Segunda-feira, 12 de Setembro de 2011

O sentimentalismo e a troika

 

Desde pequeno que tenho uma relação difícil com tudo o que remete para a esfera do sentimental. Ou melhor, quando me falam em algo sentimental fico logo com um pé atrás, e só não fico com os dois porque dessa forma caio.

 

Confesso que tenho uma relação complicada com os clichés e com os lugares comuns. Provocam-me urticária. Aprendi a ser persistente desde criança. Feitios. A esfera do sentimental lembra-me a nostalgia, a piedade, o pedantismo, a hipocrisia e os contos de fadas. A minha avó era muito anti-sentimental, apesar (ou por isso mesmo) da sua educação singela, da sua vida difícil e da sua viuvez precoce. Era autêntica. Por isso, eu tento sempre ser verdadeiro. Tento. Tento sempre. Mesmo que isso me prejudique. Feitios. Daí, provavelmente, apreciar Milan Kundera, pois escreve palavras severas contra o sentimentalismo e contra a mentira.

 

O escritor checoslovaco defende que o sentimentalismo é um disfarce, que colocamos em cima do mundo para não percebermos como vivemos. Quanto à mentira, as cinzas da utopia do comunismo (tarde, mas mais vale tarde do que nunca) aí estão para lhe dar razão. Toda a razão. Por isso tento, ainda, contrariar o sentimentalismo e opor-me a todo o tipo de totalitarismo, seja ele comunista ou fascista. Entre os dois venha o Diabo e escolha, se for capaz.

 

Sentimentalismo é, por exemplo, o presidente do Inatel, Vítor Ramalho, pagar cinco mil euros por uma entrevista, registada como trabalho de promoção, ao “País Positivo”, uma revista gratuita de carácter comercial e distribuída com o jornal Público. Na verdade, este tipo de trabalho de promoção dá muito jeito, não só ao putativo “País Positivo”, como ao Inatel e também a muitos autarcas em tempo de campanha eleitoral no sentido de promoverem, mais do que as potencialidades e as obras do concelho que dirigem, as respectivas campanhas eleitorais. E tudo à custa do erário público. Daí o país estar como está, cheio de dívidas e dirigido por políticos que, para comprarem as bandeirinhas, os cartazes, os espelhos, os chapéus, as esferográficas e os apitos, vendem a alma aos empreiteiros e aos seus sucedâneos, além de utilizarem o pretexto das entrevistas e artigos encomendados que custam pipas de dinheiro e são apenas, e só, eficazes manobras de propaganda eleitoral, tudo facturado em nome da autarquia e servido ao povo como trabalho jornalístico de primeira qualidade, quando toda a verborreia, vertida em papel de jornal, não passa de uma enorme efabulação publicada, repito e sublinho, em espaço comprado e pago a peso de ouro para propagandear, muitas das vezes, meias verdades, quando não mentiras descaradas. 

 

Vítor Ramalho disse que voltaria a fazer o mesmo. E estou em crer que os autarcas continuarão a comprar as entrevistas e os espaços comerciais em jornais de distribuição gratuita que servem para enganar os incautos e martirizar as consciências inquietas. Ou seja, a desonestidade compensa.

 

E o regabofe é tanto, e tão descarado, – e eu não sabia, como estou em crer que a grande maioria dos estimados leitores também não sabe, que os autarcas municipais podem acumular funções remuneratórias nas empresas municipais – que a troika impôs uma nova reforma administrativa a proibir os autarcas de poderem acumular esses cargos (tachos, chama-lhes o povo).

 

Mas reparem, não foram nem os nossos governantes, nem os nossos autarcas, os autores dessa proposta, foram uns senhores estrangeiros vestidos de homens da regisconta que, em apenas quinze dias, descobriram a ignomínia – além de elaborarem um programa que governará Portugal durante vários anos – e exigiram a sua extinção. Mas os homens da regisconta foram ainda mais longe ao proporem a redução de freguesias, que são constituídas unicamente pelos elementos da junta e pelos seus adversários derrotados, e de algumas câmaras que nem eleitores possuem para justificarem o estatuto de juntas de freguesia.

 

Miguel Relvas, um dos directores-gerais da troika em Portugal, dos 11 eufemísticamente denominados como ministros do Governo Português, garante que o objectivo é fazer uma redução do sector empresarial local. No entanto, os lóbis instalados ao nível do poder autárquico prometem forte oposição. Pudera! Mas Relvas garante mãozinhas de veludo: “O que se pretende é uma revolução tranquila, exigível, desejável e necessária”. Que a força esteja com ele e com a sua revolução sentimental. Valha-nos a Santa Hipocrisia, a mãe de todos os demagogos.

                                                                                                    

Da área do sentimentalismo é também a nomeação da directora-geral da troika, Assunção Cristas, para a área da Agricultura. A senhora até é simpática e rechonchudinha, muito na linha tradicional da mulher portuguesa, mas não é isso, com toda a certeza, o que lhe deu créditos para ser nomeada para o putativo governo da nação. Também estamos em crer que não foi a sua categoria de professora universitária de Direito Privado que convenceu o presidente da troika em Portugal, eufemísticamente denominado Primeiro-Ministro, a nomeá-la para a pasta da agricultura. Então o que foi? Simplesmente o pertencer a um partido (CDS) que faz parte da coligação da troika sediada em território luso. Ela mesmo reconhece: “Caí aqui de pára-quedas no sentido de que não tenho nenhuma anterior ligação à agricultura”. Eu repito, para não pensarem que é gafe: “Não tenho nenhuma anterior ligação à agricultura.” E adianta: “Mas, graças a Deus, os secretários de Estado [aqui deve ler-se secretários dos directores-gerais da troika] dominam bem todas as matérias.” Ou seja, a senhora é um simpático e redondo, verbo-de-encher. 

 

Mas atenção, nas suas propostas para ganhar a confiança dos agricultores e dinamizar o sector agrícola, que está à beira da liquidação total, propõe-se desbloquear verbas atrasadas do PRODER, reduzir o número de motoristas do seu putativo ministério, ir a Bruxelas sempre que possível, reduzir o número de gravatas para poupar no ar condicionado, mexer na mobilidade dos seus funcionários e mais meia dúzia de lugares comuns que qualquer estudante do secundário é capaz de expor depois de passar duas horas a estudar um qualquer texto da CAP sobre o assunto.

 

Da área do sentimentalismo são também os apelos de Pedro Passos Coelho para a boa vontade dos portugueses relativamente às medidas de austeridade impostas pela secção da troika que dirige. Mas, pelo que oiço, sinto e sei, o bom povo português começa a perder a boa vontade e a confiança que nele depositou nas últimas eleições legislativas.

 

De cada vez que fala de improviso mete medo aos empresários, incendeia as relações socais, atemoriza os pobres e aterroriza a classe média. E quando leva o discurso preparado, aquilo sai-lhe que nem um tiro de pólvora seca. Mas para não me acusarem de convencido, má-língua ou perigoso socialista, dou a voz ao Vasco Pulido Valente, que, ao que sei, foi companheiro de luta de Sá Carneiro, deputado do PSD e apoiante de Cavaco Silva. Ora então aí vai. E sem espinhas: “O discurso [do Pontal], que devia ser claro, acabou repetitivo, retórico e uma digressão desordenada por isto e por aquilo, insusceptível de orientar ou entusiasmar ninguém. Se o sr. primeiro-ministro não sabe escrever, arranje rapidamente quem escreva por ele.”

 

E como isto já vai um pouco extenso, sentimentalmente me despeço de todos vós com a promessa de que voltarei na próxima semana, se me deixarem. 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (454): O f...

. No Barroso

. No Barroso

. 439 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

. 436 - Pérolas e Diamantes...

. Na Feira

. Na aldeia

. Olhares

. Poema Infinito (450): O d...

. Vaca atenciosa

. BB

. 435 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. ST

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar