Segunda-feira, 19 de Novembro de 2012

Pérolas e diamantes (12): o sorriso do ex-putativo… candidato


Slothrop, ou melhor, o tenente Tyrone Slothrop (cujo nome é um anagrama de «sloth or entropia», que é igual a “preguiça ou entropia”), um dos personagens do livro Arco-Íris da Gravidade, do enigmático escritor norte-americano Thomas Pynchon, querendo fazer ver que a paranoia tem a utilidade teológica de tornar a Criação inteligível, reflete a determinado momento: “Se há algo de consolador – de religioso, se quisermos – na paranoia, também há a antiparanoia, onde nada se liga a nada, uma condição que poucos de nós conseguem suportar… por muito tempo.”

 

Confusos? Pois vão deixar de o estar daqui a alguns momentos. Por enquanto tenham paciência e deixem-me, das duas uma, ou arriscar tentar ser famoso, ou fazer famoso alguém, pois essa é a forma que nós temos de reconhecer na rua as pessoas célebres. E há na política muita gente ansiosa por não se conseguir imaginar ver fora do poder sem entrar em depressão. No entanto, começam já a sentir falta de alguma coisa, pois sabem que apenas reparamos no poder quando ele nos falta. Ou melhor, nós humanos sentimos mais a sua falta quando nos abandona. Ou está prestes a abandonar-nos. De certa maneira comportamo-nos como felinos que sonham em voar com a simples ação de… comer aves.

 

Os dirigentes que atualmente nos governam querem fazê-lo sacrificando a população portuguesa, mas é caso para perguntar, que pai faria isso aos seus filhos? Um verdadeiro líder sacrifica-se, não sacrifica o seu povo. Os líderes que atualmente por aí andam apenas se comportam como malfeitores vestidos de… fato e gravata.

 

Os romanos consideravam que a fama era um monstro repleto de olhos e de bocas com asas. Também estes governantes e autarcas que nos calharam em sorte andam sempre acompanhados pelos boatos que eles próprios criam, difundem e ampliam. E apelam sempre à credulidade. Isto para espanto e incredulidade dos eleitores. Os romanos tinham razão, estes senhores dizem a verdade com umas bocas ao mesmo tempo que mentem com… as outras.

 

É ver o caso do Tribunal de Chaves, onde o PSD flaviense faz oposição ao PSD nacional, porque lhe vê fugir o chão eleitoral debaixo dos pés. E o mesmo se aplica ao Hospital de Chaves. Mas por muito que estrebuchem, o garrote ideológico do seu líder máximo vai definitivamente levá-los ao desespero e à abdicação. Bem podem balbuciar desculpas em comunicados inócuos, que a realidade neo-liberal lhes fará o que é inevitável, desmascará-los como demagogos e… picuinhas.

 

São homens e mulheres de um pensamento só: conservar o poder a todo o custo. Mesmo que este seja conquistado à base da mentira, da abdicação e… do improviso.

 

A experiência diz-nos que se um desconhecido disser uma verdade, logo lhe dirão que é uma idiotice. Mas se alguém famoso disser uma palermice, ela passará ser encarada como… a verdade.

 

Os atuais dirigentes do PSD dizem cobras e lagartos do PS e das suas antigas políticas suicidas de despesismo e de reformas milionárias adquiridas numa dúzia de anos. E até têm razão. Mas é essa mesma razão a que destrói o argumento pela… base.

 

Todos sabemos que, segundo o semanário Sol, a atual segunda figura de Estado, a senhora presidente do Parlamento, recebe uma pensão de 7255 euros por dez anos de trabalho como… juíza do Tribunal Constitucional.

 

Por não poder acumular esse valor com o ordenado de Presidente do Parlamento (também uma lei de José Sócrates), Assunção Esteves abdicou de receber pelo exercício do seu atual cargo, cujo salário é de 5219 euros. No entanto mantém o direito a ajudas de custo no valor de 2133 euros. Ora, no total, a senhora aufere mensalmente 9388 euros. Uma pensão de miséria, conquistada numa vida inteira de… trabalho e canseiras.

 

Repito: É a segunda figura do Estado, estamos em crise e, além disso, é militante de topo do… PSD.

 

Volto a repetir: É militante do PSD e a segunda figura de Estado, de um Estado em crise profunda onde a classe média está a ser vergonhosamente espezinhada por… impostos estratosféricos.

 

Mas voltemos aos laranjinhas cá do burgo. Parece que há no PSD gente que não consegue senão pensar em ocupar a cadeira de presidente da autarquia flaviense. Apesar de já entradotes na idade, assemelham-se aos jovens, pois não conseguem ver as coisas para além… das coisas.

 

A circunstância de Fernando Campos querer vir invadir o terreno político autárquico que por princípio pertence a António Cabeleira, permanece um mistério cuja resolução só poderá ser o próprio mistério. Mas todos sabemos que o autarca barrosão não dá ponto… sem nó.

 

Uma coisa já conseguiu, fazer com que António Cabeleira metesse pés a caminho até Vila Real para fazer aprovar a sua candidatura à Câmara de Chaves e logo de seguida rumasse caras a Lisboa para que a Comissão Nacional do PSD a ratificasse em… tempo recorde.

 

Isto depois de ter convocado um plenário concelhio do PSD flaviense, onde apenas compareceram os apaniguados do ex-putativo candidato. Os opositores de António Cabeleira, sabendo como são estas coisas, sabendo como se arregimentam apoios, e para não parecer mal, resolveram ir fazer a oposição ao vice-camarário em reuniões informais, em contactos pessoais e em… grupos de amigos.

 

Que me lembre, e eu tenho alguma memória, apenas uma vez se soube de tanta animosidade e tanta conspiração dentro do PSD, foi no tempo do último mandato de Branco Teixeira. E o homem acabou por… perder.

 

Pensando que afastou definitivamente a potencial, e incómoda, candidatura de Fernando Campos à Câmara de Chaves, António Cabeleira apareceu pela primeira vez a esboçar um sorriso nas capas dos jornais. Claro que ainda tímido e envergonhado, pois só dele, do sorriso, claro está, nos apercebemos pelo estender dos lábios e pelo brilhozinho nos olhos, já que os dentes ainda ninguém lhos conseguiu ver. Mas mesmo assim… um sorriso.

 

Finalmente sorri. E nós também. E com ele. E por ele. E dele. A amizade isso nos impõe e a isso nos obriga. Mais a mais, um sorriso do “oficialmente candidato pelo PSD à Camara Municipal de Chaves”, como veio escarrapachado nos jornais da terra, enche-nos de… felicidade.

 

Nós somos assim, solidários. E a felicidade dos nossos conterrâneos é como seja a nossa própria felicidade, pois sentimos que o seu sorriso vale mais do que mil palavras. E nós tocados por um sorriso daqueles, pela sua espontaneidade, pelo seu arreganho, pelo seu engenho, pela sua eloquente arte, como diz um spot publicitário da TSF, vamos ao fim da rua, vamos ao… fim do mundo.

 

Mas no nosso último escrito, prometemos que iríamos dedicar algumas palavras à candidatura independente do militante do histórico do PSD flaviense, e atual presidente da Junta de Santa Maria Maior… João Neves.

 

Na verdade, vou pegar na carta de João Neves ao “Notícias de Chaves” porque me parece honesta, genuína, desassombrada, até talvez ingénua, mas… verdadeira.

 

Logo de início pergunta, como quem responde a insinuações malévolas, se o artigo “A Política Será Assim?, visando a sua pessoa, foi escrito porque João Neves incomoda… alguém?

 

Sobre a organização de um almoço de apoio ao “senhor Cabeleira”, confirma que sim o fez “mas a mando deste” (e nós, ingénuos, a pensar que tinha sido espontâneo!) “pois andava assustado com a ameaça de um outro candidato… à Câmara”.

 

Caro amigo João Neves, aqui permita-nos discordar, mas o ex-putativo candidato António não se assusta com ameaças dessas. Ele é daqueles que dá o corpo às balas. Além disso, é um militante partidário que não conspira, só inspira e expira, como todos… nós.

 

Mais adiante refere que “desde então o putativo candidato” (permitam-nos que retifiquemos, o ex-putativo candidato) “tomou a peito alguns dossiês que, não só redundaram em fracasso, como, através deles, hostilizou por completo a maioria dos… Presidentes de Junta.”

 

De seguida coloca uma questão: Será que os presentes nesse almoço ainda estão com o ex-putativo candidato? A seguir lança um desafio. E que desafio: “Que faça outro almoço para saber a… verdade!”

 

Sobre a agregação das freguesias, pergunta se será “algum crime defender a restauração da antiga freguesia de Chaves? Não sou carneiro, logo não tenho que seguir o pensamento… do «chefe»”.

 

A terminar, João Neves pergunta, e nós com ele: “Vozes de burro algum dia chegarão ao céu?” Cá ficamos à espera… da resposta.

 

Numa nota final, João Neves acusa o autor do artigo “A Política Será Assim?” de ser um encapotado que mais não pretende do que assustá-lo e demovê-lo das suas intenções. Por isso lhe manda um recado: “Nada nem ninguém me arredará do meu percurso. Aos que andam atrapalhados e com medo, dou uma sugestão: comprem… um cão.”

 

Pois é caro ex-putativo candidato António, quem semeia ventos colhe… tempestades.

 

PS – Novo apelo: Caro senhor presidente João Batista, os flavienses já desesperam com a sua prolongada ausência das cerimónias camarárias e outras análogas, e por consequência dos seus sempre bem-dispostos retratos nos jornais. Apareça, caro senhor presidente. Por favor, apareça mesmo que seja por um momento ou dois, pois sentimos a falta da sua serena e simpática postura. A presença useira e vezeira do seu vice já nos começa a inquietar um pouco. Vá lá senhor presidente, não nos abandone antes mesmo de abandonar definitivamente o cargo para que foi eleito. Por favor! O povo que em si votou reclama-o. Por isso faça-lhes, faça-nos, a vontade. Por favor, por favor senhor presidente. Olhe que nós sentimos a sua falta. Não permita que façam de si um fantasma. Vá lá, senhor presidente. Não nos obrigue a fazer uma petição pública ou um abaixo-assinado. Vá lá, faça-nos a vontade, nem que seja só por uma única vez. Vá… lá.  


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Humberto Ferreira a 19 de Novembro de 2012 às 09:10
Bom dia João,
Mais um bom texto a ilustrar a guerra pelo poleiro, que por si só não interessaria a nenhum deles, não viesse aquele - o poleiro - acompanhado de tachos.

Quanto ao justo apelo que tens vindo a fazer ao actual presidente do poleiro, que eu trato por outra designação devido à sua honestidade, levantam-se algumas questões associadas ao seu silêncio e invisibilidade.

1 - Como "pessoa" honesta e honrada, será que foi invadido por algum sentimento de vergonha, pelas coisas que fez (ou não fez) e, que o impede de sair à rua?

2 - Como "pessoa" honesta e honrada, será que a sua falta de comparência o levou a abdicar do seu salário e das suas "famosas" senhas de presença?

3 - Como "pessoa" honesta e honrada, será este abandono não é propositado, para não aparecer ao lado do génio do "António" (a quem trato também de outra forma) e o "favorecer" ainda mais na sua candidatura?

4 - Como "pessoa" honesta e honrada, será que por trás desse silêncio e invisibilidade, não estará a urdir alguma candidatura à sua terra, na qual deve ter a maioria dos seus amigos?

Neste último caso, que se cuide o Fernando Rodrigues, pois se aplicar o mesmo empenho naquele concelho, como tem vindo a aplicar no de Chaves, é bem possível que o Hospital e o Tribunal, acompanhados do castelo, muralhas, ponte romana e até as caldas, sejam transferidas para lá.

Um abraço,
Berto


De cidadão honrado a 21 de Novembro de 2012 às 14:39
caro comentarista. uso este espaço para lhe dizer que a tal "pessoa" honesta e honrada, já está a ter espaço de publicidade a mais. sabe uma coisa? está farto dos flavienses, só nãoestá farto das mordomias como o senhor benm diz, pois que se saiba, não há notícia que tenha abdicado do vencimento mensal e ajudas de custo. Sobre a vila. acha que tem lá amigos? nem a família o considera! Quanto ao outro, esse sim que vai levar um lindo enterro. Deixe-os poisar


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

. 436 - Pérolas e Diamantes...

. Na Feira

. Na aldeia

. Olhares

. Poema Infinito (450): O d...

. Vaca atenciosa

. BB

. 435 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. ST

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

. Em Paris

. Em Paris

. 432 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. ST

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar