Quarta-feira, 12 de Junho de 2013

O Poema Infinito (150): essas mulheres oxidadas


Há mulheres que se sentam em bancos de jardim como se fossem meninas que se sentam em bancos de escola. Apesar dos sorrisos, têm a mesma cara de desalento. Essas mulheres cruzam as pernas como se fossem princesas desesperadas e por isso deixam descair as mãos sobre as suas ancas redondas ou sobre os seus joelhos devotos ou sobre o lugar do seu sexo envergonhado e deprimido. E abandonam-se como se deixassem cair os seus véus de noivas envelhecidas. Apetece-lhes chorar, mas já não são capazes. Contentam-se em fazer renda, em rezar o terço e em abrir os seus olhos como se fossem janelas oxidadas. Apetece-lhes chorar, mas já não possuem essa coragem. Nas suas casas sombrias, essas mulheres penteiam-se como se fizessem tricô e comem pão seco baixando os olhos como quando os seus maridos lhes ralham enquanto elas lhes cosem um botão no bolso da camisa que fica por cima do coração. Os seus pensamentos abrem por vezes as asas de pássaros engaiolados e voam da cadeira à janela, da janela à cama e da cama à porta. Por vezes apetece-lhes fugir, mas já nem sequer conseguem sonhá-lo. Por vezes olham para as suas unhas e veem-nas a arranhar a pele dos homens que as lastimam. E bebem chá. E tornam a pegar nas agulhas do tricô para fazerem uns peúcos para os seus netos, como os que fizeram para os seus filhos. E bebem mais um pouco de chá. Apetece-lhes chorar, mas já não conseguem. Depois pensam em lavar as mãos. E lavam-nas. E depois pensam em perfumar os sovacos. E perfumam-nos. E depois pensam em lavar o sexo. E lavam-no. E acariciam-no como se fosse um órgão externo ou um pequeno pássaro ferido. E apetece-lhes de novo chorar, mas já não têm essa coragem. E ficam com os lábios secos por falta de beijos. E passam os lençóis onde se deitam como se já estivessem mortas ao pé de homens que são pedras tumulares durante a noite e chimpanzés de zoo durante todo o santo dia. Ensinaram essas mulheres a distinguir o bem do mal, a engomar aventais floridos, a comungar a hóstia consagrada, a aquecer o ferro de engomar para vincar uma calças e a serem cegas no amor. Por isso, essas mulheres rebentam por dentro, implodindo em frente do fogão, mexendo nas panelas, queimando as mãos na água gelada dos tanques enquanto lavam a roupa, espalhando o seu sangue menstrual pelos caminhos imitando Cristo na sua via crucis. E matam as pombas que criaram como se fossem memórias da juventude. E rangem os dentes quando vestem a camisa de dormir e os seus maridos ressonam como animais pré-históricos. E exprimem a sua dor com a surdez dos seus gritos. E de novo lhes apetece chorar, mas já não têm essa coragem, nem essa força interior. Agora, os seus olhos são punhais. Sabem que as suas pernas se tornaram ásperas, que os pés lhes doem, que os seios lhes descaem, que o sexo é uma gruta de silêncio e abandono. Sentem-se noivas envergonhadas que não chegaram a despontar, mulheres que foram sempre fustigadas pelo vento do desejo e pelo esforço do abandono. Têm saudades de quando vomitavam por causa da gravidez. Até esse fel lhes é agora um sabor agradável. Já nem se importam de ter os cabelos sujos e sem brilho. Já lá vão os tempos das cerejeiras e das macieiras em flor. E dos partos de sangue, de raiva e de amor. Agora adormecem-lhes as pernas antes da cabeça e a barriga avança centímetro a centímetro até lhes encobrir toda a cintura. Agora aquecem-se na sua própria febre e no seu desalento. E enrolam-se na sua primitiva forma de serpentes do pecado. Agora beijam-se a si próprias enrolando a língua nos dentes, nos lábios e no céu-da-boca. A sua dor transforma-se em luz e sobe-lhes da vagina até ao cérebro. Apetece-lhes chorar, mas já não possuem essa coragem amorosa. O amor transformou a Julieta no seu frasco de veneno. 


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Guerreira a 12 de Junho de 2013 às 13:15
Estranhamente cruel e verdadeiramente triste. Porém quero que saiba que, tem velhas que são felizes, e sabem viver, de que adianta chorar pelo que não se tem ou se perdeu? A lei da gravidade pesa para todos, homem ou mulher. Gosto da sua escrita, pois cai como um chicote duro e firme, nas costas de quem a compreende. Obrigada.:-)


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (461): Ent...

. No Louvre

. No Louvre

. 447 - Pérolas e Diamantes...

. Couto Dornelas

. Couto Dornelas

. Couto Dornelas

. Poema Infinito (460): A t...

. Couto Dornelas

. S. Caetano

. 446 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. Poema Infinito (459): O v...

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. 445 - Pérolas e Diamantes...

. Em Chaves

. Na aldeia

. Vilarinho Seco

. Poema Infinito (458): Vib...

. Na aldeia

. No horta

. 444 - Pérolas e Diamantes...

. Até já...

. Cantorias - Abobeleira

. No Douro

. Poema Infinito (457): Peq...

. Semana Santa - Barroso

. Na conversa

. 443 - Pérolas e Diamantes...

. Em Torgueda

. Ao portão com um sorriso

. Quaresma

. Poema Infinito (456): O v...

. Cozinha Barrosã

. Pastor

. 442 - Pérolas e Diamantes...

. No túnel

. No miradouro

. Na cozinha

. No forno

. No monte

. 441 - Pérolas e Diamantes...

. Na Abobeleira

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (455): O â...

. Na aldeia

.arquivos

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar