Sexta-feira, 16 de Dezembro de 2011

O Homem Sem Memória - 93

 

93 – O bairro onde o José estava cativo do vício foi invadido pelas tropas da GNR logo pela manhã. Um pouco depois das oito, porque foi nessa hora que o nevoeiro levantou. Por um triz que a operação não foi cancelada. O tenente, sentado no jipe ao lado do sargento, ainda tentou desmobilizar as tropas. Mas o sol, mesmo à justa, sorriu por entre o nevoeiro e as árvores despidas junto à margem do rio.


A investida das forças da ordem dava um filme. E dos bons. Enquanto as damas e os cavalheiros da parte alta da cidade se alindavam para a missa de domingo, os guardas, com o medo escondido nos bolsos e a adrenalina à flor da pele, penetraram decididamente nas terras amaldiçoadas da indigência e do pecado.


Enquanto os cavalheiros tomavam banho, desfaziam a barba, vestiam as suas camisolas interiores, as meias grossas e as ceroulas de atilhos, enquanto as damas submergiam os seus alvos e redondos corpos nas suas banheiras de água quente e perfumada com sais, enquanto os cavalheiros enroupavam o paletó e enfiavam os botins, enquanto as damas enfiavam a sua lingerie atrevida constituída por cuequinhas suficientemente curtas para despertarem a líbido, quem sabe se de um deus desconhecido, ou, na sua falta, a um marido sensaborão e enfadonho, e sutiãs rendados e encorpados para colocarem os seios em riste, e calçavam as suas meias de vidro que davam um tom suficientemente neutro e unitário à pele das suas coxas, enquanto os cavalheiros apertavam os botões dourados nos punhos das suas camisas de seda, faziam o nó das suas gravatas do mesmo tecido, punham o lenço no bolso do casaco, enfiavam o relógio no bolso ou no pulso, colocavam o chapéu na cabeça e chegavam fogo à sua cigarrilha domingueira, enquanto as damas velavam a sua roupa interior com vestidos, saias, blusas e casacos mais ou menos discretos, enquanto todos eles se dirigiam ao café para tomar o pequeno-almoço em paz e sossego no meio da sua sagrada família, enquanto tudo isso acontecia no mundo civilizado, calmo e pachorrento da urbe, na baixa nevoense os guardas entraram decididos no labirinto pestilento e lúgubre do bairro do rio.


O tenente e o sargento decidiram, como bons estrategas e líderes que se orgulhavam de ser, estacionar numa posição mais elevada a observarem a movimentação dos seus soldados. Eles avançavam devagar, com as armas em riste, suficientemente decididos a cumprirem com o seu dever.


Enquanto o nevoeiro se levantava por cima dos telhados de folha de zinco, cartão ou madeira, sobre os caminhos estreitos e lamacentos, assentou o pesado trotar das botas das dezenas de militares destacados para a operação de resgate do jovem José.


Ao tenente pôs-se-lhe a pele de galinha quando viu, através dos seus potentes binóculos, um cão a ser fulminado com o tiro certeiro do cabo que comandava as tropas no terreno.


Foram os cães, que principiavam a estender-se ao sol da manhã, os primeiros a dar sinal de que algo no bairro não corria bem. Quando começaram todos a ladrar ao mesmo tempo, algumas mulheres mais idosas vieram observar o que se passava, e só então se aperceberam que as galinhas corriam assustadas em todas as direções enquanto as botas dos militares ganhavam terreno.


O bairro demorou tempo a aperceber-se do que lhe estava a cair em cima. Quando as pessoas mais velhas começaram a gritar: “é a guarda, é a guarda”, já era tarde de mais para que os homens com préstimo fossem capazes de organizar uma defesa eficaz.


O sargento, numa posição mais recuada do que o tenente, sorria ao observar, através das eficazes lentes dos binóculos, não tão potentes como as do tenente, mas mesmo assim com bom alcance, a algazarra que se instalou no meio dos barracos dos indigentes.


Homens, mulheres, crianças e galinhas corriam como loucos, tropeçando uns nos outros, caindo e levantando-se, enquanto os cães continuavam a ladrar, a ferrar os invasores e a serem abatidos por eles com toda a ciência que estas situações exigem.


Alguns dos mais avisados e destemidos, ainda correram para os sítios onde tinham os trabucos escondidos. Muitos até intentaram disparar as armas para darem um ar da sua graça. Afinal a sua honra e o seu prestígio, enquanto lumpen, tinha de ser mantida. Mas as posições estratégicas estavam tomadas e as suas armas tinham trocado de mãos.


Os bufos, quais judas traidores, tinham sido eficazes. As caçadeiras e as carabinas foram todas confiscadas. Os poucos tiros disparados pelos sitiados foram feitos com revólveres, tendo ferido dois guardas, enquanto outros cinco foram golpeados com facas de matar e desfazer porcos. Um dos soldados da GNR teve mesmo de ser transportado para o Porto devido à delicadeza dos ferimentos.


Ladrões, proxenetas e contrabandistas que se deixam apanhar com as calças na mão pela tropa fandanga da GNR, que nem é tropa nem é nada, constituía, aos olhos das restantes irmandades do crime, um golpe duro no seu prestígio. Podia mesmo pôr em causa a sua sobrevivência. E, nesta como noutras coisas, o mal de uns é o bem de outros.


Mas se as armas foram fáceis de descobrir, já o mesmo não se pode afirmar acerca do paradeiro do José que, bem vistas as coisas, era o objetivo principal da operação.


Os informadores bem tinham avisado que encontrar as armas não constituía problema de maior, pois os homens são criaturas de hábitos enraizados. O problema residia mesmo no pouso do José. Nisso, o filho do guarda Ferreira tinha procedido da mesma forma e jeito que os seus ídolos revolucionários. Ele, ao contrário de Cristo, queria fugir dos homens para os redimir, enquanto o filho de Deus foi ao seu encontro para ser preso, julgado, torturado, vilipendiado, gozado e morto na cruz. Destinos.


José, ao jeito dos líderes revolucionários, nunca dormia na mesma cama, no mesmo barraco, nem com a mesma mulher dois dias seguidos. Muitas vezes variava de poiso e concubina duas ou mais vezes por dia. Além disso, se ao início era fácil seguir-lhe o rasto porque cheirava a limpo e trajava como um menino burguês, com o passar do tempo foi-se transformando num indigente, de barba e cabelo comprido, que andava constantemente bêbado, sujo e conseguia praguejar da mesma forma e feitio que o povo do bairro. Por isso se tornou o seu líder espiritual.


Com o bairro sitiado, os cães mortos, os homens válidos algemados, as mulheres jovens confinadas a um canto e as galinhas espezinhadas, houve então capacidade logística para ir ao encontro do José. Os militares da GNR buscaram-no com método: barraco a barraco e enxerga a enxerga. Desta forma não havia possibilidade de fuga.

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. ST

. JVF

. Interiores

. Poema Infinito (478): O V...

. ST

. No Louvre

. 464 - Pérolas e Diamantes...

. No Porto

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. Poema Infinito (477): Tox...

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. 463 - Pérolas e Diamantes...

. Amizade

. Na feira

. Interiores

. Poema Infinito (476): Via...

. ST

. Expressões

. 462 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (475): Bre...

. No Barroso

. No Barroso

. 461 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No Barroso

. Em Lisboa

. Poema Infinito (474): Ven...

. Na Póvoa de Varzim

. Em Paris

. 460 - Pérolas e Diamantes...

. Póvoa de Varzim

. Póvoa de Varzim

. Bragança

. Poema Infinito (473): Dis...

. Porto

. Paris

. 459 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Farinha de milho

. Fato

. Poema Infinito (472): O a...

. Na aldeia

. Sorrisos

. 458 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar