Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2012

Da expetativa ao imobilismo (III) – Presunção e água benta… (I)

 

Então vamos lá às obras, senhor Presidente. Ou, como muito bem diz o meu amigo, aos “projetos, às obras executadas e a executar”. E, como todos bem sabemos, as obras são sempre a grande fantasia de qualquer autarca responsável e o sonho de qualquer empreiteiro que se preze. Por vezes, tais fantasias e sonhos transformam-se em realidade com o sucesso que todos sabemos. Pois não há político que não se pele por uma obra emblemática e não existe empreiteiro que não se sacrifique em tentar ganhar a obra do seu contentamento. Daí, quase sempre, nascem amizades muito profícuas e que servem ambas as partes. Mas deixemo-nos de efabulações e voltemos à realidade. Se a realidade nos permitir.

 

O meu jornal regional de referência diz que o senhor presidente, “aproveitando o número 10” referiu as 10 mais emblemáticas áreas da sua intervenção. A saber: educação, cultura, desporto, ação social, requalificação urbana, valorização ambiental, acessibilidades, atividades económicas, desenvolvimento rural e serviços e cooperação.

 

Ou seja, referiu 10 áreas que são todas. Mas também é toda a ficção que conseguiu arrebanhar para o seu auto elogio (pois nem uma deixou de fora), porque, bem vistas as coisas, e descontando as palavras (pois palavras leva-as o vento), o que resta de concreto e palpável é muito pouco.

 

Já o número de ações é um dado mais fiável: 100. E também é emblemático. Toda a instituição que se preze gosta de celebrar, ou lembrar, os 100 anos de existência, ou os primeiros 100 dias de desempenho de um mandato. Olhe, senhor presidente, até eu me orgulho que o meu blog (TerçOLHO) esteja muito próximo dos 100 mil visitantes e que a minha narrativa do “Homem Sem Memória” tenha atingido na semana passada os 100 capítulos. Vaidades.

 

Mas, se me permite, vamos lá às suas 100 ações. Pois estou em crer, que o blog é-lhe perfeitamente indiferente e a minha narrativa nem lhe aquece nem lhe arrefece. Por exemplo, na educação refere, logo de início, o projeto “Viver a Escola”. Pois lá nome pomposo tem, mas pergunte por aí aos nossos munícipes, alunos, pais e professores incluídos, se sabem o que isso é. Nomeia também a “sua” “Carta Educativa”, e bem, pois nisso, tenho de reconhecer, foi um enorme sucesso. O seu a seu dono.

 

Todos sabemos que mandou fechar todas as escolas das nossas aldeias, o que determinou que muitos dos nossos povoados tenham chegado ao fim da sua milenar existência. Fala do apoio nos transportes e nas refeições aos nossos estudantes como se isso fosse, sequer, um projeto. Isso é uma obrigação sua a que não pode fugir pois recebe o dinheiro do Estado Central destinado a esse fim.

 

Qualquer dia também nos vem dizer que cobrar a água é um projeto autárquico da “sua” equipa. Nós sabemos que para atingir o número 100 teve de inventar, e muito. Mas até a ficção tem os seus limites e as suas regras, senão não se pode designar de fição, mas sim delírio. E enquanto a primeira é um dos elementos essenciais à boa literatura e ao bom cinema, já a segunda é uma doença que necessita de ser vigiada e controlada para bem de quem dela sofre.

 

E por falar em água, deixe que lhe lembre a notícia de que a Câmara, que o senhor sabiamente preside, é uma das cinco autarquias (Loures, Albufeira, Évora, Lisboa e Chaves) que mais deve às Águas de Portugal, com dívidas acima dos 10 milhões de euros cada uma. E, que eu saiba, os munícipes flavienses não deixaram de pagar a água e demais impostos diretos e indiretos.

 

Está visto que não é apenas o Estado Central o mau pagador. Ao que parece, o deixar crescer a dívida não foi só atributo do Cavaco Silva, do Guterres, do Durão Barroso e do Sócrates. No país é prática comum acumular dívida como quem colecciona selos, pois as gerações futuras, que já estão super endividadas, lá terão de pagar os erros de má gestão dos seus avós e dos seus pais. Isto é se ainda existir país. O que cada vez duvido mais.

 

Relativamente à cultura fala-nos de vários projetos, como por exemplo a Biblioteca Municipal, mas deixe que lhe lembre que a Biblioteca Municipal não foi um projeto seu mas sim de equipas autárquicas que o precederam. O senhor limitou-se a assistir ao início das obras e acompanhamento de um projeto já existente. Já o “Museu de Arte Sacra” é obra de sua autoria. Mas deixe que lhe lembre que o espaço está quase sempre às moscas e que até serviu para lá desterrar, como forma de punição, um artista plástico da nossa terra que o senhor convidou para vir trabalhar consigo.

 

E também a “Chaves Viva” é um projeto com a sua chancela. Mas também sabemos para o que serviu, e para o que serve: para dar emprego à “rapaziada” do partido e, por ter um estatuto de autonomia, o fazer sem prestar contas a ninguém, a não ser a meia dúzia de associados e dirigentes que também trazem na carteira, quase todos eles, o cartão laranja.

 

E o “Douro Jazz” também é um projeto da sua Câmara? Deixe também que lhe diga que não. Uma coisa é aproveitar alguns grupos que se deslocam à nossa região e pagar-lhes para fazerem um desvio até Chaves para aqui tocarem umas coisitas. Outra, bem distinta, é organizar um festival de jazz. Se o citado evento fosse flaviense não teria, com toda a certeza, a palavra “Douro” escrita na sua denominação.

 

Já a famosa “Agenda Cultural” é um projeto genuíno da sua equipa. E que bom que ele é. E também é distinto, repleto de interesse, vanguardista, dinamizador e altruísta. E, deixe que lhe diga mesmo mais, é bem o retrato da atividade cultural na nossa cidade: pequenina, comezinha e ridícula. Resumindo: liliputiana.

 

Já o desporto é um enchente de riso, porque é um amontoado de lérias. Por exemplo, chega a falar das provas desportivas ao ar livre (BTT) e de um “Regulamento de Apoio à Formação”. À formação de quê e para quê? E, relativamente às provas desportivas, deixe que lhe lembre que até a Casa de Cultura de Outeiro Seco chegou a fazer bem mais e com bastante menos dinheiro e pessoal.

 

Segue-se a ação social. E logo a abrir fala-nos da Carta Social. Lá cartas tem o senhor. O meu amigo é prolixo em epístolas. E esta é mais uma. Talvez doutra índole, mas, mesmo assim, curiosa e repleta de surpresas. Lembra-nos do apoio aos extratos sociais desfavorecidos (Ó raio de expressão mais infeliz, então os mais desfavorecidos, para si e para a sua equipa, são um extrato? Contas é que podem ter extratos, as pessoas, mesmo as mais pobres, são gente, não são extratos de nada.) e de mais uma dezena de projetos de índole indefinida e de concretização duvidosa. Mas a que me chamou mais à atenção foi o combate à toxicodependência.

 

Olhe que não, senhor presidente, olhe que não. A sua autarquia não a combate. Diz que a combate. E uma coisa é dizer, outra, bem distinta, é fazer. Por isso deixe que o cite: “Na ação política, mais do que intenções contam os resultados”. E os resultados aí estão com toda a sua cruel evidência. Bastava-lhe sair um dia à noite e ir à zona dos bares, na parte velha da cidade, para se inteirar de que a realidade é muito diferente do que diz, ou do que lhe dizem. Olhe que ali o tráfico e o consumo de estupefacientes são muito elevados. Mas, pelo que vou vendo, o local nem sequer é devidamente policiado. A polícia só lá vai quando é chamada e, mesmo assim, com toda a animosidade do mundo. Mas também reconheço que, como a Câmara só está aberta durante o dia, o combate por si propalado deve resumir-se a um que outro sermão de circunstância para vir nos jornais (eu sei, eu sei, e o seu vice também o sabe, não há almoços grátis, estamos aqui, estamos lá, ei sei, eu sei) ou, à falta de interlocutor, no seu Boletim Municipal. Mas é durante a noite que a droga toma conta dos espaços e da cabeça dos consumidores. Só que a essa hora já todos dormimos a bom dormir. E até ressonamos dentro da nossa indiferença.

 

Peço-lhe desculpa, mas hoje vou ficar-me pela metade do cardápio do seu auto elogio. Para a próxima edição fica a análise ao que ainda falta da sua relação dos “projetos concretizados, obras executadas e a executar”.

 

Até lá. Um abraço. 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Louvre

. 465 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. JVF

. Interiores

. Poema Infinito (478): O V...

. ST

. No Louvre

. 464 - Pérolas e Diamantes...

. No Porto

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. Poema Infinito (477): Tox...

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. 463 - Pérolas e Diamantes...

. Amizade

. Na feira

. Interiores

. Poema Infinito (476): Via...

. ST

. Expressões

. 462 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (475): Bre...

. No Barroso

. No Barroso

. 461 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No Barroso

. Em Lisboa

. Poema Infinito (474): Ven...

. Na Póvoa de Varzim

. Em Paris

. 460 - Pérolas e Diamantes...

. Póvoa de Varzim

. Póvoa de Varzim

. Bragança

. Poema Infinito (473): Dis...

. Porto

. Paris

. 459 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Farinha de milho

. Fato

. Poema Infinito (472): O a...

. Na aldeia

. Sorrisos

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar