Quinta-feira, 20 de Novembro de 2014

Poema Infinito (225): origens múltiplas

 

Dirijo o meu olhar para os passos do teu espírito. Os teus pensamentos são como rochedos sagrados. Um dia iremos a Jerusalém para ver o amor transformar-se em paciência e deixarmos de lado as falsas crenças e as enganadoras narrativas. Mas vamos à história da origem da origem. Todos os heróis se perderam nos labirintos do tempo quando demandaram o Santo Graal. Aí encontraram a sua ambivalente imortalidade. Aí abriram buracos para descobrirem o centro do universo. As crianças redentoras nasceram em grutas e percorreram os caminhos das florestas encantadas. Tiveram visões lá no alto das montanhas onde praticaram a arte milagrosa do jejum. Depois elevaram-se nos ares e cantaram. Sonharam então com longas viagens onde pretenderam amainar os elementos, abençoar todos os nomes e escrevê-los nas tábuas da fantasia. Foram elas que imaginaram e desenharam as pirâmides de Gizé e as suas múltiplas passagens secretas para poderem brincar lá dentro e para que os homens que lá entrassem não tivessem possibilidade de fuga. A sua juventude eterna, possibilitada pela água que beberam da fonte milagrosa, envelheceu como ideia. Depois sucederam acontecimentos terríveis que a todos surpreendeu: as pedras dos templos tornaram-se exatas, os milagres transformaram-se em ruínas, vieram os terramotos e os maremotos e os ciclones e os tufões, os incêndios e as inundações. Os crentes transformaram-se em pintores de grutas retratando nas suas paredes presépios ameaçadores. Os profetas começaram a apregoar a hostilidade e a defender a sabedoria do esquecimento. O mundo tornou-se demasiado comprido. A verdade transformou-se num gesto vago de desalento. Os homens começaram a manifestar o desejo de matar para salvar o Criador e a sua criação. As parábolas ficaram planas como o olhar dos cegos. O amor ficou neutro como os ventos desenhados. As tempestades ficaram frágeis como o papel. Os animais deixaram de acreditar na natureza. Os homens dividiram-se em duas metades imperfeitas e deixaram de confiar uns nos outros. Os amantes começaram a ter medo do amor e do seu corpo e do seu sexo. Especializaram-se em particularidades instantâneas. A pretensa beleza de Deus cegou-os. Alguns começaram a contar histórias mirabolantes para se aperceberem da realidade e tentarem compreendê-la, mas perderam a capacidade de medirem os seus dias e o seu tempo de vida. Os deuses começaram a atuar como se os homens não existissem verdadeiramente, como se fossem uma sua criação animada para experimentarem a eficácia. A bondade e a maldade misturaram-se como o sal e a água dos dilúvios divinos. Tudo o que era divino ficou incompetente. Tudo no universo se desorganizou. Os deuses começaram a ironizar as suas próprias catástrofes e principiaram a utilizar os velhos métodos da distância. Quanta mais distância, mais obediência. Os homens surpreenderam-se com a sua súbita sabedoria primária. A linguagem transformou-se numa bússola sem pontos cardeais. A invenção antiga do destino tornou-se incompetente. Os homens passaram a evitar as frases explícitas e os sentimentos concretos. Tudo ficou um pouco mais longe da verdade. Todas as coisas perderam a sua própria fisionomia. Todas as infâncias se transformaram em ruas que eram parábolas e terminavam em florestas. Os homens decidiram nunca mais olhar para cima. Os seus olhos ficaram com a expressão planeada dos mapas. As flores ficaram nervosas e por isso perderam a cor e o perfume. A natureza ficou definitivamente ao nível do nosso olhar. No meio deste caos nasceu, por fim, o paraíso, que antecipou a natureza e, por fim, moldou o homem e a sua natureza de barro.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Barroso

. ...

. No Barroso

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

. 436 - Pérolas e Diamantes...

. Na Feira

. Na aldeia

. Olhares

. Poema Infinito (450): O d...

. Vaca atenciosa

. BB

. 435 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. ST

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

. Em Paris

. Em Paris

. 432 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar