Sexta-feira, 13 de Setembro de 2013

O Homem Sem Memória - 175


175 – Todos ficaram incrédulos e num silêncio profundo a olhar para o José. Deitado no catre parecia Cristo estendido no santo sepulcro, mas ainda por limpar e cheio de sangue e equimoses. O Graça começou a chorar baixinho e a perguntar: “Porquê, porquê, meu Deus. O que fez ele de mal.” O camarada funcionário tentou racionalizar: “A sua traição parece-me agora evidente. O apóstolo da dúvida e da incerteza, finalmente encontrou o seu calvário.” O Graça dirigiu-se para a beira do amigo e pediu água para lhe lavar as feridas. Ninguém lha deu. Os guardas limitaram-se a cantarolar umas incongruências.


“Pai, pai, porque me abandonaste?”, perguntou o José. “Mãe, mãe, porque me abandonaste?”, voltou a perguntar o José. De seguida entrou em delírio. Por fim adormeceu. Ou desfaleceu, ainda não apurámos ao certo. Quando acordou e reparou que o Graça estava a seu lado, tratou-o por Pedro, mas injustamente, como todos sabemos. Entretanto voltou a desfalecer, ou a adormecer, ainda não apurámos ao certo. Quando acordou de novo pôs-se a falar com a mãe.


“Disseste-me que falei dentro da tua barriga, agora falo dentro da tua cabeça. Eles vão-me matar. Vão-nos matar. Fizeram-me confessar tudo. Tudo. E eu não tinha nada para confessar. Mas confessei tudo. Tudo o que eles exigiram.”


O Graça voltou a chorar. O José, tratando-o novamente por Pedro, disse para poupar as lágrimas, pois acreditava na sua amizade, apesar de o ter negado três, trinta, ou trezentas vezes: “O seguinte és tu.”


Todos os camaradas estavam encostados às paredes, hirtos e brancos como a cal. Apenas o camarada funcionário palrava: “Não tenhais medo camaradas. O Partido apenas quer apurar a verdade. Quem não é culpado não deve temer represálias. Vão ver como tudo se resolve por bem. Agora que descobriram o traidor, vão-nos libertar.”


O Graça pôs-se então de pé e correu caras a ele: “Meu grande sacana. Como és capaz de dizer uma coisa dessas de uma pessoa como o José. Ele traiu o quê? A verdade é que não, todos somos testemunhas. E muito menos a sua consciência de homem livre. Tu é que te trais a ti próprio quando pensas pela cabeça dos outros.”


Quando ia para lhe assentar uns murros nas ventas, foi impedido pelos outros camaradas que lhe disseram que não devia fazer o que outros fariam por ele. 


De novo se abriu a porta da cela, desta vez para chamarem pelo Graça. Ele recusou-se. A haver porrada que começasse o mais cedo possível. Além disso não tinha nada para confessar. E foi isso que gritou bem alto durante todo o trajeto.


No catre o José gemia e delirava. Os outros camaradas pareciam rezar. Apenas o funcionário continuava a tentar justificar a situação do ponto de vista marxista-leninista: “Só a verdade é revolucionária. Por isso temos de tentar sempre encontrá-la. Mesmo que o processo seja doloroso.” E lá continuou a debitar outras idiotices do género. Alguém perguntou: “Achas que o Graça também é traidor? Algum dia viste ou soubeste algo que o possa incriminar?” Ao que o camarada funcionário respondeu: “Eu assim diretamente não. Mas nunca se sabe. Quem tem amigos traidores é potencialmente um traidor também.” “Então todos somos traidores.” “Todos não. Eu não sou amigo do Graça e muito menos do José. Tratei-os durante algum tempo por camaradas, pois pensei que o eram. Mas nada mais do que isso. Limitei-me a cumprir com as ordens do Partido. Quando soube da dissidência do José fiz aquilo que qualquer dirigente pode e deve fazer, transmiti essa informação aos organismos dirigentes. Eles depois lá fizeram o resto. E acertadamente, como se vê.”


A pesada porta voltou a gemer nos gonzos. Por ela entrou outro cristo ensanguentado e cheio de chagas. Nisso os camaradas tinham sido exemplares, ninguém conseguia distinguir um cristo do outro, de tão maltratados que estavam.


“Afinal o Graça também é traidor. Veem camaradas, como tinha razão”, gritou o camarada funcionário apontando na direção do segundo cristo. Os restantes camaradas já não lhe passaram cartão nenhum, dirigiram-se ao Graça e trataram de o amparar e de o estender no catre. Alguém pediu água para lhe lavarem as feridas. Responderam-lhe que o fizesse com a saliva, pois a água no Alentejo é um bem muito escasso.


Também o Graça gemeu e delirou. Quando se abeirou de si o camarada funcionário para tirar alguma informação, ele apelidou-o, e com razão, de Judas e cuspiu-lhe na cara um jato de sangue. Depois chamou os outros camaradas e confessou-lhes com as lágrimas nos olhos: “Também eu confessei tudo.” “Tudo o quê?”, perguntaram-lhe incrédulos. “Tudo o que eles queriam. Agora todos somos traidores.” “Mas nós não traímos nada, nem ninguém.” “Por isso mesmo. Quando lhes disse isso, responderam-me que estava a esconder algo de muito grave. Por isso é que estávamos presos. O Partido, argumentaram eles, nunca se engana. Por isso ou confessamos os crimes ou a tortura continua até obterem a reconhecimento da verdade. Dali não saem. O melhor é confessar o mais depressa possível o que eles querem. No entanto subsiste um problema, é conseguirmos acertar com aquilo que eles pretendem que a gente confesse. Quando existe culpa, não é difícil acertar com a resposta. O problema é quando se está inocente e nos culpam de algo que não sabemos bem aquilo que é.”


Alguém confidenciou: “Isto é bem mais complicado do que eu pensava.” “Pois. Se confessas rápido desconfiam que lhes estás a mentir. Se nada lhes confessas, suspeitam que lhes estás a encobrir a verdade. Pois para eles nenhum de nós é inocente. Se todos dizemos o mesmo imaginam que estamos todos combinados na mesma mentira. Se cada um diz coisa diferente, desconfiam que estamos todos a mentir com o propósito de lhes indicar pistas falsas, o que ainda os põe mais furiosos.”


Alguém mais impaciente perguntou-lhe como tinha ele acertado com a confissão. Ao que ele respondeu que foi por tentativa e erro. Quando depois de uma resposta sua lhe batiam ainda mais, deduzia, e bem, pensamos nós, que ia no caminho errado. Então tentava nova resposta. Se a porrada continuava com grande intensidade, tentava inventar outro tipo de resposta. Se a bordoada diminuía seguia esse caminho e assim sucessivamente até a porrada cessar e eles se darem por satisfeitos.


Perguntaram-lhe então que tipo de resposta é que eles deviam dar para não levarem tanta cacetada. O Graça, como bom camarada, disse-lhes que se lhes explicasse o que ele tinha confessado era certo e sabido que levavam tanta porrada ou ainda mais do que ele e do que o José. A melhor estratégia era mesmo irem tenteando as respostas pela intensidade da sova. Muita sova queria significar que se tinha de mudar de rumo. Porrada de criar bicho, todos tinham de levar. O estratagema era não morrer no interrogatório ou ficar paralisado para a vida inteira.”


Abriu-se de novo a porta e foi gritado novo nome. O camarada respondeu presente. E lá foi cumprir com o castigo. Apurar a verdade é, como estamos a tentar provar, uma tarefa dificílima. 


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Em Paris

. Poema Infinito (486): Dis...

. Em Paris

. Em Paris

. 472 - Pérolas e Diamantes...

. Feira dos Santos

. ST

. Na cozinha

. Poema Infinito (485): Sed...

. Olhares

. Vacas e balizas

. 471 - Pérolas e Diamantes...

. Em Amarante - Cultura que...

. Na feira

. No Porto

. Poema Infinito (484): Eco...

. Chega de bois em Boticas

. No Barroso

. 470 - Pérolas e Diamantes...

. Interiores

. Castelo de Montalegre

. No Barroso

. Poema Infinito (483): Ilu...

. No Barroso

. Na aldeia

. 469 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Noturno

. ST

. Poema Infinito (482): Res...

. No Barroso

. No Louvre

. 468 - Pérolas e Diamantes...

. AB

. VS3

. VS2

. Poema Infinito (481): Que...

. VS

. CL

. 467 - Pérolas e Diamantes...

. Pisões

. Misarela

. Olhares

. Poema Infinito (480): As ...

. Na Abobeleira

. Barroso

. 466 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Alturas d...

. Em Coimbra

. No Louvre

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar