Quinta-feira, 6 de Novembro de 2014

Poema Infinito (223): os limites da tragédia

 

Mulheres histéricas afirmam que a cidade foi arrasada. Bombas esféricas tombam sobre os nossos olhos. Os poetas representam a sua própria tragédia. A sua antiga alegria caiu-lhe aos pés. As mulheres histéricas abandonam as suas deixas e fenecem incorporando os papéis desempenhados. E choram, transfigurando a antiga alegria em susto. Os homens, que tudo ansiaram, destroem tudo o que já foi seu. A tragédia tem os seus limites. O céu desfalece. As suas cabeças estão em chamas. As hordas dos bárbaros vieram a pé ou em barcos enfurecidos pelas tempestades. Novas civilizações são passadas à espada. A sabedoria dos antigos desfaz-se em névoa. Nessas noites de angústia, os ventos marinhos varrem as esquinas. Cai o pano. A história passa a ser outra. Os novos guerreiros reconstroem os dias felizes. Esculpem-nos em lápis-lazúli. As casas enchem-se de perfume. Os homens deliciam-se a imaginarem as mulheres sentadas o observar as montanhas e o céu. Os dedos habilidosos dos pastores tocam melodias dolentes. Os olhos das mulheres mais idosas brilham entre as muitas rugas. A sua antiguidade é alegre. Nas encostas, os ramos das ameixoeiras e das cerejeiras cobrem-se de flores. As raparigas dançam seguindo o movimento do relvado macio do jardim. Uma brisa fresca levanta algumas folhas do chão. As raparigas fogem da sua juventude amarga. E libertam-se no meio da multidão. As nuvens negras afastam-se. Os homens sentem-se estranhos em casa. Sentem-se felizes. Por vezes enlouquecem. Mesmo assim, deixam terminar as danças. E amam as bailarinas como se fossem livros permanentemente lidos. E admiram a delicada força que se esvai dos seus corpos. A sua tentação é serena. E suspiram enquanto dormem. O seu espírito é afagado pelo crepúsculo. O seu tempo é circular. E escutam as flores. E sentem-se felizes porque a chuva cai sobre os campos. As manhãs são como auroras. Nos seus olhos espalham-se imagens tranquilas de aves esmaltadas. As horas são agora um pouco mais tranquilas. A eternidade aguarda-os com a sua silenciosa indiferença. O seu amor cresce calmo. O tempo adormece. Cai de novo o pano. A história passa a ser outra. As mulheres sonham com a sua beleza passada. Com os seus lábios vermelhos. Com o seu desolado orgulho. Com a esperança em novos prodígios. E acariciam as almas dos homens que vacilam e beijam os seus rostos solitários. O mundo é uma estrada verde que elas percorrem com os seus pés errantes. No entanto não saem do sítio. E desesperam. E vacilam. E cedem. Lembram-se de escutar cantos de amor sem nunca repousar no seu verdadeiro significado. Lembram-se de adormecer ao lado da lareira acesa. Lembram-se da sua sombra silenciosa. Lembram-se do riso nos seus lábios tristes e do júbilo vadio das estrelas e da beleza entristecida das suas mães e do seu destino incolor. Querem erguer-se. E partir. Casaram-se com meteoros. Depois eles fugiram e extinguiram-se. Os lírios consumiram-se nos jardins. Os pássaros brancos foram morrer longe das mãos amigas. É esse o seu triste destino. Os camponeses abandonam a sua solidão e gravam nas cruzes de madeira as lamentações. As suas meditações transformam-se em memórias. Cai pela última vez o pano. O tempo deixa de existir. Tudo fica perfeito como a sombra de Deus.


publicado por João Madureira às 07:05
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Junho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Louvre

. 447 - Pérolas e Diamantes...

. Couto Dornelas

. Couto Dornelas

. Couto Dornelas

. Poema Infinito (460): A t...

. Couto Dornelas

. S. Caetano

. 446 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. Poema Infinito (459): O v...

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. 445 - Pérolas e Diamantes...

. Em Chaves

. Na aldeia

. Vilarinho Seco

. Poema Infinito (458): Vib...

. Na aldeia

. No horta

. 444 - Pérolas e Diamantes...

. Até já...

. Cantorias - Abobeleira

. No Douro

. Poema Infinito (457): Peq...

. Semana Santa - Barroso

. Na conversa

. 443 - Pérolas e Diamantes...

. Em Torgueda

. Ao portão com um sorriso

. Quaresma

. Poema Infinito (456): O v...

. Cozinha Barrosã

. Pastor

. 442 - Pérolas e Diamantes...

. No túnel

. No miradouro

. Na cozinha

. No forno

. No monte

. 441 - Pérolas e Diamantes...

. Na Abobeleira

. Na aldeia

. No Barroso

. Poema Infinito (455): O â...

. Na aldeia

. No Barroso

. 440 - Pérolas e Diamantes...

.arquivos

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar