Segunda-feira, 31 de Outubro de 2011

A toleima do D.

 

Ontem o D. chegou ao pé de mim possesso. Nem sequer pediu café, ou umas águas ou o que quer que fosse. Desde que o “seu” primeiro-ministro anunciou ao país que lhe ia cortar, desde já e dizem que para sempre, quatro meses de reforma em dois anos, anda mais amuado do que um peru. E se fosse só a ele, ainda vá que não vá, mas pensando que a sua esposa também é reformada e que os dois filhos são professores e estão casados com duas funcionários do Estado, dá para ver a razia que vai lá pela família.

 

O R. atirou-lhe de supetão: “É-te muito bem feito. Quem é que te mandou andar a agitar a bandeira do Pedrinho e a soprar no apito laranja. Mais te valia teres ficado em casa a tratar dos netos e a dares carinho à mulher. Vais ter de engolir o apito. Ai vais, vais. Devias era pedir explicações à senhora que ajudaste a eleger para o parlamento. Que pronta se colocou ela ao lado das propostas dos terríveis cortes aos funcionários públicos. Também não lhe restava alternativa. Para fazer papel de deputada sentada e deixar correr o marfim, mais valia termos elegido uma estátua, sempre ficava mais barata ao Estado. E com a crise que por aí grassa, todos os tostões poupados para cortar nas gorduras do Estado são bem-vindas. É cada vez mais consensual que dois terços dos deputados são apenas verbos de encher. Por isso, o número de parlamentares deve ser drasticamente reduzido.”

 

Mas o D., como se tivesse enlouquecido definitivamente, continuava a toleimar na sua ladainha. Tive pena dele, apesar de ser um laranjinha dos quatro costados. Mas, confesso, também não tive tempo para ter muita, porque para mim, e para a maioria dos meus, também os cortes são golpes duros de encaixar depois de uma vida inteira dedicada ao trabalho e à educação dos meus filhos e dos meus alunos. Por isso, apeteceu-me repetir-lhe as palavras do R., mas, quando olhei para ele e o vi a pressagiar a litania, calei-me. Para sofrimento já basta o que basta. Além disso, apesar de laranjinha, é meu amigo e os meus amigos são meus amigos e pronto.

 

Depois apareceu o F. que lhe disse o mesmo que o R. lhe tinha dito há pouco. Mas quando o viu a rezar baixinho, comoveu-se e meteu a viola no saco. Logo a seguir apareceram os restantes elementos da nossa tertúlia e o fado continuou.

 

“Mentirosos, impostores, aldrabões, intrujões…”, pisava e repisava lentamente o D. como se estivesse a rezar.

 

“Está visto”, disse o R. com o seu ar de menino traquina, apesar de ter as barbas mais brancas do que o Pai Natal, “que vou dedicar-me à agricultura. Talvez consiga produzir alimentos que me deem para comer e vigor para os vender no mercado negro. Poderei, dessa forma, adquirir alguns livros para a minha biblioteca e comprar leite achocolatado para a minha neta, pois são dos poucos produtos que ainda não são taxados com a percentagem máxima do IVA.”

 

E o D., na sua obsessão: “Intrujões, aldrabões, impostores, mentirosos…”

 

O R. tirou do bolso o “Borda d’água” e pôs-se a ler: “Está na altura de, no Minguante, estercar as covas para as árvores a transplantar na primavera, plantar as árvores de fruto e podar, com corte diagonal, as árvores resistentes ao frio. Amanhã de manhã vou preparar os canteiros para a sementeira de alface e cebola e vou, ainda, semear em local fixo agrião, cenoura e rabanete. Depois dos Santos vou plantar os morangueiros, os alhos e as cebolinhas e colocar em local definitivo as couves de primavera e a alface de inverno.”

 

E o D. com os seus olhos mortiços continuava na toleima: “Intrujões, aldrabões, mentirosos, impostores…”

 

Pensei, com tristeza, que já não podia contar com o D. para me ajudar no jardim. Ele que sempre foi muito bom a estrumar e a semear as flores, a plantar roseiras (por favor, não antevejam aqui nada de irónico), crisântemos, lírios, narcisos, tulipas, açucenas, jacintos, junquilhos e anémonas. Além de ser ainda exímio a colher dálias e rosas.

 

Juro que me deu pena vê-lo naquele seu estado catatónico. E ele possesso, desiludido e ultrajado, toleimava: “Impostores, aldrabões, mentirosos, intrujões…”

 

De novo o R., crítico leitor do “Borda d’água”, tentou animar o D.: “Deixa-te lá disso. Descansa que isso, mais do que obra dos homens, é obra dos deuses. Esta maroteira estava escrita nos astros desde há muito tempo. Célia Cadete, no “Juízo do Ano”, dá-nos conta da profecia: “O ano de 2011 entrou num sábado, que é dia consagrado a Saturno, um planeta de movimento lento que leva cerca de 30 anos para completar a sua órbita. Saturno traz destruição, fome, carestia, inquietação, miséria, angústia e tristeza; tem domínio sobre os velhos, os caducos e solitários, os tristes e melancólicos. O ano de 2011 será dominado pela carestia; mas tenhamos fé e lutemos com determinação para reverter a situação.”

 

Aqui, o desavergonhado do L. meteu a colherada: “Por isso é que o D. suou as estopinhas na campanha eleitoral da candidata do PSD, para, com a sua determinação, que propagou aos quatro ventos, ajudar a reverter a situação.”

 

“Qual determinação qual carapuça”, perseverou de novo o R., “deixem é falar a Célia Cadete: “O inverno será longo e frio e com pouca chuva. A primavera será ventosa. O verão irá ser bastante húmido e o outono prevê-se seco e fresco.”

 

“A mulher acertou em tudo. Célia Cadete para o Parlamento, já!”, gritou entusiasmado o L. “Pelo menos sabe o que diz. E di-lo sem papas na língua. Para estátua de pensadora bem nos chega a outra.”

 

E o D. com os seus olhos desmaiados insistia na tarouquice: “Aldrabões, mentirosos, intrujões, embusteiros…”

 

“Ó minha Pátria bem-amada, que bons filhos pariste”, concluiu o R. Todos nos rimos com o sorriso mais amarelo que há no mercado europeu. 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

13

24
25

26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (457): Peq...

. Semana Santa - Barroso

. Na conversa

. 443 - Pérolas e Diamantes...

. Em Torgueda

. Ao portão com um sorriso

. Quaresma

. Poema Infinito (456): O v...

. Cozinha Barrosã

. Pastor

. 442 - Pérolas e Diamantes...

. No túnel

. No miradouro

. Na cozinha

. No forno

. No monte

. 441 - Pérolas e Diamantes...

. Na Abobeleira

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (455): O â...

. Na aldeia

. No Barroso

. 440 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (454): O f...

. No Barroso

. No Barroso

. 439 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

.arquivos

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar