Quarta-feira, 30 de Novembro de 2011

O Poema Infinito (76): o regresso a casa

 

Por mais que procures não descobrirás a fluência dos ventres maternos nem a poesia dos versos límpidos. Encontrarás, sim, as palavras escritas na angústia das pedras e na vertigem das portas. Por isso as minhas lágrimas possuem o sal estranho do desespero. Por isso os meus ouvidos entendem o som das aves frias que se arrepiam junto às sombras das casas que se alongam pelas pedras da eira. O sol é agora uma lentidão silenciosa. As palavras caem ao chão de forma muda enquanto as minhas mãos gesticulam como chamas. Numa esquina porosa o vento acende o verde das ervas e os insetos brilham como pérolas mortas. Talvez os meus olhos, sem o saber, repousem no espaço das folhas liquidadas que alimentam a terra, talvez o esplendor da morte se imponha no vazio das páginas que caminham nas linhas de sombra. Talvez. Talvez por isso os animais dancem na sua quase imobilidade mesmo à beira do turbilhão das árvores. Sinto como minha esta aparente liberdade do caos. A arca do pão guarda agora um vazio enorme de vocábulos. Antigamente guardou o desejo de tudo enquanto lá fora o conjunto impossível da felicidade e do desespero principiava a arder, enquanto a terra, o sol e a água se uniam no hábito de tentar a vida por qualquer meio. O ato de ser tendia a transformar-se num murmúrio proferido por lábios que se alimentavam da caligrafia da terra, quando os arados escreviam o pão-nosso de cada dia. Nesse tempo a vida era um lugar neutro repleto de apelos e as casas eram lugares nus e a pobreza era um princípio de vida e tudo se fazia e dizia através de sinais. Por isso aqui estou eu à beira da origem onde nada começa nem acaba, onde tudo é sede e desejo e angústia. Enquanto a planície se incendeia de aspetos sinto a plenitude de um delírio branco, sinto a dissidência originária onde a minha boca se move entre sequências vivas de palavras de terra e fogo. Os sinais passam rápidos demais para que eu os entenda. Desço a rua deserta por entre indícios de tempo e as casas inclinam-se entre os cones de luz onde perpassam sombras nulas. As palavras então ditas transformaram-se em pó e as páginas em branco dos cadernos converteram-se em caminhos que já não vão dar a lado nenhum. Tudo o que por aqui existe tem cada vez mais um nome breve, tem a forma de uma língua espessa e pesada pela carga dos silêncios e desvalida pelo ardor das feridas negras. Todos os homens e mulheres deste povo morreram discretamente apagados pelas luzes da cidade. Diluíram-se num tempo escuro e invisível. Em nome do seu sofrimento, das suas vidas sacrificadas, dos seus sonhos desesperados, das suas colheitas desfeitas, dos seus nomes de criança, da sua paz ruidosamente silenciosa, rezo-lhes pela alma para que a sua viagem através das nebulosas seja o seu regresso a casa. 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (478): O V...

. ST

. No Louvre

. 464 - Pérolas e Diamantes...

. No Porto

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. Poema Infinito (477): Tox...

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. 463 - Pérolas e Diamantes...

. Amizade

. Na feira

. Interiores

. Poema Infinito (476): Via...

. ST

. Expressões

. 462 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (475): Bre...

. No Barroso

. No Barroso

. 461 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No Barroso

. Em Lisboa

. Poema Infinito (474): Ven...

. Na Póvoa de Varzim

. Em Paris

. 460 - Pérolas e Diamantes...

. Póvoa de Varzim

. Póvoa de Varzim

. Bragança

. Poema Infinito (473): Dis...

. Porto

. Paris

. 459 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Farinha de milho

. Fato

. Poema Infinito (472): O a...

. Na aldeia

. Sorrisos

. 458 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No elevador

. S. Lourenço

. Poema Infinito (471): O s...

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar