Sexta-feira, 31 de Maio de 2013

O Homem Sem Memória - 162


162 – Um pouco contra o que pensava serem as suas inclinações e preferências, e sempre que a ocasião se proporcionava, o José começou a participar e a achar alguma piada aos sínodos comunistas, também conhecidos como congressos; às missas coletivas marxistas-leninistas, também identificadas como comícios; às novenas revolucionárias, também denominadas de sessões de esclarecimento; e ao terço comunitário, também designado como reuniões de célula.


Não é que a ideologia lhe interessasse muito, nem a ele nem a ninguém seu conhecido, valha a verdade. Tudo no Partido era feito como uma obrigação que se executava para não colocar em causa o trabalho organizativo. Tudo era imposto, ou autoimposto. Depois de se colocar o motor da revolução a trabalhar, não existiam mais questões a discutir. Tudo fazia parte de um todo que não se dividia em partes. Tudo ia do zero ao infinito, como escreveu Arthur Koestler, ou até mais além, como muito bem lembrou Buzz Lightyear no seu voo iniciático. Quando se passava a integrar um coletivo comunista já não havia volta atrás. As partes diluíam-se no todo e nada podia restar do anquilosante individualismo que cada um transportava às costas como uma cruz reacionária.


Ao terço ia repetir, e ouvir repetir, a ladainha que lia no órgão oficial do Partido. Sentados em volta de uma mesa, todos diziam o mesmo, e repetiam-no até à exaustão, para deixarem bem claro que tinham lido o editorial da voz da classe operária e até tinham decorado as frases tintim por tintim. Os militantes de base pronunciavam as ave-marias e o camarada dirigente da célula atacava com o pai-nosso. No final, sorriam uns para os outros e lembravam aos mais distraídos que tinham de pagar as quotas, vender A Verdade e recrutar novos camaradas.


As novenas realizavam-se em períodos que podiam variar entre um e três meses. Faziam-se preferencialmente em salas pequenas para onde se convidavam militantes e familiares de militantes, simpatizantes e familiares de simpatizantes, amigos dos militantes e familiares dos amigos dos militantes e um que outro simpatizante de um partido mais à esquerda ou mesmo de outro um pouquinho mais à direita. Isto para que a ladainha não azedasse. Nestas sessões replicavam-se as reuniões de células e as reuniões das organizações concelhias. O camarada esclarecedor, quase sempre um funcionário concelhio, distrital ou regional, atacava com o pai-nosso da Verdade e os camaradas a esclarecer tentavam alinhavar as ave-marias do Combatente. Quando algum dos presentes se atrevia, por esquecimento ou distração, a rezar outra oração qualquer, era de imediato chamado à razão e aconselhado a ler A Verdade para ficar a saber da infalibilidade do catecismo. Se teimava, chamavam o exorcista, isolavam-no, e atuavam em conformidade. No final, sempre alguém se mostrava interessado em preencher a ficha de militante. O processo podia ser lento, mas era seguro. Uma vez comunista, comunista para sempre. E quem afirmar o contrário, mente.


O José, por indicação dos camaradas organizadores, fazia sempre o papel de inquiridor, colocando as perguntas mais pertinentes, agitando as massas e animando as sessões. Nada era deixado ao acaso, pois na revolução nada pode ser dado ao improviso. Tudo encaixa no determinismo histórico e na dialética revolucionária. Pois o sol tem de brilhar para todos nós, ou então não brilhará para ninguém. Alberto Punhal nisso era inflexível: revolucionários, ou vitoriosos ou mortos.


As missas, ou comícios, eram as reuniões de comunistas, ou simpatizantes, de que o José mais gostava. Nos comícios apenas rezavam, perdão, discursavam os padres, perdão, os dirigentes mais destacados, os que possuíam mais dom de palavra e os que conseguiam expressar sempre a mesma coisa dando a impressão de que afirmavam sempre algo de distinto.


Nas missas, perdão, nos comícios não se explicava fosse o que fosse, repetia-se o ritual de sempre e, lá pelo meio, o camarada mais graduado soltava o seu sermão com a plena convicção de que iria pôr a gritar a populaça. O tema principal era invariavelmente o demónio, perdão, a reação, que era sistematicamente acusada de praticar o mal e de tentar contrariar os ventos da História. Clamavam então bem alto as palavras de ordem eternas, gritavam o sagrado nome do Partido a plenos pulmões e davam punhadas no ar. E agitavam bandeiras. E gritavam abaixo a reação. E davam mais murros no ar, enquanto vociferavam novamente as iniciais do sagrado nome do Partido a plenos pulmões. E agitavam as bandeiras vermelhas. E cantavam. E tornavam a gritar as iniciais do sagrado nome do Partido. Depois calavam-se um bocadinho, enquanto mais um camarada rezava mais umas ave-marias e uns pai-nossos. E de seguida voltavam a dar socos no ar enquanto apregoavam as iniciais do sagrado nome do Partido a plenos pulmões e agitavam as bandeiras vermelhas, como nos filmes. No final, berravam alto as palavras de ordem de sempre, gritavam o sagrado nome do Partido a plenos pulmões, davam punhadas no ar e no fim entoavam a Hossana, perdão, A Internacional. E iam para casa alegres e sorridentes como se a revolução estivesse ali mesmo ao virar da esquina. Só que não estava. Mas isso não os impedia de sonhar com ela. Além disso, a revolução sonhada é sempre mais linda do que a realizada.


Apesar de admirar estes gestos repetitivos como se fizessem parte de um filme de Godard, o José era manifestamente incapaz de gritar fosse o que fosse, de cantar A Internacional (ele que se tinha sempre recusado a entoar o Hino Nacional por ser belicista e reacionário) e de dar murros no ar, como se fosse um chimpanzé animado e movido a pilhas.


Não sabemos ainda bem a causa, mas, por incrível que pareça, o José, após a leitura crítica de alguns livros, um pouco reacionários, convenhamos, começou a sentir uma certa repulsa pelos conclaves comunistas.


Os congressos do Partido pareciam-lhe pouco democráticos. Apesar de serem muito participados. E sentia uma certa repulsa pelo unanimismo que se verificava em cada escrutínio. Punha-se uma moção à votação do conclave e era logo aprovada de braço no ar, por unanimidade. Colocava-se uma outra moção ao sufrágio da assembleia e era logo aprovada de braço no ar, por unanimidade. Uma organização distrital punha um documento à votação e era imediatamente aprovado de braço no ar, por unanimidade. No congresso não existia a mínima polémica, a mínima divergência, a mais mínima dúvida fosse sobre o que fosse. Todas as intervenções eram aplaudidas de pé com os congressistas aos gritos e aos murros no ar, numa sintonia impressionante. Mal aparecia nova moção, logo os camaradas puxavam dos seus cartões de delegados e exibiam-nos no ar, como baionetas, aprovando-a por unanimidade e aclamação. Nova moção, nova votação unânime. Mais punhos no ar dando socos na atmosfera e mais gritos invocando o sagrado nome do Partido a plenos pulmões. Depois de tudo aprovado por unanimidade e aclamação, era chegado o momento da intervenção do camarada convidado em representação Partido Comunista da União Soviética.


Mal se ouvia o seu nome, repleto de “ires” “iches” e “oves”, o concílio entrava em delírio. Gritava-se o sagrado nome do Partido Irmão a plenos pulmões, davam-se punhadas ainda mais vigorosas na atmosfera e durante cinco minutos todos os militantes do PC entravam em transe coletivo. Muitos deles até conseguiam ver a figura de Lenine, qual Divino Espírito Santo, descendo sobre as cabeças dos membros do Comité Central para lhes apontar o caminho da revolução proletária mundial. Depois, o camarada soviético falava em russo – sendo por isso mesmo interrompido muitas vezes com palmas, cânticos e palavras de ordem –, e comunicava aquilo que lhe apetecia, numa total concordância com o que acabava de ser dito, não importando para nada o continente, o país ou a língua. Afinal a revolução era mundial, pois se não fosse mundial não era revolução. Mal o camarada soviético acabava o discurso, a sala vinha abaixo. Berrava-se, cantava-se, gritava-se, batiam-se palmas e até se chorava como se de novo Nossa Senhora de Fátima tivesse aparecido em cima de um chaparro, desta vez a três pioneiros alentejanos.


Logo depois, ainda com a sala em transe, era a vez do camarada Secretário- geral, Alberto Punhal, se dirigir ao sínodo. Ele, de novo eleito por unanimidade, aclamação e estupefação, informava os camaradas congressistas que o Comité Central tinha sido igualmente eleito por aclamação, unanimidade e estupefação, e que a revolução sim senhor e que o país tal e coisa e que o Partido coisa e tal. E avante camarada avante. E que a vitória podia ser difícil, mas era deles. E a sala só não desabava porque estava bem provida de betão armado. Nos últimos quinze minutos apenas se ouviam palmas, gritos, ululações e choros. E viam-se grossas lágrimas escorrendo pela face daqueles intrépidos guerreiros comunistas que choravam como crianças.


Todos saíam dali como se a revolução estivesse à sua espera mesmo ali ao virar da esquina. Só que não estava. Mas não importava. Talvez estivesse logo ao virar da outra. Na revolução, como na vida, a esperança é a última a morrer. E esquinas há imensas. Por muito que isso custe ao reacionários. 


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (435): Tod...

. Ao frio

. No Louvre

. 421 - Pérolas e Diamantes...

. Tâmega - Chaves

. No Porto

. No Porto

. Poema Infinito (434): A v...

. Em Bragança

. Em Chaves

. 420 - Pérolas e Diamantes...

. Vilarinho Seco - Barroso

. São Sebastião - Couto Dor...

. S. Sebastião - Alturas do...

. Poema Infinito (433): A e...

. S. Sebastião - Couto de D...

. S. Sebastião - Couto de D...

. 419 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (432): Mat...

. Em Chaves

. Na cozinha de S. Sebastiã...

. 418 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. Chaves - Jardim Público

. Chaves

. Poema Infinito (431): A p...

. No Barroso

. No Barroso

. 417 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. Na aldeia

. Na aldeia

. Poema Infinito (430): Das...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 416 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (429): O d...

. Na aldeia

. Na aldeia

. 415 - Pérolas e Diamantes...

. Em Chaves

. Em Chaves

. No Barroso

. Poema Infinito (428): Peq...

.arquivos

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar