Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011

Arturo Pérez-Reverte, os cestos da rua de Santo António e a Agenda (Axenda) Cultural

 

A minha amiga G. bem teima para que eu leia alguns dos novos romances de Arturo Pérez-Reverte. Ela teima. E eu resisto. Não gosto de romances de aventuras. Embirro com eles. Prefiro de longe o irónico e deslumbrante “Tambor de Lata” de Günter Grass ou o encantador “O Retorno” da Dulce Maria Cardoso, dois magníficos livros que recomendo como quem se confessa. No entanto, algumas das entrevistas do romancista espanhol são relativamente interessantes. Não tivesse sido Arturo um repórter de guerra. Por exemplo, diz que a coisa mais importante que aprendeu com a guerra foi que não há fronteiras claras entre o bem e o mal. Pensa que vivemos actualmente numa sociedade estúpida, na qual tudo é considerado bom ou mau. Kadhafi era mau e os ecologistas e os amigos dos animais são bons. A vida é muito mais complicada do que isso. Na sua perspetiva todos estamos a saltar de um lado para o outro da linha.

 

Perguntaram-lhe se acredita que as lições de História podem melhorar a condição humana. Ele disse que sim, mas… “num lugar normal, de gente culta, de gente razoável. Na Península Ibérica nunca aprendemos e nunca aprenderemos a lição. Nunca. Somos muito maus alunos da nossa própria História”.

 

Questionado sobre se considera isso uma fatalidade, o escritor espanhol respondeu que “as fatalidades criam-nas os povos, com o seu caráter. É sobretudo uma questão de cultura.” (Sobre cultura aconselhamos a leitura do PS desta crónica.) “Tenho uma teoria. (…) Creio que o mundo ibérico – e o mundo latino, em geral – escolheu o Deus errado no Concílio de Trento, quando começou o protestantismo, a Igreja Católica teve de eleger entre um Deus protestante – comerciante, burguês, progressista – e um Deus católico – reacionário, triste, hierárquico. E a Igreja escolheu o Deus obscuro e sombrio. Perdemos aí a nossa oportunidade. Esse Deus católico marcou-nos desde então, colocou-nos nas mãos dos padres e reis e bispos e aristocratas durante muitos séculos. Foi assim que ficámos para trás. É uma questão de cultura (Sobre cultura, insistimos na proposta de leitura do PS desta crónica). Faltou-nos a cultura (Sobre cultura voltamos a aconselhar a leitura do PS desta crónica) burguesa.”

 

O homem afirma-se não crente. O que postos perante as atrocidades que se praticaram, e ainda hoje se praticam, em nome da religião, é uma bênção divina que eu também defendo.

 

Arturo Pérez-Reverte teve fé, quando jovem, mas perdeu-a quando observou aquilo que se passa na guerra, “quando vi as crianças, as violações, o ser humano a exercer a sua crueldade inata sobre os outros seres humanos. Vi a injustiça que há em tudo e percebi que não podia haver um árbitro a organizar isto. Era impossível. Percebi que só existem as regras do caos, de um mundo cruel.”

 

De tudo isto ia dando conta ao meu amigo R., quando, ao virar na esquina do Lopes, como quem vem da Eira, nos deparámos com um espetáculo de um gosto mais que duvidoso. Estou a referir-me aos cestos de pedras, intervalados por bancos de 2500 euros a unidade, que servem para os transeuntes ficarem sentados virados para as paredes e portas dos estabelecimentos da rua de Santo António, que foram instalados nos passeios para dividirem aquilo que estava dividido e que, com a intervenção recente de levantamento do piso, deixou de o estar.

 

O R., posto perante esta intervenção de mau gosto, questionou-me sobre se eu sabia de quem era a responsabilidade por esta “ingerência”, que, além do mau gosto evidente, custa milhares de euros à autarquia. Disse-lhe que desconheço de quem é a autoria, mas lembrei-lhe que me parece uma obra dispensável desde o início, além de, como já referi, custar muito dinheiro aos bolsos de todos os contribuintes, que, nestas como noutras coisas, nunca são tidos nem achados. É evidente que os empreiteiros têm muita força eleitoral. Especialmente nos contributos generosos que dão aos partidos políticos por esse país fora. Daí a nossa modernidade. Daí o nosso progresso.

 

A verdade é que o vice-presidente da nossa autarquia anda já em pré-campanha eleitoral, perseguindo furiosamente as obras, os eventos e as efemérides. Afinal, onde pára o senhor presidente? Será que pretendem que ele delineie a mesma encenação que o seu antecessor, quando deixou, dois anos antes do término do seu mandato, o seu delfim na presidência?

 

Pusemo-nos a olhar para aqueles cestos de plástico com aparas de coco à superfície, a reparar nos caros arbustos que plantaram lá dentro e veio-nos à cabeça uma ideia: a obra de arte só podia ser, na minha opinião, de um engenheiro agrícola que nunca trabalhou na área, ou, na opinião do R., de um arquiteto paisagista conservador e ligeiramente estrábico.

 

Vindo de baixo, ainda a rir-se por causa dos cestos, o F. convidou-nos para uma visita à exposição dos Lumbudus. Depois de comprar três garrafas de vinho tinto da Quinta de Arcossó, com rótulos de fotografias de vários membros da associação, fomos até à casa do R. comer umas fatias de presunto e queijo da serra, mas pagos do nosso próprio bolso, pois, ao que soubemos, alguns gabirús, com a desculpa de representação oficial, comem polvo à borla nas tendas da especialidade.

 

Depois tive outra epifania, como se uma voz viesse do além: “Está provado que a Câmara de Chaves não sabe o que o povo quer e o povo também já desistiu de tentar saber o que é que a Câmara verdadeiramente pretende.”

 

PS – O prometido é devido. Por isso, novamente regressamos à já célebre Agenda (Axenda) Cultural da Eurocidade Chaves-Verín, seja lá isso o que for, e sirva lá isso para o que servir (para alguns tachos, estamos em crer).

 

A cada mês que passa, a Agenda (Axenda), perde em música e espetáculos, para ganhar naquilo que a Eurocidade, através das Termas de Chaves – SPA do Imperador, se vai especializando e promovendo como a alma da proposta cultural de qualidade da nossa cidade: As palestras sobre pedologia e afins.

 

Durante o mês de outubro realizaram-se, nada mais nada menos, do que onze. A saber: Calos e calosidades: causas e tratamentos; A importância da roda dos alimentos; Osteoporose – fatores preventivos; Dor dos seus pés: causas e tratamentos; A menopausa e a alimentação; Dieta mediterrânea: um padrão de vida; Mitos sobre os pés; Os mitos da alimentação; A alimentação dos nossos filhos e netos; Doença das unhas: causas e tratamentos; Como nutrir o seu coração – doenças cardiovasculares; Um workshop: Pão e cereais, (inscrição a 7 euros). E uma caminhada: Dar aos anos mais vida, dar mais anos à vida, (Inscrições a 5 euros). É obra.

 

Cá para nós, que ninguém nos ouve, alguém na Câmara anda a tentar ganhar algum prémio internacional que distinga a originalidade e o pioneirismo em animação cultural em cidades de província. Se assim é, tem desde já o nosso mais caloroso apoio. Nós não só apoiamos a original ideia entusiasticamente como a subscrevemos por inteiro. Por muito que isso custe aos críticos do costume. 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

. 436 - Pérolas e Diamantes...

. Na Feira

. Na aldeia

. Olhares

. Poema Infinito (450): O d...

. Vaca atenciosa

. BB

. 435 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. ST

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

. Em Paris

. Em Paris

. 432 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. ST

. Perfil

. Poema Infinito (446): O p...

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar