Sexta-feira, 9 de Março de 2012

O Homem Sem Memória - 105

 

105 - Ao fim de quinze dias o Guarda Ferreira estava de armas e bagagens em Névoa e o Capitão Martins demorou apenas mais duas semanas para rumar à estimada cidade da Guarda. Mesmo pondo de lado o posicionamento social, as receções foram muito distintas. Ao capitão todos lhe dedicaram ternos sorrisos e efusivos abraços. Já ao guarda Ferreira nem o cão revelou qualquer espécie de entusiasmo.


A Dona Rosa, mal o viu entrar portas adentro, começou logo a arengar: “Ai que susto. O que fazes aqui? Já te deram folga? Cansaste-te da revolução?” Ao que ele respondeu: “Vim de vez.” E ela, entre a estupefação e a incredulidade: “Como de vez?” E ele surpreendido por tanta frieza e tanta dúvida: “De vez. Vim de vez. Já não torno. Vim transferido para o posto de Névoa.” A Dona Rosa ainda com uma réstia de esperança difusa na voz: “Promoveram-te?” O guarda Ferreira surpreendido: “Não, não me promoveram. Transferiram-me para aqui. Para junto da minha família. Não era o que tu querias?” E ela agressiva como uma cadela: “O que queria era que te pusessem umas divisas em cima dos ombros.” E ele acabrunhado: “Era uma coisa ou outra. Escolhi esta. A outra era uma incerteza. Além disso podiam matar-me. É que os tempos não estão para brincadeiras.” Depois fez-se silêncio. O guarda Ferreira limitou-se a olhar para a mulher talvez com a esperança de um pequeno carinho. Mas a Dona Rosa limitou-se a continuar concentrada a engomar a roupa enquanto o cão dormia junto a uma perna da tábua de passar.


“Então, já que estás aqui, pega no caldeiro e vai dar de comer aos recos. Que é para o que serves”, disse a Dona Rosa com a delicadeza que todos lhe reconhecemos. Não contente com o dichote, pregou um pontapé no cão e mandou-o dar uma volta. Ambos e dois obedeceram sem manifestar a mais pequena discordância.


“Os porcos já estão acomodados. O que queres que faça a seguir?”, perguntou nervoso o guarda Ferreira. “Olha, acorda o teu filho mais velho que agora só sabe dormir”, disse colérica a Dona Rosa. Depois ficou de novo em silêncio. Após algum tempo de espera, resmungou sem tirar os olhos da roupa que passava: “O mundo às avessas e os meus homens enfiados dentro de casa como mulheres. Não sei que raio de sangue vos corre nas veias. Do meu não é com toda a certeza.”


O José, assomando à porta do quarto, rabujou: “Já não se pode dormir descansado nesta casa. É preferível estar preso, pelo menos lá não nos incomodam com discussões familiares. A família, essa infernal instituição burguesa, é para o que serve, para dar arrelias, preocupações e para nos manietar de pés e mãos às convenções, ao conservadorismo e à hipocrisia.”


“Cala a boca e vai lavar a cara e pentear-te. Pareces um cigano”, ordenou-lhe o pai. E o José tentando ganhar espaço e tempo: “Então o pai está por cá de novo? Foi rápida a estadia no Porto. Os revolucionários depressa desmobilizaram. O que fez de tão importante para o promoverem num ápice?”


Mas em vez de ser o guarda Ferreira a responder, quem o fez foi a sua querida e estimada esposa: “Não foi promovido. Foi transferido de posto. O teu pai não possui a mais pequena réstia de ambição. Contenta-se em ser o borra-botas que sempre foi e há de continuar a ser. Desde que tenha dinheiro para o cigarro e para o copo, já se dá por contente. E eu que me amanhe.”


Enquanto o José fazia que lavava a cara e se penteava, o pai tentou pôr-se teso e contestar os argumentos da mãe: “Todo o dinheiro que entra nesta casa sou eu que o ganho…” “Todo não”, contrapôs a Dona Rosa. “Eu também ganho algum com as camisolas que faço e com os panos de renda e bordados. Se vivêssemos apenas com a miséria que trazes para casa morríamos à fome. E quem é que cria os porcos, as galinhas e os coelhos? Quem? E quem é que vai à lenha? E quem é que sacha as batatas e rega a horta? Quem? E quem é que…”


“Cala-te mulher. És uma ingrata. Quem te ouvir até pode pensar que é verdade aquilo que dizes. Se não fosse o meu ordenado é que morríamos à fome. És uma ingrata. Para ti nunca nada está bem. Aos teus olhos sou para aqui um verbo-de-encher”, indignou-se o guarda Ferreira.


“Lá verbo podes ser, agora de encher é que não. Para encher estou cá eu”, disse a Dona Rosa. E o guarda Ferreira: “Não te faças de engraçada comigo.” E o José: “A mãe, quando quer, até é engraçada. Mas gosta, sobretudo, de fazer o papel de desgraçada. Está-lhe no sangue. Se abraçasse o teatro dava, com toda a certeza, uma excelente atora dramática.”


A Dona Rosa levada do diabo: “Cala lá o focinho, mas é. Quem é que te julgas para fazeres de engraçadinho comigo. Pensas que estás a falar com alguma tua amiga galdéria? Tu sais ao teu pai. És também para aí um bardamerdas. Podias vir a ser alguém, um grande homem da Igreja, um bispo bem arreado e bem cevado, e respeitado, mas não passas de um putanheiro sem eira nem beira. Um pobre como tu não se pode dar ao luxo da boémia. Isso é para os filhos dos ricos. Os filhos dos pobres, para singrarem na vida, ou estudam ou fodem-se.


“Mãe!”, exclamou o José. “Mulher!”, exclamou o guarda Ferreira. “Ão, aõ, ão! exclamou o cão que se tinha vindo colocar junto aos pés da dona.


E a Dona Rosa começando a chorar baba e ranho: “Deixai-me em paz. Sou para aqui uma desgraçada. Ninguém me compreende, ninguém me ajuda. Ninguém segue os meus conselhos. Só me apetece ir para o monte e gritar, gritar até não poder mais. Gritar até rebentar. Se não fosse por causa dos mais pequenos matava-me com o veneno dos escaravelhos.”


“Mulher!”, exclamou de novo o guarda Ferreira. “Mãe!”, exclamou segunda vez o José. “Ão, aõ, ão!” exclamou abanando a cauda o cão. Como não podia fazer mais nada que não pudesse acabar em tragédia, novamente deu um pontapé no cão e enxotou-o para a rua.


Passado apenas o curto tempo de o guarda Ferreira fumar um dos seus cigarros sem filtro, deram entrada na casa os Ferreiras mais pequenos vindos da escola, seguidos pelo cão que não se cansava de ladrar e abanar o rabo. “Olha, é o pai”, disse um deles como se tivesse visto um fantasma. E o pai: “Então meus queridos filhos, estais bons?” E os filhos: “Estamos cheios de fome. Queremos comer.” E a mãe, fazendo-se chocada: “Então não dais um beijo ao vosso pai?” E o José, fazendo-se surpreendido: “Então não dais um beijo ao pai?” E os filhos indiferentes: “Dê-lhos a mãe. Temos fome. Queremos comer.” E a mãe pondo a mesa: “O vosso pai vem para cá de vez.” “Ó que chatice!”, disse o mais velho dos pequenos. “Ó que chatice!”, disse o do meio. “Ó que chatice!”, disse o mais novo, que também era o mais atrevido. E desabafou: “Ele é tão chato. E cheira mal da boca.” E o que ainda não tinha dito nada disse alguma coisa: “Com ele cá a casa ainda vai ficar mais pequena. Quando ele se deita com a mãe, o João e o Luís vão dormir no nosso quarto e ficamos todos tão apertados que até suamos.” Pausa: “Ó mãe, o pai não pode ir embora outra vez?”


Ao guarda Ferreira nem a comida se lhe engoliu. Tamanha receção deixou-o prostrado. Ele sabia que os anos passados longe de casa tinham cavado um fosso enorme entre si e os filhos, especialmente em relação aos mais novos, que não o viam como um pai, mas sim como um intruso, que por vezes ficava lá em casa dois ou três dias mas que se ia embora antes de começar a aborrecer. Mas não podia imaginar que o apontassem como um empecilho, como um estorvo, como um estranho que não fazia parte das suas vidas.


Não se sentido querido perseverou ainda mais no vinho e no cigarro. Só ia para casa já noite dentro, levantava-se com as galinhas e ia para o posto. Nos dias de folga, com o pretexto de ir amanhar as terras que tinha na Torre, rumava para a aldeia fazer que fazia.


Também o José principiou a sentir-se mal com a situação. A vadiagem não podia ser eterna.

 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Em Paris

. Em Paris

. 472 - Pérolas e Diamantes...

. Feira dos Santos

. ST

. Na cozinha

. Poema Infinito (485): Sed...

. Olhares

. Vacas e balizas

. 471 - Pérolas e Diamantes...

. Em Amarante - Cultura que...

. Na feira

. No Porto

. Poema Infinito (484): Eco...

. Chega de bois em Boticas

. No Barroso

. 470 - Pérolas e Diamantes...

. Interiores

. Castelo de Montalegre

. No Barroso

. Poema Infinito (483): Ilu...

. No Barroso

. Na aldeia

. 469 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Noturno

. ST

. Poema Infinito (482): Res...

. No Barroso

. No Louvre

. 468 - Pérolas e Diamantes...

. AB

. VS3

. VS2

. Poema Infinito (481): Que...

. VS

. CL

. 467 - Pérolas e Diamantes...

. Pisões

. Misarela

. Olhares

. Poema Infinito (480): As ...

. Na Abobeleira

. Barroso

. 466 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Alturas d...

. Em Coimbra

. No Louvre

. Poema Infinito (479): Ao ...

. No Louvre

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar