Sexta-feira, 23 de Agosto de 2013

O Homem Sem Memória - 172


172 – Andava o José atarefado a organizar e a catequizar as suas tropas quando o inesperado aconteceu. O seu nome fazia parte de uma lista de troca de prisioneiros entre a República Democrática do Norte e República Popular do Sul. Ele nem queria acreditar. Logo agora que andava no seu processo profundo de dissidência política e ideológica é que tinha de ser novamente confrontado com toda a canga comunista marxista-leninista. Isso até era o menos, pois palavras leva-as o vento. Mas ter de aturar de novo todos os seus antigos camaradas é que lhe provocava fastio. Se fosse apenas o Graça, ainda vá que não vá, agora suportar o funcionário e toda a sua idiossincrasia idiota punha-o à beira de um ataque de nervos.


A sua primeira reação foi recusar a oferta. No que foi apoiado pelos seus novos acólitos e até, vamos lá saber porquê, pelos seus ex-camaradas. Mas as ordens eram explícitas, todos os prisioneiros políticos guerrilheiros comunistas tinham de ser postos do outro lado da fronteira. Todos sem exceção. Ele ainda ripostou lembrando que já não fazia parte do grupo. Mas as autoridades lembraram-lhe que uma vez comunista, comunista para sempre. O José contestou essa pretensa verdade com todo o fervor de que foi capaz de se socorrer. Mas a resposta desconcertou-o. A sua capacidade de organização, o seu talento para a persuasão, a sua habilidade para a liderança, a sua lealdade às ideias e, sobretudo, o seu permanente desafio às autoridades e o seu inesgotável poder de contestação às instituições e ao poder constituído eram disso a prova mais evidente e insofismável de que era comunista. Ele disse “olhe que não”, parafraseando o seu ex-líder Alberto Punhal, e de seguida contestou o argumento falacioso lembrando que os antigos, e genuínos cristãos, de que eram exemplo paradigmático, assintomático e problemático, Jesus Cristo e os seus apóstolos, os islamitas e os anarquistas eram gente da mesma fibra e de idêntico feitio. As autoridades, ou alguém por elas, lembraram-lhe que a prova provada de que continuava revolucionário era esta sua permanente inquietação e inconformismo. Ele lembrou-lhes que tal não era verdade, pois os comunistas eram gente do mais conformista que existe à face da terra, que se limitava a ler e a acreditar numa só ideologia e numa só verdade. Os dignos representantes da autoridade reacionária contrapuseram que pouco percebiam de política, que se limitavam a ter bom senso e a cumprir as ordens que vinham de cima, ou seja, atuar de acordo com a lei vigente e democraticamente estabelecida, pois quem manda, manda bem. Ele riu-se. Eles também. Ele tornou a rir-se. Eles, para não se ficarem atrás, riram-se de novo. O José ainda gargalhou uma terceira vez. Mas as autoridades, sentindo-se postas em causa, carregaram-no de bofetadas. Calaram-no, mas à força, porque apenas com o poder da argumentação era pura e simplesmente impossível. Todos o sabiam, o José, os pais do José, os amigos do José, os camaradas do José e, vá-se lá saber porquê, até os inimigos do José.


Mas a contestação deu alguns frutos. As autoridades condescenderam em ir falar com os prisioneiros camaradas do José para tentarem perceber a situação entretanto criada. Mas eles, como bons comunistas, recusaram-se a discutir uma questão interna do Partido fora dos órgãos próprios e, especialmente, com os representantes das forças reacionárias e opressivas do seu povo.


Depois de algumas lambadas bem dadas, e distribuídas equitativamente por todos, não fossem eles argumentar de que foram injustamente discriminados pelas autoridades, como muito bem lembrou um seu elemento mais esclarecido, transigiram em convencer o camarada funcionário a ir às boas. Afinal tratava-se apenas de permutar umas simples e discretas palavras sobre uma hipotética troca de prisoneiros políticos. Aqui ninguém cedia. Era ela por ela.


O funcionário, mesmo com a cara vermelha como um pimento, e já com um olho inchado, teimava na sua, de que não podia ir contra a disciplina partidária. Mas por fim lá se resolveu a participar no diálogo pacífico e construtivo entre as partes. Afinal, se a URSS aceitava a coexistência pacífica entre os diversos sistemas políticos mundiais, por que razão ele não podia seguir a mesma orientação?


As autoridades, ou o seu representante mais graduado, ainda não apurámos ao certo, quiseram apurar a razão por que o camarada, salvo seja, José, se recusava terminantemente a fazer parte da lista de troca de prisioneiros entre o Norte e o Sul.


Eles, os camaradas, ou ele, o camarada funcionário, ainda não sabemos ao certo, responderam que era um problema de disciplina interna de que não podia, ou não devia, falar.


Ele, o representante mais graduado, está claro, ou elas, as autoridades, como é correto dizer-se se tal corresponder à verdade, coisa que até ao momento ainda não conseguimos tirar a limpo, insistiram na pergunta.


Ele, o camarada funcionário, ou eles, os restantes camaradas da célula guerrilheira, ainda não conseguimos dizer de fonte segura, insistiram na resposta.


As autoridades, ou o seu representante mais classificado, ainda não sabemos ao certo, insistiram mais uma vez na pergunta.

 

Eles, os camaradas, ou ele, o camarada funcionário, ainda não apurámos devidamente, responderam da mesma forma e feitio, que era tudo uma questão interna. Que os problemas de família se discutem dentro da família. 


Ele, o representante mais graduado, ou elas, as autoridades, coisa que até ao momento ainda não conseguimos tirar a limpo, pegaram no argumento incluído na resposta e disseram que estavam de acordo. Mas lembraram-lhe, ou “lhes”, como é mais avisado escrever, para não fugirmos ao rigor, como é nosso apanágio, que é também em família que se aplicam os tratamentos corretivos. Vai daí encheram-no, ou “nos”, como é avisado escrevermos pelas razões já invocadas, de estalos, bofetadas, lambadas e chapadas e ainda dos seus derivados: lapadas, bofetões e tapa-olhos.


Mas como a coisa não desempatava, pois os comunistas são extremamente teimosos e disciplinados, e porque fazia parte do acordo entregar a mercadoria para troca em bom estado de conservação, o representante da autoridade, disso temos a certeza absoluta, mandou que os comunistas fossem respeitados nos seus princípios. Se não queriam falar, isso era um problema que só a eles dizia respeito. E deu ordens expressas para que fossem prestados cuidados médicos aos que necessitavam e administrados banhos de imersão e massagens tonificadoras a todos, sem exceção. 


Depois de bem banhados e melhor massajados, os prisioneiros foram postos numa carrinha e transportados até às margens do Mondego. Ao José ninguém lhe deu palavra. Apenas o Graça condescendeu nos bons dias, mas em segredo.


O sol brilhava. Do outro lado esperava-os o socialismo real e a autêntica liberdade. 


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Novembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Na aldeia

. 469 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Noturno

. ST

. Poema Infinito (482): Res...

. No Barroso

. No Louvre

. 468 - Pérolas e Diamantes...

. AB

. VS3

. VS2

. Poema Infinito (481): Que...

. VS

. CL

. 467 - Pérolas e Diamantes...

. Pisões

. Misarela

. Olhares

. Poema Infinito (480): As ...

. Na Abobeleira

. Barroso

. 466 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Alturas d...

. Em Coimbra

. No Louvre

. Poema Infinito (479): Ao ...

. No Louvre

. No Louvre

. 465 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. JVF

. Interiores

. Poema Infinito (478): O V...

. ST

. No Louvre

. 464 - Pérolas e Diamantes...

. No Porto

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. Poema Infinito (477): Tox...

. Em Alhariz

. Em Alhariz

. 463 - Pérolas e Diamantes...

. Amizade

. Na feira

. Interiores

. Poema Infinito (476): Via...

. ST

. Expressões

.arquivos

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar