Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

TerçOLHO

Este é um espaço dedicado às imagens e às tensões textuais. O resto é pura neurastenia.

TerçOLHO

Este é um espaço dedicado às imagens e às tensões textuais. O resto é pura neurastenia.

29
Ago12

O Poema Infinito (21): Criação [rep]

João Madureira


A invenção do Mundo custou a parir cinco dias infinitos. Logo de seguida Deus criou os seres vivos em apenas dois. E o mesmo Deus ofertou o Mundo, ainda tosco e selvagem, aos animais e às plantas e aos homens que, na sua omnisciente visão, não são nem uma coisa nem outra. Valha-nos Deus. No início, o mundo foi feito através da iluminação cega da criação e Deus transformou-se em loucura e em espada e cortou as estrelas e modelou planetas e tingiu de escuro o firmamento e pôs calhaus a voar caoticamente entre eles. Posteriormente tornou-se amargo e amassou as montanhas e condenou animais a sê-lo para sempre e deu cor à humanidade criando o pecado e o sexo para ser praticado com conta, peso e medida. Deus fez o homem do barro e a mulher das costelas dele. Deus brincou com os humanos como se fossem bonecos de plasticina. Deus gosta muito de brincar. Nisso assemelha-se às crianças. Depois purificou as fontes e as crianças e deu vinho aos reis e aos pobres e colocou carga erótica nas coxas e nas mamas das mulheres e fez-lhes de seguida um rasgo entre pernas para parirem com dor. E pôs lá pêlos. E teve coragem de criar o macaco para o homem se sentir superior e de criar os homossexuais para confundir a sexualidade de uns e de outros. Depois criou os anjos sem sexo. E ainda criou o sexo sem anjos. E chegou mesmo a criar o sexo sem sexo. A que se seguiu o celibato de padres e de freiras. E criou os pedófilos que se abrigam dentro da sua Igreja. E criou caracóis para sugerir ao homem que se quiser prosseguir na sua evolução pode muito bem foder-se a si próprio sempre que queira sem incomodar ninguém e depois pôr muitos ovos para formar descendência. E criou Darwin para nos dizer que todos os seres vivos evoluem só que uns evoluem mais do que outros. E outros evoluíram tanto que chegaram a seres inteligentes e por isso conseguem ter consciência de que Ele existe. E criou a palavra virgem para distinguir a pureza das mulheres pois já sabia que ia ter um filho de uma que o foi antes e depois da fecundação e do nascimento do seu filho que foi utilizado para sofrer e redimir os homens e as mulheres e que, apesar de ser crucificado, de nada nos valeu pois os homens continuam tão maus como dantes e o seu único filho ficou para sempre crucificado numa cruz de pau feita de prata ou ouro que o seu representante na Terra ostenta como símbolo de poder. Mas o poder de Deus num homem é uma das coisas mais estúpidas que se pode conceber. E Deus, ao que por aí se diz, não é estúpido. Estúpida é a economia que foi criada pelo homem para enriquecer uns e empobrecer outros. A economia é uma prostituta rica que muitas vezes é abençoada pelo Homem e por Deus. E nisso o seu filho foi peremptório atribuindo a César o que é de César. Pois à mulher de César, que agora sabemos chamar-se Economia, não lhe basta ser séria também tem de parecê-lo. E finalmente criou o foguetão e enfiou lá dentro três homens que foram à Lua e um deles deu um pequeno passo para ele, disse ele, mas um grande passo para a Humanidade, disse ele também. E ninguém se atreveu a desmenti-lo. Ainda hoje se está a medir o seu tamanho e ninguém conseguiu definir com exactidão a sua extensão. São, por isso, insondáveis os caminhos do Senhor. 

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

blog-logo

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

A Li(n)gar