Sexta-feira, 18 de Maio de 2012

O Homem Sem Memória - 115

 

115 – “O comunismo é tão vantajoso e tão superior ao capitalismo que não só manda homens e mulheres para o espaço em maravilhosos foguetões, como envia mulheres e até cães. Ou melhor, cadelas.”


Esta idiotice pretensamente ideológica não lhe saía da cabeça. O camarada esclarecedor era mesmo um idiota chapado, machista e sectário como a puta que o pariu. O que causava estranheza ao José era o facto de pessoas pretensamente cultas e esclarecidas acreditarem em semelhantes idiotices. Bem vistas as coisas, os camaradas eram para ali um bando de crianças parvas enfiadas em corpos de adultos.


O mundo rege-se por duas religiões absurdas: a do paraíso no céu e a do éden na terra, que são cara e coroa da mesma moeda ideológica. Pelo meio fica prensado o martírio de milhões de mártires, que para uns são apenas almas penadas e para outros não passam de simples algarismos de uma estatística de horror.


“Os fins justificam os meios”, este foi sempre o lema dos exterminadores leninistas. “Dos pobres é o reino dos céus”, continuam a rezar os sorumbáticos papistas romanos.


Mas já que os tinha deixado a discutir em circuito fechado, o José não estava agora para pensar mais em cretinices e nos respetivos cretinos. Em casa tinha à sua espera “O Idiota” de Fiodor Dostoievski, um livro que lhe estava a bater forte, quase tão forte como a bela e enlouquecedora Nastácia Filíppovna arreava com o seu chicote em quem a não amava apaixonadamente ou a afrontava indevidamente. Nele, Dostoiévski constrói um dos personagens mais impressionantes de toda literatura mundial, o humanista e epilético Príncipe Míchkin, uma hábil mistura de Cristo com Dom Quixote.


Mas antes disso tinha de ler o Programa e os Estatutos, pois não podia militar no Partido Comunista sem conhecer os direitos e os deveres dos militantes e os princípios orientadores da organização proletária. Além disso, já tinha teimado na leitura dos diferentes programas partidários. E tinha mesmo lido aos pulinhos distintas passagens do livrinho sagrado do PC, consideradas pelos camaradas responsáveis como as mais relevantes. Mas ele, pobre coitado, não atinava com a sua relevância.


As leituras realizadas, em vez de o esclarecer, ainda o baralharam mais. Depois de cada leitura, chegava ao fim, isto quando não adormecia antes, a concordar com tudo o que tinha lido. Ou seja, se fosse a orientar-se pelos diversos programas podia ser militante, sem nenhuma hesitação, de qualquer partido.


Todos diziam querer, e defender, o melhor para o país e para a população. Todos falavam em liberdade, em igualdade, em fraternidade, e, pasme-se, em socialismo, progresso, desenvolvimento, modernidade, cultura, educação, pão, paz, povo, liberdade. E o programa comunista perseverava mesmo na defesa das “mais amplas liberdades” para o nosso povo.


José foi literalmente consumido pela síndrome do jovem piloto de aviões Nately, um castiço personagem do romance de Joseph Heller, Catch-22, e um dos melhores amigos de Yossarian, que passa a vida a apaixonar-se por todas as raparigas com quem se cruza e com elas pretende casar, apesar de todas serem honradas, e experimentadas, prostitutas.


Para os estimados leitores se inteirarem da honestidade intelectual do nosso querido personagem principal, posso informar-vos que o José leu e anotou a maior parte dos livros fundadores da cultura mundial, especialmente da ocidental. Posso ainda informar os prezados leitores que os seus apontamentos tinham uma caligrafia impecável nas dez ou doze primeiras linhas, mas a partir daí eram uns hieroglíficos que nem ele se atrevia a ler sem se arreliar de morte, por vezes quase até ao desfalecimento ou à cegueira temporária.


Da Bíblia copiou honradamente a parte que se segue (em itálico escrevemos os respetivos comentários, e que Deus, os anjos e os santos nos perdoem, se forem capazes e tiverem competência para tanto).


“No princípio, criou Deus os céus e a terra.” (E quem criou Deus? E depois da primeira pergunta respondida, coisa que, convenhamos, não é mesmo nada fácil de se arranjar, quem criou o criador de Deus? E quem criou esse outro criador? E assim sucessivamente. Nesta dúvida metódica podemos escavar até ao infinito do princípio. O infinito também como princípio é uma boa hipótese de trabalho. Um princípio infinito é uma ideia poética quase tão profunda como Deus, se não for ainda mais. Mas não quero pensar muito nisso senão dói-me ainda mais a cabeça.)


“E a terra era sem forma e vazia…” (Com estas palavras fica provado que Deus podia ser um bom progenitor mas era um mau oleiro); “e havia trevas…” (E como é que Deus via no meio de tanta escuridão? Teria visão de Super-homem?) “sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus…” (Então Deus tinha um espírito ou era um Espírito? Seria um ser em dois, ou dois em um? E a ser assim para que precisava Deus de um Espírito. Ou esta expressão não passa de um eufemismo. Mas se a bíblia foi inspirada, escrita, por Deus, porque raio se deu a este tipo de ambiguidades?) “movia-se sobre a face das águas…” (Aqui está uma expressão de singular carga poética. Disto gosto, da veia poética de Deus.)


“E disse Deus: Haja luz. E houve luz.” (Esta imagem de Deus como um vulgar eletricista não me cativa. É demasiado humana para fazer parte da criação do mundo. É vulgar. E Deus, que é único, não pode ser por definição, e condição, vulgar. Deus só pode ser extraordinário. Para ordinários estamos cá nós.)


“E viu Deus que era boa a luz…” (Ora aqui está uma enorme contradição, ou, se quisermos, uma infeliz redundância. Deus, porque o é, só pode criar coisas boas. Ou seja, se foi ele que criou a luz, ela só podia ser boa. Ou seria que mesmo ele desconfiava dos seus poderes? E ainda mais: mesmo antes da criação, Deus já tinha definido o bem e o mal. Ou seja, já tinha decidido criar homens bons e homens maus, já nos queria por a lutar uns com os outros. Fica pois provado que Deus era preconceituoso. E não me venham com a treta de que ele ainda não tinha conhecimento desses conceitos. Não podemos esquecer que a princípio era o verbo, ou seja: a palavra. A carne é posterior. E não nos podemos esquecer que Deus é, por definição, omnisciente e omnipotente. Ele, já naquela altura, tudo sabia. Ora isso não abona muito a favor de um Deus que é por definição um ente supremo e bom. Ou ainda melhor do que bom: ótimo.); “e fez Deus separação entre a luz e as trevas…” (Lá está ele a separar coisas que são por definição antagónicas. Se existiam trevas, e Deus criou a luz, estas duas realidades já estavam à partida separadas e por isso não necessitavam de ser apartadas. Uma só existe em função da outra. Deus, logo de início, mostrou-se redundante.)


“E Deus chamou à luz Dia; e às trevas Noite…” (Lá está Deus com a mania de nomear tudo. De explicar tudo. Só ainda não se deu ao trabalho de explicar a origem do universo. A sua origem. O nosso destino. O sentido de isto tudo. Para ele deve ser simples. E se assim as denominou, fê-lo em que língua?)


“E foi a tarde e a manhã o dia primeiro.” (A tarde e a manhã? Ou será a manhã e a tarde. Ou será ainda que a ordem substantiva não interessa a Deus? Ou será ainda que Deus confundiu a sucessão da sua luz? Primeiro o Sol a nascente, depois o astro rei a poente.)


“E disse Deus; haja uma expansão…” (Haja uma expansão, não será que disse “haja uma explosão?” Sempre era mais interessante do ponto de vista narrativo. E dava um filme do caraças nas mãos de Cecil B. DeMille.)


A partir daqui, e até à página 58 do caderno, quase tudo é ilegível.


Aí abandonou o trabalho sobre o “Velho Testamento” e apenas ia na segunda página da Bíblia. A muito, mas mesmo muito custo, ainda conseguimos decifrar a seguinte frase: “Abandono aqui este registo cruel porque não entendo porque Deus, depois de criar Adão a partir do barro e de criar a Eva a partir de uma costela de Adão e de colocar uma serpente a servir de Diabo, ainda condena a mulher a parir com dor. Pensar que condenou a minha querida avó a este tormento dá-me vómitos. Já sobre a minha mãe não sei bem o que pensar e….” que Deus o perdoe, acrescentamos nós sem grande convicção, mas com um sentimento muito sofrido. 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Em Paris

. Em Paris

. 472 - Pérolas e Diamantes...

. Feira dos Santos

. ST

. Na cozinha

. Poema Infinito (485): Sed...

. Olhares

. Vacas e balizas

. 471 - Pérolas e Diamantes...

. Em Amarante - Cultura que...

. Na feira

. No Porto

. Poema Infinito (484): Eco...

. Chega de bois em Boticas

. No Barroso

. 470 - Pérolas e Diamantes...

. Interiores

. Castelo de Montalegre

. No Barroso

. Poema Infinito (483): Ilu...

. No Barroso

. Na aldeia

. 469 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Noturno

. ST

. Poema Infinito (482): Res...

. No Barroso

. No Louvre

. 468 - Pérolas e Diamantes...

. AB

. VS3

. VS2

. Poema Infinito (481): Que...

. VS

. CL

. 467 - Pérolas e Diamantes...

. Pisões

. Misarela

. Olhares

. Poema Infinito (480): As ...

. Na Abobeleira

. Barroso

. 466 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Alturas d...

. Em Coimbra

. No Louvre

. Poema Infinito (479): Ao ...

. No Louvre

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar