Sexta-feira, 30 de Agosto de 2013

O Homem Sem Memória - 173


173 – Tudo aconteceu como nos filmes. Os comunistas do Norte atravessaram a ponte sobre o Mondego na direção Sul e os reacionários do Sul fizeram-no na direção do Norte. Encontraram-se a meio. Eles eram doze, como todos sabemos. Já os prisioneiros do Sul eram perto de cinquenta. Ou seja, a valia do grupo do José era muito maior. Cerca de quatro para um. O que era motivo de orgulho. Postas as leis do mercado a funcionar, dava para perceber que o preço de um comunista era muito superior ao de um reacionário. E isso fazia todo o sentido.


Chegado ao lado de lá, o sítio da liberdade e do socialismo, o José olhou para a terra que abandonava, que era a sua, mas que lhe tinha sido madrasta, e reparou que a meia centena, feliz e contente, de reacionários foi convidada a entrar num autocarro. Eles, entre sorrisos e abraços, fizeram-no na mais perfeita ordem, como se estivessem a entrar na terra da liberdade. Já os camaradas tinham uma carrinha pequena à sua espera, em tudo parecida com uma viatura celular. E foi para ela que foram obrigados a entrar. Quando perguntaram por que em vez de uma viatura civil lhes tinham enviado uma carrinha para transportar presos, os camaradas limitaram-se a dizer que eram ordens superiores. Os camaradas do Norte inquiriram então de quanto de cima elas provinham. Eles responderam que diretamente do Comité Central. Todos sentiram um aperto no coração. O Comité Central nunca se engana. Tiveram então um mesmo pensamento: alguma coisa estava mal. O futuro era uma grande incógnita. Como sempre, adiantamos nós que já andamos nisto há muito tempo.


Sem mais palavras, foram convidados a entrar na carrinha e abalaram dali não se sabe bem para onde. Mas para Sul era de certeza. Disso estavam eles certos.


Andaram muito. Mas mesmo muito. Aperceberam-se que as curvas iam diminuindo e que a velocidade ia aumentando. E o calor também. Ninguém deu palavra. Iam em meditação. Por fim pararam.


Quando lhes abriram as portas para saírem, foram inundados de luz. Estavam dentro de um estabelecimento prisional imaculado na sua brancura. Tudo ali resplandecia. Perguntaram a um homem com cara de diretor de alguma coisa onde se encontravam. Ele respondeu-lhes que não tinha autorização para lhes explicar nada a não ser que estavam presos, por ordem do Comité Central, para averiguações. O camarada funcionário ainda tentou puxar dos seus galões, informando o camarada diretor de que ele era funcionário do Partido, que tinha liderado um grupo de guerrilha no Norte, que tinha sido feito prisioneiro e que tinha, ele e os seus camaradas, sido trocados por um grupo de cinquenta prisioneiros reacionários.


O camarada diretor nem para ele olhou. Limitou-se a assinar um papel que lhe puseram à sua frente e foi-se embora com alguma pressa e também com algum aprumo. Foram todos enfiados numa cela comum.


Tentaram então descansar e pôr as ideias em ordem. Mas não conseguiram. A situação era confusa de mais. Passados algumas horas deram-lhes de comer. Uma comida tão mal confecionada como a que lhes serviam lá no Norte reacionário. Eles comeram e calaram. Depois da entrega da loiça, voltaram para os seus catres e puseram-se novamente a ruminar as ideias para tentar perceber o que lhes estava a acontecer. O culpado daquela situação só podia ser um: o José. Ele e mais a sua rebeldia e a sua religião que lhe embotavam a razão e o conhecimento. Isso foi o que pensou o funcionário, que era o mais esclarecido do grupo. Mas os outros também chegaram à mesma conclusão, sem grande dificuldade. Apenas o Graça tentou ir por outro caminho. Mas não foi capaz. A existir um culpado, tinha de ser o José. E como tinham chegado a essa conclusão? Pois porque o Partido tudo sabe.


Incomodado com a situação, o camarada funcionário resolveu convocar uma reunião geral. Mas deixou logo claro que o José estava excluído. Ele ainda tentou averiguar o porquê, mas desistiu. Não valia a pena. Ou melhor, estava à vista de todos, só um cego ou um reacionário, que são, em termos políticos, a mesma coisa, é que não via.


A reunião fez-se num canto e o José foi obrigado a ficar no outro. O Graça referiu, e bem, que dessa maneira o José ouvia tudo. O camarada funcionário respondeu-lhe que uma coisa é ouvir, outra, bem diferente, é ter o direito a falar. E esse, o José tinha-o perdido há muito tempo.


Todos sem exceção zurziram no José o mais que puderam. Acusaram-no de tudo. Até de terríveis desvios ideológicos e mesmo traição. Muitos referiram que ele, o traidor, o rachado, devia ter sido deixado lá no Norte, preso, a sofrer as consequências. O Graça lembrou-lhes que o José estava preso e todos eles também. E isso é que era estranho. Prendê-lo a ele, ainda vá que vá, agora trocar prisioneiros comunistas e mantê-los na mesma situação é que não fazia sentido nenhum. Mais valia tê-los deixado estar onde estavam. Lá no Norte ainda eram autorizados a ver a família. Ali não podiam, pois não estava a ver a forma das autoridades socialistas autorizarem a deslocação de familiares reacionários a terras da liberdade. Todos concordaram que a situação era, no mínimo, bizarra. A existir um traidor, era o José. Sendo assim, era ele quem devia estar preso por causa dos erros cometidos. Não todos, pois era injusto. A eles deviam libertá-los e até prestarem-lhes uma homenagem pública. Eles tinham pegado em armas para libertarem a sua terra da exploração, da ditadura e da reação.


Por ter a consciência limpa, ou pensar que a tinha, pois, objetivamente, é a mesmo coisa, lá no seu canto, o José caiu num sono profundo. Começou a ressonar alto e bom som. Tal atitude foi também objeto de censura por parte dos seus camaradas. Que era um provocador. Que era um reacionário. Eles preocupados com a situação política. E o José como se nada fosse com ele. A dormir como um bebé. Sem se ralar com nada. Era-lhe bem feito. Estar preso era uma situação justa. Ele bem a merecia. O Partido sabe sempre bem aquilo que faz. O Graça pediu então esclarecimentos ao camarada. Se compreendia a situação era bom que a explicasse a todos.


O camarada funcionário tentou. Que como o Partido tudo sabe, também sabia quem era o traidor. Por isso a situação da prisão de todo o grupo só podia ser um engano, ou excesso de zelo. Há muitos camaradas que são mais papistas que o Papa, ou melhor, que são mais comunistas que o próprio camarada Alberto Punhal. Mas a verdade, que é apenas comunista, como todos sabemos, é como o azeite, vem sempre ao de cima. E que nestas coisas da revolução, existe muita confusão, mas acabam sempre por triunfar os bons e o seu fundamento. Na revolução comunista nunca pode triunfar o mal. Isso é, pura e simplesmente, impossível.


Depois de muito discutirem, passaram às resoluções. Estava na hora de decidirem o seu futuro. E o do José. A situação até podia ser difícil, e era-o de facto, mas um comunista nunca desiste, nem de lutar nem de procurar a verdade, pois só ela é revolucionaria, e vem sempre ao de cima como o azeite. Ele, como o camarada mais responsável do grupo, e seu líder natural, propôs que o José fosse definitivamente expulso do Partido e denunciado mais uma vez aos organismos superiores por desvio ideológico e abandono dos princípios irrefutáveis do marxismo-leninismo. Da reunião foi elaborada uma ata onde constaram todas as decisões. Até a abstenção do Graça no momento da expulsão do José, em nome da amizade. Isto apesar da advertência do camarada funcionário que lhe lembrou que a amizade não se pode sobrepor à razão, nem aos supremos interesses do Partido e da Revolução.


Quando o camarada funcionário deu a reunião por terminada, ainda o José dormia e ressonava como um justo.


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (461): Ent...

. No Louvre

. No Louvre

. 447 - Pérolas e Diamantes...

. Couto Dornelas

. Couto Dornelas

. Couto Dornelas

. Poema Infinito (460): A t...

. Couto Dornelas

. S. Caetano

. 446 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. Poema Infinito (459): O v...

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. 445 - Pérolas e Diamantes...

. Em Chaves

. Na aldeia

. Vilarinho Seco

. Poema Infinito (458): Vib...

. Na aldeia

. No horta

. 444 - Pérolas e Diamantes...

. Até já...

. Cantorias - Abobeleira

. No Douro

. Poema Infinito (457): Peq...

. Semana Santa - Barroso

. Na conversa

. 443 - Pérolas e Diamantes...

. Em Torgueda

. Ao portão com um sorriso

. Quaresma

. Poema Infinito (456): O v...

. Cozinha Barrosã

. Pastor

. 442 - Pérolas e Diamantes...

. No túnel

. No miradouro

. Na cozinha

. No forno

. No monte

. 441 - Pérolas e Diamantes...

. Na Abobeleira

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (455): O â...

. Na aldeia

.arquivos

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar