Quinta-feira, 31 de Dezembro de 2015

Poema Infinito (283): tempo descontínuo

 

 

 

Proclamam os ventos que os homens não dormem nesta noite. O filho pródigo regressou a casa muito assustado, mas enganou-se na porta e não conseguiu subir as escadas. As suas terras foram engolidas pela enxurrada. As flores dos vasos das varandas murcharam. Na cidade, as praças ficaram vazias e as pombas foram perseguidas pelos mendigos. O fogo da lareira crepita vagarosamente. O pão endurece no armário. A água para o caldo já ferveu várias vezes. Não tarda que o dia se apague. Os bolos perderam a doçura. Os suspiros das mulheres são cada vez mais profundos. O rio continua a guardar o segredo dos nossos passos. A floresta é um labirinto. O seu chamamento é triste. Já ninguém acode à aflição das mães. As palavras atrapalham-se nas suas bocas. As suas memórias adormecem. As arcas guardam os antigos poemas engrunhados pelo tempo. Por vezes o sol adormece nos telhados. Os domingos ficam impregnados do cheiro do linho e da lã. Os sonhos são sonhados do avesso. Dormem dentro de nós. E nós dormimos dentro da tarde. A idade cuida dos nossos gestos mais pequenos. Os quadros antigos ficam cada vez mais solitários. Neles, os familiares mais antigos apertam as mãos para se acostumarem ao inverno permanente. Os seus olhares possuem a cor da luz da lua. O crepúsculo instalou-se nas paredes da casa. A vida doba a sua meada e espera. Os animais afastam-se das suas crias. Os avós contam histórias aos netos deliberadamente carregadas de datas, nomes e circunstâncias. Evitam os detalhes, a intranquilidade dos lugares, as personagens estranhas, os desejos, os demónios, o feitiço dos corpos, os gestos hesitantes, o símbolo do tempo que guarda as lembranças mais vagas e desprendidas. Por vezes perdem o sentido do tempo e tateiam às cegas o seu destino. Pela manhã, os corpos abrem-se como se fossem flores tranquilas absorvendo a luz azul e demorando-se na tranquilidade momentânea de um afago. As memórias chegam carregadas de espectros. Os amantes acreditam poder curar os seus desejos com palavras e infusões de malmequeres. Vivemos na época das incertezas. As mulheres gordas que pesavam dentro dos quadros dos pintores clássicos deram-se conta que são figuras transitórias e puseram-se a fazer dietas rigorosas e a praticar exercício físico. Agora são como livros brancos. Vivem em silêncio, sem memória, como formas incertas que adormecem à sombra doentia das figueiras. Os seus olhares são tão aleatórios como as estrelas atordoadas pela distância percorrida e pela que lhes falta percorrer até se extinguirem. É assim a eternidade, uma espécie de neblina cintilante acampada num vale de sombras onde o céu adormece e tudo espera. Aproxima-se um tempo descontínuo. Os caminhos levam-nos para longe. Os lugares são apenas lembranças viradas a poente. Os frutos continuam a crescer devagar, demorando-se no desenho redondo da forma. Tudo tem o mesmo nome. Alguém assobia uma velha canção triste. O vento ainda assobia do mesmo lado da casa. O medo e as sombras ainda descem as paredes da mesma forma. Mas eu agora sou outro. As palavras com que invoco a vida demoram cada vez mais a regressar ao seu local de partida. As noites dobram-me o sono. Sonho com as viagens que nunca farei. Eu sou o filho pródigo que nunca saiu de casa, apesar de ter comprado cavalo, sela, estribo e esporas. As razões de um possível regresso interromperam-me sempre a vontade de partir. Aplaudo a compaixão, mas os meus deuses são efémeros. A divindade é uma outra forma de conspiração.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Em Paris

. Em Paris

. 472 - Pérolas e Diamantes...

. Feira dos Santos

. ST

. Na cozinha

. Poema Infinito (485): Sed...

. Olhares

. Vacas e balizas

. 471 - Pérolas e Diamantes...

. Em Amarante - Cultura que...

. Na feira

. No Porto

. Poema Infinito (484): Eco...

. Chega de bois em Boticas

. No Barroso

. 470 - Pérolas e Diamantes...

. Interiores

. Castelo de Montalegre

. No Barroso

. Poema Infinito (483): Ilu...

. No Barroso

. Na aldeia

. 469 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Noturno

. ST

. Poema Infinito (482): Res...

. No Barroso

. No Louvre

. 468 - Pérolas e Diamantes...

. AB

. VS3

. VS2

. Poema Infinito (481): Que...

. VS

. CL

. 467 - Pérolas e Diamantes...

. Pisões

. Misarela

. Olhares

. Poema Infinito (480): As ...

. Na Abobeleira

. Barroso

. 466 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Alturas d...

. Em Coimbra

. No Louvre

. Poema Infinito (479): Ao ...

. No Louvre

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar