Sexta-feira, 16 de Novembro de 2012

O Homem Sem Memória - 134

 

134 – Depois do triunfo da razão em Ribeira de Pena, o Partido a nível regional ganhou nova alma. Os comunistas em Trás-os-Montes podiam até ser poucos, mas eram bons, corajosos e íntegros. Embora em vilas como Ribeira de Pena se pudessem contar pelos dedos de uma mão, isso não queria significar que não constituíssem uma força política emergente, digna de crédito, disciplinada, respeitada e respeitadora das mais amplas liberdades. Isto apesar de os reacionários na nossa província serem como as moscas da, com vossa licença, merda, muitos e incómodos como o carvalho. Isto para não dizer outra coisa.


Vai daí, entre namoricos com a independente Isabel, entre infiltrações nos movimentos autónomos e alternativos, entre a militância clandestina no Partido, e o estudo nos dias ímpares da semana, o José foi distinguido com a subida honra de organizar, dirigir e orientar uma escola de pioneiros comunistas que iria funcionar na garagem de uma camarada professora primária, para não dar nas vistas e para dessa forma poder manter o seu estatuto de independente.


A escola de pioneiros era, aos olhos do Partido, a única tarefa revolucionária compatível com a sua militância clandestina. Claro que ainda pensaram em libertá-lo de todas as tarefas relacionadas diretamente com a ação partidária, mas em Névoa os camaradas com qualidades eram tão poucos que até os clandestinos tinham de ajudar nas tarefas planeadas pela direção regional. Ou era isso ou então tornava-se impossível cumprir com o programado. E os comunistas são políticos que cumprem sempre os seus planos, sejam eles mensais, trimestrais, semestrais, anuais ou quinquenais.


Quando o Graça lhe deu tão boa notícia, o José limitou-se a ficar desiludido, muito desiludido mesmo. Para garotos já lhe chegava aturar os irmãos que eram muitos e com feitios diversos e pouco abrangentes. O Graça, vendo-o remexer-se como se tivesse sido tocado por um ramo de urtigas, levou-o ao bar do Aníbal e tratou de lhe levantar o ânimo.


Ainda antes de sorver o primeiro golo da sua espumante imperial tirada pelo próprio “Goela Grande” – que além de ingerir canecas de cerveja como o fazem os camelos quando encontram um poço de água barrenta no meio do deserto, sacava finos com subida arte –, disse-lhe com voz de verdadeiro dirigente do partido da classe operária: “Educar comunistas desde a mais tenra idade é uma das tarefas mais delicadas e nobres que um marxista-leninista pode exercer. Por isso só te podes sentir honrado com tão subida distinção.” Ao que ele respondeu: “Não me fodas a paciência.” E o Graça: “Vá lá, não precisas de ser indelicado.” E o José: “Para mim estão guardados todos os papéis de parvo.”


Embezerrados como estavam, entretiveram-se a beber as imperiais, a debicar os tremoços, a cuspir os caroços das azeitonas e a sacudir das calças os pedaços das cascas torradas dos amendoins.


Vendo-os amuados como dois asnos acorrentados ao mesmo madeiro, o Aníbal pediu licença e sentou-se à mesa pousando lá uma segunda caneca a transbordar de espuma, enquanto escorropichava a primeira que trazia na outra mão. Ato contínuo arrotou, peidou-se com graça e de seguida fumou um cigarro. Logo após, bebeu a segunda caneca de cerveja de uma assentada, arrotou, deu novo peido e fumou outro cigarro.


Vendo que na mesa os copos estavam vazios e os dois camaradas e amigos continuavam a emburrar na sua calada teimosia, levantou-se e foi fazer aquilo que lhe competia. Tirou mais dois finos e outra caneca de cerveja com a devida arte revolucionária que já todos lhe reconhecemos e, enquanto assobiava A Internacional, serviu os amigos com toda a delicadeza de que foi capaz. Eles continuavam calados a ruminar os tremoços, as azeitonas e os amendoins. De seguida serviu-se e engorgitou a caneca de cerveja ainda com mais rapidez do que era normal.


Os camaradas desavindos continuavam desavindos. De novo arrotou, fumou o seu terceiro cigarro e peidou-se tão artisticamente como era habitual. À terceira vez, o Graça e o José acusaram-no em simultâneo: “Porco.” “São gases, camaradas. E os gases oprimidos necessitam de liberdade”, contrapôs o Aníbal com o seu arzinho engraçado. Então os camaradas e amigos riram-se como se tivessem ouvido uma piada do Grouxo Marx. “Vão uns camarõezinhos?” Eles limitaram-se a acenar com a cabeça, pois reconheceram a proposta do “Goela Grande” como exequível.

 

Já em ambiente de descontração, e depois de beberem uma dúzia de finos, seis canecas de cerveja, comerem um quilo de camarão e o Aníbal ter fumado mais três cigarros e dado três peidos muito a modinho, apenas para manter o estilo e a tradição, o anfitrião perguntou qual era afinal o problema. O Graça contou-lhe o que todos já nós sabemos e o José fez o mesmo.


Foi então quando o Aníbal veio em socorro do José para contento do Graça. E disse: “Afinal é uma forma de utilizares as capacidades que desenvolveste no seminário. No fundo, a escola de pioneiros comunistas é a modos como a catequese para os católicos. É uma forma de moldar o saber e a personalidade dos mais jovens dos nossos camaradas. É a maneira de os doutrinar, possibilitando-lhes uma formação sólida e de qualidade, fornecendo-lhes ferramentas que lhes abrirão as portas ao conhecimento do marxismo-leninismo de forma cuidada e permanente.”


“É isso mesmo, camarada Goe… Aníbal. É isso mesmo. Imagina José, o avanço que podes permitir a todos esses pequenos camaradas para que possam vir a ser verdadeiros revolucionários. E sem hesitações. E sem dúvidas. É de pequenino que se torce o pepino”, adiantou o Graça. Ao que o camarada José contrapôs: “Mas não vos ouvi dizer que a catequese e o batismo definiam cedo de mais a orientação religiosa de uma criança, pois, enquanto pequenos, não possuíam capacidade crítica, nem conseguiam compreender, quanto mais optar, em assuntos desta natureza? Deus para elas é uma abstração…” “Também para os adultos Deus é uma abstração”, contrapôs o Graça. Esta frase teve a concordância do Aníbal que aproveitou a deixa para ir buscar mais dois finos e outra caneca.


Ainda antes do “Goela Grande” arrotar e etc., o José teve oportunidade para insistir que uma escola de pioneiros comunistas era bem capaz de ser uma violência para a pequenada. E confessou: “Sim, Deus é uma abstração para as crianças e até para os adultos. Mas temos de reconhecer que o marxismo-leninismo não o é menos. Estou mesmo em crer que a teoria comunista é até bem mais abstrata para as crianças do que o catolicismo. Explorados e exploradores, lutas de classes, meios de produção, ditadura do proletariado, o próprio proletariado, a pequena, a média e a grande burguesia, o processo histórico, a dialética e outros conceitos, são coisas que não desenvolvem a imaginação. São conceitos tão rebuscados, são preconceitos tão arreigados que…”


“Alto e para o baile. Lá estás tu com os teus desvios ideológicos. Ai José, José, nunca mais te emendas. Num país socialista estavas na prisão a aprender a não ter dúvidas. Mas ainda bem que vivemos numa democracia burguesa e és meu amigo, senão…”


“Com a verdade me enganas, meu Judas traiçoeiro. Preferia dar catequese às crianças, pois elas até podem achar o conceito de Deus abstrato, mas consideram a ressurreição e os milagres histórias de encantar. Agora falar-lhes de pobreza, de lutas de classes, de sacrifícios, de violência e de morte aos reacionários, parece-me excessivo. Deixem as crianças ser crianças.”


“Mas essas crianças são filhas de comunistas. E os seus pais querem educá-los sob os princípios do materialismo dialético, do marxismo-leninismo, do comunismo.”


“Razão tem o Aníbal, a escola de pioneiros é a catequese dos comunistas. Quando é que lhes pode ser ministrada a primeira comunhão? Será que o camarada Alberto Punhal vem cá para os crismar?”, provocou o José.


“Crismar não sei, mas com toda a certeza que lhes distribuirá um lenço com a foice e o martelo para eles colocarem ao pescoço.”


“Pagam?”, perguntou o José. “É que preciso de dinheiro para comprar as obras completas de Brejnev.” “Não me provoques. Ouviste?” “Ao menos perdoem-me as cotas. Ou paguem-me a assinatura d’A Verdade ou da Vida Soviética.” “O único que prometemos é arranjar material e deixarmos-te levar para casa o volume encadernado de O Militante.” “Ah, vão comprar baldes de praia e cromos de futebol para os ensinarmos a colar cartazes?” “Não, vamos comprar metralhadoras e granadas de plástico para os treinares na nobre arte da guerrilha revolucionária.” “Também tenho de lhes ensinar a cantar os hinos do partido?” “Sim, tens. E também a gritar PC, e a pôr o punho no ar com toda a força e toda a convicção do camarada Punhal.” “Só aceito se me for permitido fazer parte da lista da Isabel e não tiver de relatar nada do que de mais íntimo possa acontecer entre nós.”“Sendo assim, podes amanhã mesmo iniciar as aulas na nossa escola de pioneiros. E que Deus Marx e Cristo Lenine estejam contigo.” E o Aníbal, vendo que as negociações tinham chegado a bom termo, finalizou dizendo: “Ide em paz e que o comunismo vos acompanhe.” “Falta-nos pagar a conta.” “A conta já está paga. Faço questão.”


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

. 436 - Pérolas e Diamantes...

. Na Feira

. Na aldeia

. Olhares

. Poema Infinito (450): O d...

. Vaca atenciosa

. BB

. 435 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. ST

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

. Em Paris

. Em Paris

. 432 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. ST

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar