Quarta-feira, 14 de Novembro de 2012

O Poema Infinito (120): orientação mortal


Fiquei parado na tua extraordinária insinuação gestual. Nela observei o símbolo de toda a inflexão do esforço e da desordem que preside a todo o pensamento coerente. Toda a ideia pré-existente já foi organizada pelo cânone ocidental das imagens que respiram e se dilatam e se movimentam. E as palavras confessam amor e trazem consigo a perigosa e enigmática pergunta dos amantes. Os campos são percorridos por olhares arbitrários e neles nasce o espírito do destino. As palavras são novas oportunidades para o desastre. E respiram desespero e dilatam-se enquanto se movimentam. Experimentamos de novo o “era uma vez” e a pequena possibilidade de encontrar a verdade em algum deus que exclame oblíquas partículas de tempo e espaço noutra dimensão. Os atores invadem o cinema e destroem todas as imagens. E os realizadores fabricam estios e sussurros e inclinações graves e planos ambíguos e instantes luminosos. E o “the end” vem tão depressa que não possibilita a surpresa da sacralidade das posições sexuais. Só conseguimos observar a pressa da luz e a vivacidade do “pb” e a turbulência íntima dos planos falhados. Por isso o tempo se acautela e desce por nós com a serena destreza do desejo. Os planos multiplicam razões e submissão permitindo que os atores principais se consumam no seu sorriso ingénuo de videntes sem sítio e sem ocasião. Sobre o teu rosto deito o meu rosto. Dentro do teu olhar combinam-se as trevas e o fogo. Por cima das minhas mãos abertas expande-se a energia positiva da luz. E a luz estende-se. Afinal, a ideia é sempre fixa. Imaginamos uma ventania que varre o espaço e que se define dentro da geometria dos sexos. Enchemos o tempo de vazio. E o tempo torna-se ainda mais rápido. E exalta-se. E cai. Umas coisas caem por causa de ver cair as outras. E os nossos olhos enchem-se de mapas abertos que não levam a lado nenhum nem explicam nada. Unicamente sentimos os nossos corpos moldar-se com o ritmo aceso dos relevos. E as linhas de água gravam fendas nos nossos sentimentos repentinos. Uma exaltação táctil expõe-nos à leitura do medo e à ortografia da angústia. Vejo o teu sorriso liso e sinto o frio a bater na orientação mortal da suavidade da noite. Uma sonolência explosiva toma conta de mim. O espaço transforma-se em energia e a energia em delicadeza inútil. As mãos contornam de novo o espaço dos nossos corpos que se agitam na veloz delicadeza dos orgasmos. Continuo a sentir a tua viva ausência mesmo quando estás na minha companhia. A devassidão torna-se um querer que não pretende sair do silêncio. Sempre assim foi. O prazer guardado na arca da mudez. Vou de novo ter medo de adormecer porque me sinto transformar em fotografia incendiada. A verdade queima, o silêncio queima, a leveza pesa e a leviandade examina tudo na sua pose de coração longínquo. As perguntas eternas brilham no entendimento dos olhares. Tu dizes: O amor é uma energia bruta. Eu digo: O amor é uma curva fulminante. Eu penso: Tu és a aplicação determinada de uma dança. Tu pensas: Tu és um pretexto espácio-temporal. Todo o amor aguarda a sua vez na sagrada suspensão do desejo. E o prazer envolve-se em si mesmo. E o universo organiza-se. E os corpos nus transferem-se de imagem para imagem. E bebem-se demonstrando a sua grandeza descontinuada. 


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

. 436 - Pérolas e Diamantes...

. Na Feira

. Na aldeia

. Olhares

. Poema Infinito (450): O d...

. Vaca atenciosa

. BB

. 435 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. ST

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

. Em Paris

. Em Paris

. 432 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. ST

. Perfil

. Poema Infinito (446): O p...

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar