Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2012

A Bruxa dos Patins


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
5 comentários:
De naotecales a 26 de Janeiro de 2012 às 12:02
REFLEXÕES A PRECEITO
O deputado vereador mostra os seus dotes maquiavélicos
1 - Os fins justificam os meios. Lembra-se o estimado leitor desta frase? Sim, já vem dos tempos medievais quando os príncipes eram educados para exercerem o poder. Tudo justificava a sua acção. Agora, em pleno século XXI, dá a impressão que a história se repete. Um qualquer cidadão, direi mesmo, vulgar criatura, dá-lhe na telha, naquele período entre o acordar e o levantar e pensa: vou falar a Frei João nesta minha intenção. Vai daí, em pleno palacete do morgado de Vilar, começa a ser urdida a estratégia. Não está mal pensado, diz frei João. Vamos à coisa.
2 – Qual é a coisa? Como adivinham, é mais uma birrinha (será só isso?) do nosso deputado vereador arquitecto engenheiro florestal. Como começa a sentir-se acossado, ou pela pulga atrás da orelha, ou com a adversária que começa a ter mais jeito do que ele na política, o certo é que a personagem quer deixar S. Bento e rumar a terras de Flávio porque os presidentes de junta precisam muito dele (no parlamento não me deixam fazer o que quero. Tenho que votar como eles querem. Aqui sempre meterei mais uns afilhados na corte). E deixou!
3 – Como vamos fazer? Pergunta frei João meio intrigado com o que aí vem!. É fácil, diz, sem pestanejar (a urdidura já vinha na mente do inteligente deputado vereador engenheiro florestal desde aquele momento em que acordou e se levantou, no tal período fértil em reflexão) o seu interlocutor: eu venho, retomo o meu lugar (mas quero ser de novo vice, avisou logo, arregalando os olhos, enquanto a sua face ia ficando ao rubro). E vai ser fácil? Pergunta frei João. Bem, temos que mexer nalgumas coisas. Então conta lá, diz frei João, com água crescente na boca à espera de tão bem arquitectada estratégia.
4 – Eu regresso ao meu lugar. A galinha vai embora tratar da sua vidinha em casa que não é fácil. Vem a franguita, mas, sem pelouros, porque a oposição e o povo não se vão calar, se estivermos aqui cinco a “mamar” chorudos vencimentos. Assim, ficamos na mesma quatro e ninguém nos apontará nada. Bem pensado, remata frei João. Nem eu faria melhor. Assim será feito.

Obs: isto passa-se algures numa pequena prefeitura da América Latina. Qualquer semelhança com a nossa realidade é pura ficção, ou talvez não!


De João Madureira a 26 de Janeiro de 2012 às 13:05
Nem eu diria melhor. Está aqui condensada toda a história da encenação autárquica que a vereação de João Batista e do seu vice camarário teimam em nos impor. Vamos ter de colocar esta gente no lugar que merece: no olho da rua. Isto é mau de mais para ser verdade. Um abraço, caro leitor (e escritor) e volte sempre pois aqui é bem vindo todo aquele que vier por bem e lutar pelo progresso e o futuro da nossa terra.


De Luís Fernandes a 26 de Janeiro de 2012 às 20:57
«FLAVITARRAS»
É uma pena!
A moderna via de comunicação que é a Internet ainda não passa, como devia, à porta de toda a gente. Especialmente daquela que vive (ou sobrevive) nas NOSSAS ALDEIAS.
E as Juntas de Freguesia, empaladas com os arranjinhos do centro e os biscates de tainas e prosápia, continuam alérgicas e horrorizadas com um simples equipamento que fosse, ao dispor dos fregueses ou, mesmo até, do melhor funcionamento dos seus Serviços.
(Não nos venham pr’aqui com a treta das excepções, s.f.f.)!
Assim, e talvez por isso mesmo, é que o contributo de tantos Blogues mal aproveitado é para a consciencialização, o «abrir de olhos», e o sentimento de apoio de cidadãos eternamente condicionados à mesma ração de adição politicastra.
“O crime não pode compensar”, disse-se aqui.
Pois não!
Mas compensa!
Basta olhar para os tantos «MERDAS» que se passeiam, impunemente, MEDRADOS!
É uma pena!
Que este Blogue seja conhecido por tão pouca gente!
Os «flavitarras» não andariam com a fronha tão ridente! …. (Nem teriam de apanhar com a nossa «insustentável leveza e vacuidade dialéctica» e ficar de bico calado).
É uma pena!

Luís Fernandes





De João Madureira a 27 de Janeiro de 2012 às 00:56
Caro Luís, caminhando se faz o caminho e já um grande político avisava: até a mais longa marcha começa com o primeiro passo.

Pelo que vou observando, a cada dia que passa o número de visitantes deste blog tem vindo a subir a um ritmo apreciável. E o feedback do facebook deixa-me cada vez mais satisfeito.

E não desanime, porque a verdade vem sempre ao de cima como o azeite.

Um forte abraço.


De rui soares - lx a 28 de Janeiro de 2012 às 00:20
Tem razão parcial senhor Liuís Fernandes. Os blogs regionais nem sempre são divulgados da melhor forma. Eu, por exemplo, só cheguei a este pelos escritos do João Madureira no blog do Fernando. Gosto, tanto das fotos, como dos textos. Aliás, uma sugestão, as fotos poderiam tratar temas mais flavienses. para nós que estamos fora é uma agradável sensação quando vemos uma foto da nossa terrinha. A propósito. Aqui há uns tempos, um amigo cá da capital, flaviense, contatou-me dizendo-me que se estava a reunir um grupo de pessoas de chaves para se criar a associação dos flavienses de fora. Falei até nisso num dos encontros da nossa casa de trás os Montes. quando me disserm quem era o menor, desisti logo da ideia, argumentando que esse tipo ciomeça com muits ideias mas que não acaba nada, daí que não me tenha ionteressado pelo caso. esse mentor já sabem quem é, pelos vistos o mentor do atraso a que chaves está condenada: o vice da autarquia


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Julho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Barroso

. Misarela

. 451 - Pérolas e Diamantes...

. Feira dos santos

. Na feira

. O pastor

. Poema Infinito (464): A á...

. O homem da concertina

. Notre-Dame de Paris

. 450 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. Em Lisboa

. Em Lisboa

. Poema Infinito (463): Fix...

. Em Paris

. Em Paris

. 449 - Pérolas e Diamantes...

. Retrato

. Retrato

. Retrato

. Poema Infinito (462): Sol...

. Retrato

. Retrato

. 448 - Pérolas e Diamantes...

. Paris - Trocadero

. No Louvre

. No Louvre

. Poema Infinito (461): Ent...

. No Louvre

. No Louvre

. 447 - Pérolas e Diamantes...

. Couto Dornelas

. Couto Dornelas

. Couto Dornelas

. Poema Infinito (460): A t...

. Couto Dornelas

. S. Caetano

. 446 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. Poema Infinito (459): O v...

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. 445 - Pérolas e Diamantes...

. Em Chaves

. Na aldeia

. Vilarinho Seco

. Poema Infinito (458): Vib...

. Na aldeia

.arquivos

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar