Quarta-feira, 16 de Maio de 2012

O Poema Infinito (100): a habitação

 

Tenho a sensação aflitiva de que estou a ficar cego por olhar o mundo com olhos de ver. E que estou a ficar mudo por nomear as palavras e as coisas como se o que é belo definhasse por escrevê-las imobilizadas pela luz amarela do candeeiro. Por isso continuo a desejar aquilo que nunca verei e os corpos cintilantes das mulheres sereias que sorriem por dentro do seu suicídio feminino de água e nudez. Ponho as mãos em cima das pedras da casa velha e sinto que a minha memória humedece de medo. E a janela chama-me. Dela avisto o rio que corre como sempre correu, insensível à vida e à morte. Deito-me novamente e deposito-me nos sonhos. Dentro e fora da casa os mortos e as suas sombras de saudade e adeus esburacam a madeira e a terra perturbados pelo tempo infinito do adeus e da eternidade. Lá fora, as sombras das casas desabitadas enferrujam dentro do seu pó de aranhas e silvas. Aqui já nada me pertence. Nem o medo. Nem a morte. Nem a vida. Resta-me apenas o pouco tempo que aqui vivi e que me enche a memória de lágrimas e de medos e de arrependimentos e de desejos estúpidos. Ali naquela varanda secava-se a roupa, o milho e as passas das pavias. Também corria uma brisa fresca nas quentes tardes de verão. No inverno, enquanto na cozinha o lume aconchegava os potes durante todo o dia e a comida cozia e cozia e cozia, eu, sob o olhar atento da minha avó, dormia sonhando que brincava com a neve que se acumulava lá fora. Sem querer, a noite vinha e tornava-se densa, fria e silenciosa. O frio é silêncio nas casas e nas terras dos pobres. Quando acordada ficava em silêncio deixando que os fios dourados dos meus pensamentos penetrassem na misteriosa magia do crepitar da lenha. Apesar de pensar o contrário, as noites e os dias eram tristes. A minha avó era triste. Eu era triste. Eu ainda sou triste, de uma tristeza séria e descarada. Por vezes ladravam os cães. Também os cães eram tristes. Outras vezes não ladravam. Por vezes ouviam-se os passos dos homens. Também os homens eram tristes. Outras vezes ouviam-se os gemidos dos outros animais e escutava-se a melancolia fria e engelhada das mulheres que cresciam tão cedo como a aurora e envelheciam tão rápido como os dias de inverno. Também as mulheres e os outros animais eram tristes, até mais tristes que os homens e os cães. Agora as ruas estão desertas e apenas alguns cães vadios fazem que passeiam e ladram. Já nem os cães sabem ladrar como antigamente. Agora já não é possível o regresso. Já não são possíveis os sorrisos. Até a própria memória se está a transformar numa inutilidade escrita. E o silêncio lamina o dia e a noite e o amanhecer. A casa começa a quebrar-se por dentro projetando filamentos de eterno e irremediável abandono. E o abandono expande-se em ondas de tempo devassando tudo o que tinha vida e era útil. Doem-me agora os rostos dos meus familiares mortos. São como espelhos vazios. São como raízes de ervas. Alguns pássaros dançam no céu para provar a beleza efémera da vida. Libélulas esquisitas zumbem de encontro aos vidros. Os rostos transformam-se agora em alucinações. As alucinações transformam-se em corações vegetais. Que habitação é esta? 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Barroso

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

. 436 - Pérolas e Diamantes...

. Na Feira

. Na aldeia

. Olhares

. Poema Infinito (450): O d...

. Vaca atenciosa

. BB

. 435 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. ST

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

. Em Paris

. Em Paris

. 432 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar