Quarta-feira, 25 de Setembro de 2013

O Poema Infinito (165): a caligrafia moral do esquecimento

  

Todo o lugar exige regresso e um olhar demorado. Somos de uma geração agressiva. Aprendemos a ler com palavras de fundo cinzento enquanto ouvíamos a chuva a cair sobre os tetos de zinco. Os nossos avós bebiam aguardente enquanto a noite se aproximava invadida pelos enigmas. Nesse tempo o horizonte era branco e as aves abrigavam-se debaixo das folhas junto aos rios. Aprendíamos palavras que se tingiam de cores imprecisas. Observávamos a mudança do tempo e perseguíamos obsessivamente o silêncio da tristeza. As árvores erguiam-se até ao céu acompanhadas pela nossa imaginação. Ordenávamos todas as possibilidades dos versos e repetíamos rimas em voz alta juntando as vozes à procura de uniformidade. As ondas entravam-nos pelas janelas e flutuavam procurando as arestas breves dos nossos olhares. As possibilidades dos poemas multiplicavam-se pela distância das montanhas. Nessa altura a natureza entrava em contacto com a arte. A filosofia era designada pela imaginação. Afastávamos as superstições com o olhar enquanto a chuva assolava as montanhas e enquanto as memórias incendiavam os anos. Tudo permanecia inquieto. Toda a nossa ironia estava ainda obscurecida. Por isso falávamos da leitura de romances e da compreensão lenta da razão. Recusávamos a vontade dos sentidos. Criávamos distância, invocávamos o esquecimento e encolhíamos o inverno dentro dos nossos cadernos escolares. Os nossos rostos começaram a adquirir tranquilidade. Arrumávamos as obras marcando-as com a nossa harmonia. Estranhávamos o volume dos nossos corpos e os seus movimentos reflexivos. Conservávamos a tradição dentro do seu sentido sombrio e recusávamos a sua regulação regressiva. Só mais tarde prometemos ceder às solicitações do talento. As horas eram mais fluídas do que agora. Os textos eram verticais e reagiam continuamente às influências espectrais. Preenchíamos o espaço das almas com regras arbitrárias. O amor era uma intuição poética com ângulos de pureza. As imagens reproduziam a lírica funesta dos espelhos. Brincávamos à procura de uma identidade falsa, como se ela fosse uma curiosidade explicativa da poesia. Agora sabemos que cada poema tem a sua própria fórmula esclarecedora construída por sensações de desequilíbrio. Como se o poema criasse o seu próprio poeta. Habituámo-nos à ausência, ao seu tédio, à sua indiferença implacável. Era no outono que criávamos as almas, a vegetação dos bosques que orlavam as casas, as aves que pontuavam o céu, os poemas indecisos, a nostalgia das cidades. Era também no outono que invocávamos os regressos, os percursos espirituais, as vozes das mulheres que abriam os poemas, as pontes abstratas de tanta água verem passar, o equilíbrio frio do sofrimento, a mística escrita dos crepúsculos, a pontuação visionária dos astros, a trágica cor dos dogmas, a estética incompreensível do abandono, a embriaguez dramática dos olhares, as translações vegetais, a mecânica antiga do sangue. As aves voavam loucas na direção do inverno. Nós centrávamo-nos na magnificência das verdadeiras profecias, no triunfo da fecundidade, na poesia alcoólica do amor e da morte. A intimidade era uma possibilidade dramática, uma longínqua engenharia de manipulações aparentes. Os anos passaram. O tempo ficou solitário. Os nossos lábios fecharam-se para tentarem corrigir a transcendência da vida. Agora estamos mais disponíveis para o sofrimento, para a intimidade do mundo, para a solidez fixa da dúvida. Agora escrevemos o tempo com a caligrafia moral do esquecimento. 


publicado por João Madureira às 07:45
link do post | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 16 seguidores

.pesquisar

 

.Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No CCB - Lisboa

. Poema Infinito (511): O p...

. No CCB - Lisboa

. No CCB

. 493 - Pérolas e Diamantes...

. No CCB - Lisboa

. No CCB - Lisboa

. No CCB - Lisboa

. Poema Infinito (510): A o...

. No CCB - Lisboa

. No CCB - Lisboa

. 492 - Pérolas e Diamantes...

. Montalegre

. Rebanho reconhido

. Feira dos Santos - Chaves

. Poema Infinito (509): Poe...

. No Barroso - vacas e bali...

. Na aldeia

. 491 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (508): A l...

. No Barroso

. No Barroso

. 490 - Pérolas e Diamantes...

. Chaves

. Chaves

. Sapateiro de Chaves

. Poema Infinito (507): A a...

. Feira dos Santos - Chaves

. Feira dos Santos - Chaves

. 489 - Pérolas e Diamantes...

. Tunas

. Em Chaves

. Em Alhariz

. Poema Infinito (506): A h...

. Tâmega - Chaves

. Poldras de Chaves

. Vai-me custar partir... A...

. Em Chaves

. No Barroso

. Amigos no Barroso

. Poema Infinito (505): Poe...

. Músicos em Santiago de Co...

. Barroso

. 488 - Pérolas e Diamantes...

. Chaves em quarentena X

. Chaves em quarentena IX

. Chaves em quarentena VIII

.arquivos

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar