Segunda-feira, 9 de Julho de 2012

Rufadores e Tocadores (1): Manias, medíocres e depressões

 

Sei agora, mas mais vale tarde do que nunca, que nasci demasiado tarde e demasiado medíocre. Mas mesmo assim tive sorte em nascer medíocre, valha-me ao menos isso, pois desta forma não me vejo na triste situação de ter de alcançar a autêntica mediocridade a desoras.

 

Ou seja, há homens que nascem medíocres, outros apenas alcançam esse estado lá mais para a meia-idade. No entanto, há felizardos a quem a mediocridade lhe cai em cima como uma benesse. São aqueles que o povo diz que já nasceram com, vossa licença, o rabo virado para a lua.

 

Reconheço que até na mediocridade unicamente consigo quedar-me sempre, ou quase sempre, aquém dos mais sortudos. Mas não desisto. Quem me conhece sabe muito bem que não sou homem para desistir. Desistir que desistam os outros. Eu resisto, insisto e persisto.

 

Até na mediocridade, que absorvo como uma esponja, a quantidade da que adquiro é sempre, ou quase sempre, inferior à deles. Os outros. Eles.

 

Daí o meu ar inexpressivo que tanto impressiona quem me conhece, ou pensa conhecer-me.

 

Atualmente ando a tentar ser como os demais medíocres. Por isso me esforço em cumprir o humilde dever de incrementar as tarefas sociais com o mínimo aparato, não vá alguém ofender-se por lhe passar à frente.

 

Desenvolvo todos os esforços para não me antagonizar com quem quer que seja, pois assim é que deve ser, explicam os mais avisados. Sorrio até com mais prontidão às pessoas com quem me cruzo. E não ultrapasso ninguém, não me meto com quem quer que seja e até evito assobiar.

 

Agora não falo, murmuro. Tornei-me subserviente, por isso apenas me sinto confortável quando estou acompanhado por muita gente. Aprendi, ainda, que não devemos olhar de frente para os outros. Apenas de lado e com um sorriso tímido na boca. Devemos falar por meias palavras, dizer meias verdades, camuflar estratégias, ser dúbio nos compromissos e deixar tudo, como bem diz o nosso povo, em águas de bacalhau.

 

Cada vez que olho para cima, vejo gente a embolsar dinheiro, e nunca o que pretendo, que é observar o céu, os anjos e os santos. Vejo-os a arrecadar lucros sugados a todos nós que teimamos em intentar impulsos honestos e não ficar indiferentes a todas as tragédias humanas. Daí o experimentar desenvolver esforços para não pensar naquilo que vejo. E, sobretudo, fazer mais um esforço para que não me confundam os valores.

 

Por exemplo, politicamente sou um humanista que sabe distinguir a direita da esquerda, por isso é que estou desconfortavelmente situado entre as duas, defendendo os meus amigos esquerdistas dos seus inimigos direititas e defendendo os meus amigos direitistas dos seus inimigos esquerdistas.

 

Por isso sou solenemente detestado por ambos os grupos, daí ninguém me defender por que me supõem um pateta e, para mal dos meus pecados, não um pateta alegre, mas sim um genuíno pateta triste.

 

Mas deixem que me confesse: eu sou mesmo um pateta. Lamento desiludir alguns de vocês, mas a verdade é para ser dita. A verdade acima de tudo: eu sou mesmo um pateta e, ainda por cima, triste.

 

Sou a modos como os ilustríssimos medíocres identificados acima que não são racistas mas detestam pretos, ciganos e chinocas. Muitos deles até sabem tudo sobre literatura, cultura e música, exceto apreciá-la.

 

Ao contrário de muita gente, boa gente, respeitável gente, eu tento dissimular a minha mente, pois a minha avó avisou-me que as pessoas com mentes desenvolvidas manifestam a criticável tendência para se tornarem espertas.

 

E os espertos são mal vistos, quando não mesmo perseguidos. Convenhamos que pessoas espertas são um perigo social. Toda a gente medíocre diz apreciá-los mas, honra lhes seja feita, detestam-nos com todas as suas forças. Está visto, nem os verdadeiros, os autênticos, os genuínos medíocres são perfeitos. Mas que são precavidos, lá isso são.

 

Um meu amigo bem me avisou: tu és imaturo. Por isso não consegues adaptar-te à sociedade. És para aí um ressentido. Um revoltado.

 

Deixem que me explique melhor: eu sofro de ansiedade de ajustamento social. Por isso luto contra a minha tendência de não conseguir simpatizar com o fanatismo, a prepotência, o cabotinismo e a hipocrisia.

 

Subconscientemente desprezo algumas pessoas. Ou melhor, deixem-me ser sincero, que é outro dos meus grandes defeitos, eu desprezo algumas pessoas conscientemente. Sim, conscientemente.

 

Por isso, muitas vezes insurjo-me (ó pecado dos pecados!) contra a ideia de ser roubado, ludibriado, imbecilizado, menorizado, explorado, humilhado ou iludido.

 

A infelicidade deprime-me, como também me deprime a ignorância, a perseguição, a violência, a falsidade, os bairros de lata, a ambição, o crime, a corrupção. Sim, eu sei, afinal sou mesmo um maníaco-depressivo.

 

Se não como explicar os sustos que apanho com as pessoas que falam alto? Como explicar o meu sentimento de desamparo com os homens e as mulheres de ação, palradores, destemidos e agressivos? Num mundo que só celebra o êxito, como é que eu me consigo resignar com o meu insucesso? Por isso vivo permanentemente angustiado, apesar de nunca me faltar a esperança. A esperança em ter esperança. Ao menos isso. 


publicado por João Madureira às 07:00
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De maria joao a 9 de Julho de 2012 às 08:14
identifico-me.


De M.I.V. a 10 de Julho de 2012 às 00:54
senhor bloguista. às segundas já era normal encontrarmos aqui uma crónica denuniadora de certas anomalias, direi mesmo, atrocidades particadas pelos nossos mandões. Pergunto: esgotou-se o tema? Ameaçaram-no? Deram-lhe um ossito, para o calar?
Olhe que ainda há muito em que falar. Por exemplo no autoriza e depois desautoriza a tourada. No vai e vem dos despachos, lá está uma fatura de muitos euros para aautarquia pagar. E se a pagasse quem fez os ditos despachos?


De Margarida a 13 de Julho de 2012 às 01:10
Parti-me a rir.
Tu desculpa.
Mas eu achei um texto com um humor muito caustico .Tu estás a ficar um brincalhão.
Santa mediocridade ,ainda te dão uma medalhita.
Ainda bem que reconheces que tens o defeito da sinceridade.Tenta controlar-te.

"Daí o meu ar inexpressivo que tanto impressiona quem me conhece, ou pensa conhecer-me."
Eu não te conheço mesmo.Ou então andas a por botox.
Ou quem não se conhece és tu.Pois ficas a saber que mesmo calado ,percebo perfeitamente o que te apetecia dizer(às vezes).Acho o teu rosto do mais expressivo para retratar :)cá em casa todos concordam.
Mas eu bato mal.Sou quase normal.
Tu desculpa estar aqui a comentar ,mas como sabes eu quase nunca leio o que tu escreves tenho medo de concordar contigo.
PROMETO QUE NUNCA MAIS COMENTO. Anónima por precaução!


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Couto Dornelas

. Couto Dornelas

. Poema Infinito (460): A t...

. Couto Dornelas

. S. Caetano

. 446 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. Poema Infinito (459): O v...

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. 445 - Pérolas e Diamantes...

. Em Chaves

. Na aldeia

. Vilarinho Seco

. Poema Infinito (458): Vib...

. Na aldeia

. No horta

. 444 - Pérolas e Diamantes...

. Até já...

. Cantorias - Abobeleira

. No Douro

. Poema Infinito (457): Peq...

. Semana Santa - Barroso

. Na conversa

. 443 - Pérolas e Diamantes...

. Em Torgueda

. Ao portão com um sorriso

. Quaresma

. Poema Infinito (456): O v...

. Cozinha Barrosã

. Pastor

. 442 - Pérolas e Diamantes...

. No túnel

. No miradouro

. Na cozinha

. No forno

. No monte

. 441 - Pérolas e Diamantes...

. Na Abobeleira

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (455): O â...

. Na aldeia

. No Barroso

. 440 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. Na aldeia

. No Barroso

.arquivos

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar