Segunda-feira, 12 de Novembro de 2012

Pérolas e diamantes (11): António Cabeleira versus Fernando Campos, ou o problema em busca de solução, ou a solução em busca do problema, ou vice-versa


José Eduardo Martins, ex-deputado e dirigente do PSD disse ao Jornal de Negócios que “os partidos vivem hoje de diretas. E Portugal sempre foi um país de grande caciquismo. Na prática, quem tem força e disponibilidade para organizar o caciquismo acaba por ganhar”.

 

Mas não é sobre isto que hoje vos quero falar, por isso esqueçam o que anteriormente ficou escrito. Desta vez o que me traz à liça são os sabores de outono, ou melhor, o workshop promovido pelas Termas de Chaves – Spa do Imperador.

 

De facto, com a chegada do frio temos a nefasta tendência de preferir alimentos mais “aconchegantes”, mas também mais fortes e pesados “abandonando assim algumas das boas práticas adquiridas no verão”, como muito bem nos lembram os simpáticos organizadores do gracioso workshop.

 

Para evitar ganhar peso torna-se necessário “aprender a preparar refeições equilibradas, saciantes, com recurso aos produtos da época”. Ora, vai daí, preparei-me para ir aos tortulhos. Mas começou a chover tanto, mas tanto, mas mesmo tanto, que não me restou outra hipótese a não ser ficar em casa a ler os jornais da terra. 

 

E pus-me a pensar que cá no nosso torrão nascem candidatos do PSD à câmara como cogumelos. Mas, como todos sabemos, nisto dos cogumelos, os mais coloridos e vistosos são sempre venenosos.

 

Mas também não é sobre míscaros tóxicos que hoje vos pretendo falar. Mas de coisas bem mais prosaicas. Fernando Campos, presidente da Câmara de Boticas, e dirigente nacional do PSD, depois de ter feito, através de uma sondagem presumivelmente encomendada a uma empresa especializada do Porto, uma primeira investida tentando insinuar-se como suposto candidato à autarquia flaviense, e após ter ensaiado nas redes sociais apresentar-se como candidato efetivo do PSD ao mesmo concelho, já com cartaz e propostas prontas a servir e carregadinhas de demagogia e promessas tipo banha da cobra, resolveu intentar uma terceira investida fazendo-se ao lugar para ver se a ideia pegava, ou se alguém lhe pega. Ou ambas as coisas.

 

No seu jeito humilde e modesto de barrosão, revelou que tem sido muito pressionado a avançar com a sua candidatura à Câmara de Chaves. Só não disse “quão” muito, nem “quais” os distintos “pressionadores”. Desde logo para não nos impressionar com o seu valor endógeno e exógeno, antropológico, sociológico e ideológico. Sobre isso, apenas reafirmou à “Voz de Chaves” que tem recebido diversas mensagens de apoio encorajando-o a avançar com a candidatura ao município flaviense. E confessou, não os pecados, porque não os tem, mas sim sentir-se “honrado com o desafio”. Estamos em crer que este seu repto tem muito a ver com aquela atitude, agarrai-me se não vou-me ao Cabeleira que o destrono. Mas, enfim, na política o que parece é.

 

Não se esqueceu de dizer que Chaves é a sua cidade, é o local onde estudou, passou grande parte da sua vida e onde tem os seus melhores amigos. Ora, segundo o “Dicionário dos mais Ilustres Transmontanos”, Fernando Campos nasceu na freguesia de Salto, concelho de Montalegre, e passou a maior parte da sua vida em Boticas. Afirmar que Chaves é a sua cidade pode ser muito simpático para os flavienses, e sentimentalmente verdadeiro para o próprio, mas também é muito capaz de ser uma “boutade” dita para se enfiar no fato curto e apertado de uma candidatura autárquica a uma terra onde  a maior parte da população tem dificuldade em aceitar essas suas afirmações como autênticas. E admitir que é em Chaves que tem os seus melhores amigos pode ser uma confissão que muitos dos cidadãos do concelho a que atualmente preside recebam não sem alguma acrimónia. Viver em Boticas, presidir à Câmara de Boticas e ter os seus melhores amigos em Chaves é, muito provavelmente, manifestamente exagerado.

 

Na sua reconhecida modéstia, e humildade, acredita que a sua experiência autárquica “poderá ser uma mais-valia para dar continuidade ao bom trabalho que tem vindo a ser feito em Chaves”. Ora, deixem lá ver se entendi direito. Afinal Fernando Campos quer vir dar continuidade ao “trabalho que está a ser bem feito”, mandando borda fora um dos obreiros de mais uma “boutade” ficcional, sendo, ainda por cima, seu companheiro de partido. Essa hipótese não lembrava ao demónio, se ainda existisse. Mas lembrou ao senhor autarca. Lá pelo meio da declaração pôs-se com mais uns blablás da defesa dos interesses da região, de reforço de luta e etecetera e tal a que só faltou, para rematar, citar Sá Carneiro. Pois é, até os mais avisados por vezes se olvidam da cartilha.  

 

No final, talvez na sua tirada mais honesta e sentida, disse, e, pensamos nós, sem se rir, que a sua declaração de disponibilidade “não é mais do que isso”, pois quer “apenas fazer parte da solução e nunca parte do problema”. Avisando que só avançará com uma candidatura “se for legitimada pelos órgãos próprios e se reunir um consenso alargado”.

 

Do que fica dito pelo senhor autarca de Boticas, uma coisa continuamos a não entender. Afinal qual é o problema a que quer dar solução? Se o seu partido tem candidato, se até pertence à concelhia local, se, nas suas próprias palavras, está mesmo a realizar um bom trabalho, quem lhe foi meter na cabeça a ideia peregrina de que por aqui estávamos à espera de um salvador chamado Fernando Campos?

 

Agora fica visível para todos os flavienses, especialmente para a maioria dos militantes e simpatizantes do PSD, que Fernando Campos não é parte da solução, mas sim parte do problema, pois o que conseguiu foi incendiar as hostes e pôr a correr António Cabeleira caras a Lisboa para, nos órgãos nacionais, ver aprovada oficialmente a sua candidatura à autarquia flaviense.

 

Mas uma coisa também nós sabemos, Fernando Campos anda nestas coisas da política há muito, mas mesmo muito tempo, por isso não o vemos a protagonizar dois ensaios encapotados e, após esses balões de ensaio, fazer um terceiro intento declarando oficialmente a um jornal cá da terra a sua disponibilidade de concorrer à Câmara de Chaves e, daqui a alguns meses, ir para casa calçar as pantufas e beber vinho dos mortos. Algum trunfo guarda na manga.  Alguma intenção terá. E, todos o sabemos, não se fazem declarações tão explícitas sem um objetivo bem definido. Em política tudo o que parece é.

 

Não tirámos ainda a limpo se o senhor autarca de Boticas será solução para alguma coisa em Chaves. Mas o que sim sabemos, e categoricamente, é que passou a ser o maior problema para António Cabeleira. Daí os escrivas a mando do vice-presidente do PSD flaviense baterem no senhor com muita determinação e arreganho. E com razão, convenhamos, é que Fernando Campos pôs-se mesmo a jeito.

 

Outra coisa que podemos concluir é que o PSD, como não sente ainda, por parte da oposição, nenhum candidato forte e consistente, dá-se ao luxo de tentar ser ao mesmo tempo poder e oposição.

 

Também existe a possibilidade, talvez complementar, talvez autónoma, de que a presumível candidatura de Paula Barros pelo PS, esteja a ser encarada tão a sério pelo PSD local e nacional, que para aqui decidiu enviar os pesos pesados para lhe dar luta. A ser assim, tanta temeridade custa a acreditar. Mas em política, tudo o que parece é.

 

E por hoje é tudo. Para a semana há mais. João Neves aguarda também por umas palavrinhas depois da sua corajosa carta aberta publicada neste jornal. E olhem que bem as merece.

 

PS – Apelo: Ó senhor presidente, os flavienses já estranham a sua prolongada ausência das cerimónias camarárias e afins, e, por consequência, das fotografias nos jornais. Apareça. Caro presidente, por favor, apareça mesmo que seja muito de vez em quando, pois sentimos a falta do seu sereno e simpático sorriso. Vá lá senhor presidente, não nos abandone antes mesmo de desocupar definitivamente o cargo para que foi eleito. Por favor! O povo que em si votou reclama-o. Por isso faça-lhes, faça-nos, a vontade. Por favor. Por favor, senhor presidente. Olhe que nós sentimos a sua falta, apesar de não o parecer à primeira vista, pois somos homens e mulheres de sentimentos recatados. 


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

13

24
25

26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (457): Peq...

. Semana Santa - Barroso

. Na conversa

. 443 - Pérolas e Diamantes...

. Em Torgueda

. Ao portão com um sorriso

. Quaresma

. Poema Infinito (456): O v...

. Cozinha Barrosã

. Pastor

. 442 - Pérolas e Diamantes...

. No túnel

. No miradouro

. Na cozinha

. No forno

. No monte

. 441 - Pérolas e Diamantes...

. Na Abobeleira

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (455): O â...

. Na aldeia

. No Barroso

. 440 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (454): O f...

. No Barroso

. No Barroso

. 439 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

.arquivos

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar