Quinta-feira, 2 de Fevereiro de 2012

No meio da praça


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De naotecales a 2 de Fevereiro de 2012 às 22:35
O DEPUTADO/VEREADOR OMNIPRESENTE
1 – O povo de Chaves bateu-se com galhardia para conquistar um lugar elegível nas listas de deputados à Assembleia da República: Feito histórico porquanto, nunca alguém de Chaves tinha conseguido tão honroso lugar.
Não importa agora em caiu a escolha, mas foi estranho num concelho com mais de 40.000 almas válidas ser escolhido o então vice presidente da Câmara que ainda por cima acumulou dois cargos, o de deputado e o de vereador (primeira investida à burrice dos flavienses que tiveram que engolir essa decisão, autêntica ofensa, mas enfim!...).
2 – O deputado arquitecto engenheiro florestal, lá foi tratando da sua quintinha, como quem diz, da sua vidinha, ganhando confiança com este e aquele, dando-se ao conhecimento às mais altas esferas de influência partidária laranja, como que conseguindo lastro bem seguro para futuros voos. Então, foi bicando aqui e ali, com umas intervençõezinhas, tipo programa ”ninguém nos ouve”, pois senhores, tudo espremido, que sumo deu até agora tão nobre actividade para lá de umas viagens à capital e mais uns pecúlios na conta bancária, com chorudo ordenado à custa do Zé pagante? Ia para a Assembleia tratar dos assuntos Agricultura e Saúde, temas de governo e não de autarquia, ficando esta (mal!) entregue a frei João
3 – Pois bem, o nosso deputado vereador arquiteto engenheiro jardineiro, paisagens e companhia (até dou comigo em depressão só de repensar que não há mais ninguém nesta terra da ribeira, de tamanho quilate para ocupar, ou o lugar de vereador, ou de deputado, o perfil teria que cair em tal crânio, o tal pavão de Castelões), decidiu, talvez desiludido com a vida de tédio em S. Bento, ou ofuscado com as luzes da capital, demasiado ousadas para um rural cá de trás das fragas, abandonar a sua cátedra e rumar a terras de Flávio (o que se conquistou com galhardia, perde-se agora para o substituto que é do sul do distrito, ou seja, jamais Chaves terá um deputado em lugar elegível, pois esta gente anda a brincar com coisas muito sérias).
4 – Que intenções estão por trás desta inversão? É bom de adivinhar: Esta personagem já se julga o maior. Frei João não pode ser mais candidato ao palacete do morgado de Vilar de Perdizes. Então, qual general junto das suas tropas (onde estão as divisas, onde estão as tropas?) há que arranjar ânimo para se ganhar lugar de relevo no partido laranja e daí dar o salto de trampolim para sucessão de primeiro do concelho.
5 – Senhor Deputado vereador arquitecto engenheiro florestal, não estará enganado nas suas intenções, ou estas não passam disso? Está preparado para ser o coveiro laranja na sua terra? Já não se lembra das tropelias perante os munícipes e presidentes de junta? A forma arrogante como os trata, especialmente quando vão ao seu gabinete e estica as veias do pescoço, ficando inflamado, qual sapo prestes a rebentar com cigarro na boca? O povo tem memória. Perdoa mas não esquece. E os Presidentes de Junta. Pensa que estão todos consigo? Puro engano!
Se tem boa memória(o senhor é que faz apelos à memória, mas a sua parece curta), lembre-se de apenas dois exemplos: a táctica do bigodes Lixandre e o consequente desastre Rodomiro. Outra: o super sumo Fernando Gomes, imbatível, que deixou o Porto para ir para ministro e quando decidiu voltar, escorraçado da capital, o povo da sua cidade deu-lhe com os pés. Que dois exemplos de desilusão. Vamos ter uma terceira consigo como actor? Pensa que o povo é burro? Aventure-se e depois não diga que não foi avisado.

Obs: isto passa-se algures numa pequena prefeitura da América Latina. Qualquer semelhança com a nossa realidade é pura ficção, ou talvez não!


De cavaleiro andante a 13 de Fevereiro de 2012 às 15:32
caro bloguista
Quem é a dama da foto, junto ao guarda fiscal?
Está todo o mundo a olhar para semelhante figura, com vestes muito ousadas para casca grossa como companhia. e o sorriso. É pra si quando lhe apontava a objectiva. Estamos bem servidos em chaves quanto a primeiras damas. esta promete. se calhar é mulher dalgum vereador?


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Barroso

. Poema Infinito (454): O f...

. No Barroso

. No Barroso

. 439 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

. 436 - Pérolas e Diamantes...

. Na Feira

. Na aldeia

. Olhares

. Poema Infinito (450): O d...

. Vaca atenciosa

. BB

. 435 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. ST

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar