medir. Depois de aviado, entro de novo na torreira e subo a ladeira até casa com o mesmo esforço que Cristo pôs quando carregou a cruz até ao calvário.

 

O almoço foi frugal, bem regado, talvez até regado bem demais. Termino-o com uma sopa que me põe a suar em bica. Depois da sobremesa, que é sempre composta por fruta fresca e boa, refresco a cara e o tronco com água corrente e ponho-me a ver a televisão. É a volta a Portugal. Adormeço logo de seguida. Acordo, todo suado, quando a Luzia me diz que está na hora de ir para a praia. Vou de novo à casa de banho para me refrescar. E refresco-me. Pego no saco das toalhas e lá vou eu. Agora é a descer, mas a descida é tão íngreme que tenho de travar senão despenho-me.

 

Chegado à praia, com os pés a arder, coloco as toalhas, besunto-me, vou até a beira-mar e refresco-me. O sol continua bravo e o calor é muito. Por isso vou passear. Mas como o areal tem um desnível, os jovens jogam, correm e mergulham, as pessoas atropelam-se e o mar continua frio, resolvo deitar-me na toalha e adormecer. Mas…

 

De olhos fechados, mas acordado, começo a pensar nesta crónica e por isso vou alinhavando alguns lembretes mentais: descrição do prazer que é passar as férias na praia, abordar rotinas, falar do esplendor do convívio com os veraneantes, colocar um pouquinho de sal e pimenta no final com uma leve menção a Pedro Passos Coelho e António José Seguro, rrrr…  Então não é que o PPC… shshsh… Já para não falar do AJS que… zzzz… Resumindo e concluindo, estamos bem trama… zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz~

 

 

PS (primeira parte) – Conversa (escrita) entre um ex-ministro da educação e um professor no grupo do Facebook “Um Sorriso por Portugal”. JDJ: Quanto o acto de SORRIR é um acto de esperança no futuro. Por vezes não imaginamos a força que pode ter um sorriso. JM: Há qualquer coisa que me ultrapassa em tão vãs palavras. Se os lugares comuns pagassem imposto… E saber que o meu amigo foi ministro da educação. JDJ: Meu caro amigo João Madureira, se assim fosse não queria estar na sua pele, depois de ler o seu último texto. JM: O seu acto de sorrir é tocante. Sorria caro Justino, sorria… O meu amigo está nos apanhados.

Um pouco mais à frente, o JM foi expulso do grupo que se auto-intitula “Um Sorriso por Portugal”.


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Na Póvoa de Varzim

. Em Paris

. 460 - Pérolas e Diamantes...

. Póvoa de Varzim

. Póvoa de Varzim

. Bragança

. Poema Infinito (473): Dis...

. Porto

. Paris

. 459 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Farinha de milho

. Fato

. Poema Infinito (472): O a...

. Na aldeia

. Sorrisos

. 458 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No elevador

. S. Lourenço

. Poema Infinito (471): O s...

. No Louvre

. No Louvre

. 457 - Pérolas e Diamantes...

. Chaves

. Barroso

. Barroso

. Poema Infinito (470): Do ...

. Barroso

. Loivos

. 456 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (469): O l...

. No Barroso

. No Barroso

. 455 - Pérolas e Diamantes...

. O cabrito

. No Couto de Dornelas

. ST

. Poema Infinito (468): Voo...

. No Louvre

. O anjinho

. 454 - Pérolas e Diamantes...

. Gente bonita em Chaves

. Luís em Santiago

. No Louvre

. Poema Infinito (467): A a...

. Louvre

.arquivos

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar