Sexta-feira, 26 de Agosto de 2011

O Homem Sem Memória

 

78 – Naquela época, as verbenas do Jardim Público em Névoa eram célebres e, talvez por isso mesmo, muito concorridas. Naquele tempo também o dinheiro escasseava no bolso de quase todos os portugueses, especialmente no dos jovens. Mas a escassez aguça o engenho.

Era frequente ver grupos de adolescentes organizarem-se por vizinhança ou outras afinidades electivas. Contavam os escudos, dividiam tarefas e actuavam segundo um plano previamente delineado. Parte deles adquiria os bilhetes no guichet junto à entrada do recinto, enquanto a outra parte se dirigia a um caminho estreito entre a margem do Tâmega e o muro de pedra que sustentava o gradeamento de ferro ao fundo do jardim. Esse era o lado mais vigiado, pois era por ali que os penetras sem bilhete tentavam a sua sorte. Uma das tácticas utilizadas pelos rapazes que tinham entrado pelo portão principal consistia em juntar-se no fundo do recinto e simular uma luta corpo a corpo pretextando desavença grave. Enquanto a luta se ia desenvolvendo com a lentidão necessária, e os polícias tentavam acalmar os ânimos entre os contendores, parte do grupo dirigia-se ao muro e içava os colegas que aí estavam à espera.

Depois de os rapazes serem içados e o sinal combinado ser dado, a rixa acabava e o grupo lá ia à sua vida, bem assim como a patrulha da polícia. Tudo estava bem porque acabava em bem. Tudo era como soía.

O dinheiro poupado nos bilhetes estava destinado a, lá mais para a noitinha, servir para adquirir sardinhas assadas, pão, caldo verde e vinho tinto.

Dentro do recinto, a rotina era a usual: uns dançavam, outros viam e os restantes passeavam para cima e para baixo aproveitando o fresco da noite.

O José, como todos sabemos, era da facção mais dada ao baile. Apreciava uma boa dança, gingava à maneira e aproveitava-se, quanto baste, das possibilidades eróticas, ou outras, do seu par. Masturbações no Jardim Público eram proibidas, por falta de espaço.

Nestas ocasiões, o José costumava emparelhar com o Pereira, um rapaz alto e magro como um lareiro. Também ele gostava de se enroscar nas raparigas com uma certa persistência e denodo. Algumas davam-lhe tampa logo após a primeira dança, mas outras continuavam a bailar ao seu ritmo, quase sem mexer os pés. O Pereira, para a dança, era um pé de chumbo, mas tinha conseguido transformar essa fraqueza na força do seu dançar. Era a prova provada de que se pode metamorfosear um defeito numa virtude. Por vezes desperdiçava o par porque se recusava a dançar ao som da música da banda filarmónica. Para ele só a música moderna é que contava. Já o José era pau para toda a colher.

Naquela ocasião, por circunstâncias várias, o José resolveu, antes de começar a sua noite dançante, passear um pouco na companhia do Andorinha, um seu colega assaz curioso. Vinha às verbenas mas nunca dançava. Passeava com quem o quisesse ouvir e, quando a fome apertava, ia comer com o grupo o que o grupo previamente decidia.

Nessa noite o Andorinha começou a falar de um livro que o tinha marcado profundamente. Já ia na segunda leitura e afirmava que, de tão interessante, era obra para ser lida mais algumas vezes sem enjoar. O José perguntou-lhe qual era o livro, mas o Andorinha só prestava atenção ao seu pensamento. E continuou a falar do livro durante a noite toda. Do quanto o tinha marcado o personagem principal, rapaz muito religioso, que perdeu subitamente a fé porque encomendou a cura do seu pé boto a Deus e Ele nada fez, deixando-o manco e ateu.

O Andorinha era um rapaz predestinado, um génio de província, que arranjava tudo o que era eléctrico utilizando a sua intuição e um ferro de soldar. Adorava, especialmente, consertar rádios. E fazia-o de graça. Era rapaz para se enfiar em casa semanas seguidas, movendo-se da cama para o sofá e do sofá para a cama, lendo “A Servidão Humana”, vendo televisão, ouvindo rádio, consertando os aparelhos que lhe levavam a casa, comendo, bebendo e fumando muito. Era um fã dos Beatles e dos programas televisivos de António Vitorino de Almeida. Do músico português apreciava a verve fácil e corrosiva anti-regime, e escangalhava-se a rir quando recontava os discursos do mestre enquanto abraçava ao colo um chimpanzé que, dizia ele, e com alguma razão, convenhamos, por muito que nos custe, que era muito mais inteligente do que a maioria dos portugueses, incluídos os governantes.

Gostava ainda o Andorinha de, nas noites mais frias e nevoentas, dar várias voltas às pontes, num trajecto de dezenas de quilómetros, pelo simples prazer de conversar e de falar do pé boto do seu herói ateu. Outras vezes relatava histórias hilariantes de homens da aldeia onde nasceu. Contava repetidamente a de um indivíduo que, de todas as vezes que ia defecar ao monte, pois não possuía casa de banho, encontrava invariavelmente um lobo que mais não fazia do que ficar quieto enquanto o homem, de cabelos em pé, fazia o que tinha a fazer. Contava também, com a cara mais séria do mundo, a triste história de um primo seu que tinha a cara torta de tantas bofetadas levar do seu defunto pai, que lhas dava todas as noites e sem prévio aviso.

O maior amigo do Andorinha era um gato que o arrebunhava todos os dias com todo o carinho do mundo. Ele, em troca, lançava-o da varanda lá de casa para a rua com o firme intuito de observar como invariavelmente o bichano caía sempre com as quatro patas servindo de amortecedores.

Essa noite de verbena foi a primeira soirée de uma proveitosa amizade, pois só ela é capaz de pôr um viciado na dança a escutar um companheiro durante quatro horas seguidas com muito prazer e subido interesse. 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Na aldeia

. 469 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Noturno

. ST

. Poema Infinito (482): Res...

. No Barroso

. No Louvre

. 468 - Pérolas e Diamantes...

. AB

. VS3

. VS2

. Poema Infinito (481): Que...

. VS

. CL

. 467 - Pérolas e Diamantes...

. Pisões

. Misarela

. Olhares

. Poema Infinito (480): As ...

. Na Abobeleira

. Barroso

. 466 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Alturas d...

. Em Coimbra

. No Louvre

. Poema Infinito (479): Ao ...

. No Louvre

. No Louvre

. 465 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. JVF

. Interiores

. Poema Infinito (478): O V...

. ST

. No Louvre

. 464 - Pérolas e Diamantes...

. No Porto

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. Poema Infinito (477): Tox...

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. 463 - Pérolas e Diamantes...

. Amizade

. Na feira

. Interiores

. Poema Infinito (476): Via...

. ST

. Expressões

.arquivos

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar