Segunda-feira, 9 de Setembro de 2013

Pérolas e diamantes (54): temos de nos levantar

 

Foi quando o ar me faltou por causa dos incêndios que me apercebi da importância de respirar.

 

E ele faltou-me segunda vez quando li as declarações de António Cabeleira e de João Batista sobre o seu suposto altruísmo. O dele e o dos seus correligionários. De facto, o altruísmo que eles defendem é do género individualista, do que se diz pôr ao serviço da comunidade, ou seja, deles próprios.

 

Em ata de Câmara de 16 de julho de 2013, relativa à audiência realizada com a senhora Ministra da Justiça, a 9 de Julho, o senhor presidente em exercício, e putativo candidato a presidente da Assembleia Municipal, João Batista, fez saber que, nomeadamente na alínea c, “irão continuar a ser realizados em Chaves julgamentos cujos valores envolvidos sejam superiores a 50 mil euros”.

 

Mas, contrariando as suas palavras demagógicas e falazes, e também a encenação lacrimejante de algumas figuras femininas das listas do PSD local às autárquicas, o Tribunal foi mesmo desqualificado e de forma ainda mais gravosa do que a prevista. A lei nº 62/2013, de 26 de agosto, denominada “Lei de Organização do Sistema Judiciário”, define que o Tribunal de Chaves nem sequer fica com os julgamentos até 50 mil euros, como o senhor João Batista apregoou aos sete ventos, pois apenas pode vir a julgar causas cíveis que não ultrapassem os 30 mil euros.

 

E desta maneira se destrói uma cidade, uma região e um país. No nosso céu começam a voar pássaros negros à velocidade do desespero. Eu ri-me para não chorar. Mas fi-lo a modinho. Com esta câmara, e este governo, qualquer dia, rir passa a ser crime e lá vou eu a Vila Real para ser julgado.

 

E assim vai a nossa cidade e o nosso país carregadinhos de dívidas e de dúvidas a caminho do abismo.

 

Portugal continua a ser um país para quem tem olho e não é cego. Mas tem de ser aldrabão. Portugal é só para alguns. Para os partidos e para as suas clientelas.

 

Depois do 25 de Abril começaram a aparecer rapidamente as oportunidades para os oportunistas. Os corruptos, disfarçados de democratas, começaram a circular nos bastidores do poder. Muitos vigaristas tomaram conta dos partidos políticos e também das empresas nacionalizadas. Os profetas do novo mundo e do progresso social enriqueceram com os dinheiros públicos. Entretanto, as empresas nacionalizadas foram privatizadas pelos que as passaram a gerir em nome do interesse público e de economia de mercado. A finança assenhoreou-se dos cofres do estado.

 

Houve décadas de democracia participativa. As eleições sucederam-se. Houve governos de direita e de esquerda. Portugal, diziam eles, desenvolveu-se a um ritmo excecional.

 

As pessoas sentiram esse desenvolvimento, pois cada vez tinham mais dívidas e os bancos mais dinheiro. Pelo meio, os Governos pragmáticos e desenvolvimentistas começaram a destruir os serviços públicos, pretextando estar a salvá-los. As empresas privadas construíram monopólios intocáveis. Os velhos senhores de antigamente voltaram a mandar na economia e no aparelho do Estado.  

 

Os partidos políticos passaram a financiar as suas campanhas eleitorais com dinheiro saído dos cofres públicos e também do que foi escorrendo como prémio pelas obras faraónicas construídas pelos senhores e as empresas financiadas pelo Estado e com ele se pagam os cartazes, as festas, os almoços, os lanches e os jantares e a propaganda balofa e demagógica que metamorfoseou a nossa democracia numa frivolidade.

 

De eleição para eleição, os números da abstenção aumentam, bem assim como a distância entre quem vota e quem vai ocupar as cadeiras do poder. A democracia representativa é cada vez mais uma farsa, na qual os partidos políticos representam, não o povo, mas a si próprios, os seus interesses e os das suas clientelas. A classe política tomou definitivamente de assalto as instituições públicas e privadas.

 

As promessas eleitorais já não estabelecem compromissos entre ninguém. A seguir às eleições transformam-se em mentiras do tamanho da percentagem obtida, pois a “situação real do país” assim o determina. É desta forma que se legitima a impunidade dos poderosos, a “palavra” perde o seu valor ancestral, a honra é considerada uma subterfúgio linguístico e a seriedade uma futilidade fora de moda. Os interesses públicos e privados misturam-se de tal maneira que já ninguém sabe onde fica a zona de fronteira. A promiscuidade é agora uma licitude e a corrupção um lóbi democrático.

 

Depois da entrada na comunidade europeia tudo foi subsidiado. As empresas engordaram como porcos na ceva.  As desigualdades sociais aumentaram. E o trabalho é agora encarado como um privilégio dos pobres. O dinheiro a fundo perdido perdeu-se em carros, jipes e tratores ou barcos de recreio. As fábricas desapareceram, os barcos de pesca foram abatidos, as vinhas arrancadas, os eucaliptos plantados. Os agricultores foram pagos para não trabalharem. O crédito ao consumo foi incrementado como o direito a ficar endividado sem dor. Todos passámos a ter cartões de crédito de todas as cores. Começou a trocar-se de carro de três em três anos. Construíram-se casas e mais casas. Rotundas e mais rotundas. Os construtores civis passaram a ser os novos deuses para as câmaras municipais.

 

Agora até o trabalho precário é um avanço civilizacional e uma melhoria da qualidade de vida da comunidade e da solvência das empresas e do Estado, que já não é social, mas mínimo.

 

Em vez de cidadãos, agora somos contribuintes e consumidores. Em vez de seres humanos, somos números. E em vez de indivíduos, somos estatísticas numa folha Excel.

 

Fomos atirados ao chão. Mas já a minha avó me dizia: Se queres ver alguém como realmente é, vê-o a erguer-se. 


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Em Paris

. Poema Infinito (486): Dis...

. Em Paris

. Em Paris

. 472 - Pérolas e Diamantes...

. Feira dos Santos

. ST

. Na cozinha

. Poema Infinito (485): Sed...

. Olhares

. Vacas e balizas

. 471 - Pérolas e Diamantes...

. Em Amarante - Cultura que...

. Na feira

. No Porto

. Poema Infinito (484): Eco...

. Chega de bois em Boticas

. No Barroso

. 470 - Pérolas e Diamantes...

. Interiores

. Castelo de Montalegre

. No Barroso

. Poema Infinito (483): Ilu...

. No Barroso

. Na aldeia

. 469 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Noturno

. ST

. Poema Infinito (482): Res...

. No Barroso

. No Louvre

. 468 - Pérolas e Diamantes...

. AB

. VS3

. VS2

. Poema Infinito (481): Que...

. VS

. CL

. 467 - Pérolas e Diamantes...

. Pisões

. Misarela

. Olhares

. Poema Infinito (480): As ...

. Na Abobeleira

. Barroso

. 466 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Alturas d...

. Em Coimbra

. No Louvre

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar