Sexta-feira, 22 de Junho de 2012

O Homem Sem Memória - 120

 

120 – Antes de prosseguirmos com o relato, temos de confessar que mesmo nós, entusiasmados pelas anotações do José relativas às suas leituras do “Manifesto do Partido Comunista”, pegámos na mesma edição e, depois de ler: “Não há exagero em dizer que as dificuldades que se deparam na tradução…”, tombámos igualmente para o lado como pedras. Só despertámos de manhazinha ao ouvir o cantar do galo eletrónico pousado na mesinha de cabeceira. Mas como é do José que esta narrativa fala, avancemos sem mais delongas. No entanto, pedimos desculpa, mas voltamos já. Logo após o cafezinho da manhã.


Levantei-me com uma grande dor de cabeça. Mas mesmo grande. Enorme. O “Manifesto” está a dar cabo de mim. Fui procurar o Graça ao Centro de Trabalho para ver se falava com ele para lhe transmitir as minhas angústias, os meus desesperos, as minhas dúvidas e as minhas limitações. Mas ele não estava, tinha ido comprar mais baldes, cola e pinceis, pois era o responsável pela célula da Agitação e Propaganda.


À saída, uns militantes de base tentaram aliciar-me para ir colar cartazes. Eu, muito educadamente, recusei tão grande distinção. Os meus futuros camaradas olharam para mim um pouco de lado. Eu justifiquei-me dizendo que ainda não estava preparado para tão elevada tarefa revolucionária. Eles voltaram a olhar para mim ainda mais de lado. Eu insisti que para se ser militante comunista é necessário ler, pelo menos, o “Manifesto” e o “Programa e os Estatutos do Partido”. Eles retorquiram-me que não é preciso ser-se militante do Partido para colar cartazes e pintar paredes. Basta ser-se simpatizante. Eu disse-lhes que só colaria cartazes depois de preencher a ficha e pagar as quotas. Antes, nada feito. Insisti: Ainda não estou preparado para tamanha tarefa revolucionária. Eles foram-se embora, não sem antes exprimirem o que lhes ia na sua alma de comunistas sinceros: Provocador.


Durante a tarde pus-me a ler “O Idiota”. Fiquei angustiado, delirante, nervoso, tenso. Li mais de cem páginas sem me deter. Só parei quando a minha mãe me chamou para jantar. Jantei muito e bem. E bebi o que a comida me pediu. À noite fui de novo procurar o Graça à sede do Partido, que foi onde a sua avó me disse que ele se encontrava agora a toda a hora e momento. Mas ele, importante como já era, não me pôde atender porque estava numa reunião da comissão concelhia. Os mesmos camaradas dos cartazes renovaram-me o convite, desta vez para ir com eles fazer umas pichagens ao centro da cidade. Eu, porque sou um coerente leitor de Marx e Engels, e disso lhes dei conta, declinei o convite pelas mesmas razões apontadas anteriormente. Eles responderam-me: Pequeno-burguês. Eu desculpei-me: Não, eu não sou nada disso. Eles insistiram: Esquerdista. Eu desculpei-me de novo: Não, eu não sou nada disso. Ao que acrescentei: E isso o que é? Eles tornaram a insistir: Provocador. Eu respondi: Não, eu não sou nada disso. Sou apenas filho de um GNR que abandonou o seminário e que agora quer encontrar o caminho da revolução. Sim, confesso que quis ser democrata-cristão. Mas isso já me passou. Até quis ser socialista, mas desisti. Também foi vento passageiro. Agora apenas quero ser aquilo que os meus amigos são. E como quase todos eles são comunistas também quero ser comunista marxista-leninista e punhalista. Ao que um deles, respondeu: Não blasfemes. Eu deixei passar em branco a provocação e continuei: Não me resta outro caminho senão ser comunista. Por isso é que quero falar com o Graça por causa de uma coisa a que não consigo dar resposta sozinho. Então eles tornaram a insistir: Para fazer pichagens não é necessário ser militante. Apenas é necessário ser simpatizante. Eu, disse um deles, sou apenas simpatizante e colo cartazes e pinto paredes tão bem como qualquer militante. Respondi-lhe: Eu não me refiro à capacidade, mas antes ao ardor, à fé em praticar um ato não só por estima, mas antes por profunda convicção. Eu sei que sou capaz de colar cartazes numa parede e de escrever letras num muro. Mas esses atos se não forem acompanhados de uma adesão à causa não prestam para nada. Todos os nossos atos têm de refletir fé. E essa fé só a militância é que nos a pode dar. Eu só posso ir colar cartazes, pintar paredes ou vender “A Verdade” depois de me tornar militante. Não sou capaz de brincar com os princípios. É feitio meu. E o marxismo-leninismo é uma ideologia inundada de princípios. E de fins, remedou-me outro dos meus futuros camaradas. E ainda outro: Não foi Marx que disse que não interessam os meios com que se atinge um fim, se esse fim for o comunismo? Eu tornei a tornar: Não me consta. Mas tenho de reconhecer que ainda li muito pouco Marx. E Engels também. E Lenine. Até era por causa disso que queria falar com o Graça. E um deles, dos meus futuros camaradas: Camarada Graça. Camarada dirigente. Eu anui: Sim. E outro deles: Sim, o quê. E eu: Sim, o camarada Graça. E o mesmo meu futuro camarada: Camarada dirigente. Eu tornei a anuir, como convinha: Sim. E o mesmo outro meu futuro camarada: Sim, o quê. Eu, já um pouco farto da conversa de tontos, disse: Sim, o Camarada dirigente. E um dos que parecia distraído: Qual deles? E eu: O Graça. O camarada Graça. O camarada dirigente. E o tal meu futuro camarada distraído: Pois o Graça. Levantei-me de supetão e preparava-me para ir embora quando o camarada simpatizante me agarrou no braço e novamente me convidou para ir com eles colar cartazes e pichar paredes. Eu tornei a insistir com a minha falta de preparação ideológica. Ele fez-me ver que não é preciso ser um competente leitor de Marx e Lenine para colar cartazes com a devida eficácia comunista. Eu concordei. Mas contrapus: Como é possível andarmos a lutar por uma causa se não a percebemos completamente? Todos juntos: Reacionário. Ia eu a dizer que não era nada disso quando, pensando melhor, lhes respondi à letra: Basistas. E dali me fui para casa ao encontro do meu “Manifesto”. Entendamo-nos, não do “meu” manifesto pois eu não sou daqueles que escrevem manifestos. Eu gosto pouco dessas coisas. Eu gosto mais de escrever poesia. Mas fui ao encontro de mais uma tentativa de leitura do “Manifesto do Partido Comunista”. 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Barroso

. No Barroso

. 439 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

. 436 - Pérolas e Diamantes...

. Na Feira

. Na aldeia

. Olhares

. Poema Infinito (450): O d...

. Vaca atenciosa

. BB

. 435 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. ST

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

. Em Paris

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar