Quarta-feira, 21 de Novembro de 2012

O Poema Infinito (121): a grande solidão dos sonhos


Hoje é o sexto dia da criação, a sexta morada do silêncio inicial. Por isso cito os nomes dos bichos e das flores e escrevo num caderno a sua implícita significação. E anoto os sentimentos que me sugerem: melancolia, tristeza, alegria, ternura. E recopio tudo para a tua pele. Tu manténs a imobilidade absoluta da beleza. Os teus olhos abrem sulcos nos meus. E o teu rosto dispersa-se pelo jardim e o vento recolhe a dor da morte que se concentra na penumbra do entardecer. Releio tudo e observo o frémito intenso da luz que se esvai. Com a ponta dos dedos toco no teu corpo e sinto-o a falar com o meu em surdina. Por isso escrevo no teu o meu desejo com tinta permanente. E de vez em quando sublinho as palavras que se confundem com o latejar dos nossos corações. E a memória enrola-se em imagens impercetíveis. Anoitece. E com a noite vem a solidão, a obscura solidão da sonolência. E as paredes balbuciam poemas do tempo maduro. Lembramo-nos dos verões prolongados da nossa afeição, com os sexos aflitos, com as bocas triturando beijos, com a lua seduzindo rios, com o cio a subir por dentro de nós como a cobra bíblica do mal. E nós como anjos aflitos transmitíamos um ao outro todo o amor que é possível arrecadar nas estações quentes. Agora falamos do tempo com os olhos presos nos filhos e do futuro com os pensamentos fixos no desespero. E murmuramos desejos incompletos e olhamos em silêncio o tempo dos sorrisos. E tocamo-nos brincando com as mãos como o fazíamos quando éramos crianças descalças que chapinhavam na beira do rio. Presentemente já nos demoramos nos sorrisos que não nos apetecem e olhámos para a foz do rio em vez de o fazermos na direção da nascente. Somos como páginas ainda legíveis que se vão tornando ilegíveis. O sonho agarra-se à esperança do regresso. Mas os nossos rostos são atualmente mapas tristes. Agora fazemos promessas e sorrimos só deus sabe porquê. É como se tivéssemos os lábios viciados pela amargura. Todas as flores nos parecem amores imperfeitos. E a alegria tem o luminoso sabor a sal. Descobrimo-nos no silêncio cúmplice das palavras. Somos como a água magoada que reflete o cansado choro das magnólias. O tempo encobre-se para lá das portas da casa que atualmente permanecem quase sempre fechadas. E pelas janelas por onde entrava o verde da primavera presentemente só avistamos nuvens espessas que ensombram os dias e enegrecem a terra. No entanto, do nosso posto de vigia continuamos a olhar a rota das aves no céu. E as aves percebem-nos e tornam-se vibráteis. Sim, ainda é cedo para começarmos a matar palavras. Devemos tentar mais uma vez ortografar paisagens e descrevê-las minuciosamente como se fossem corpos vivos e transparentes. Por vezes, quando a solidão se torna maior, desenhamos escadas à medida da ausência e esperamos. Uma coisa se impõe como necessária: a grande solidão dos sonhos.


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Louvre

. 447 - Pérolas e Diamantes...

. Couto Dornelas

. Couto Dornelas

. Couto Dornelas

. Poema Infinito (460): A t...

. Couto Dornelas

. S. Caetano

. 446 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. Poema Infinito (459): O v...

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. 445 - Pérolas e Diamantes...

. Em Chaves

. Na aldeia

. Vilarinho Seco

. Poema Infinito (458): Vib...

. Na aldeia

. No horta

. 444 - Pérolas e Diamantes...

. Até já...

. Cantorias - Abobeleira

. No Douro

. Poema Infinito (457): Peq...

. Semana Santa - Barroso

. Na conversa

. 443 - Pérolas e Diamantes...

. Em Torgueda

. Ao portão com um sorriso

. Quaresma

. Poema Infinito (456): O v...

. Cozinha Barrosã

. Pastor

. 442 - Pérolas e Diamantes...

. No túnel

. No miradouro

. Na cozinha

. No forno

. No monte

. 441 - Pérolas e Diamantes...

. Na Abobeleira

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (455): O â...

. Na aldeia

. No Barroso

. 440 - Pérolas e Diamantes...

.arquivos

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar