Quinta-feira, 12 de Maio de 2016

Poema Infinito (302): história noturna

 

 

Antes da maldição, os lobisomens combatiam o Diabo e os feiticeiros. Quando morriam iam para o paraíso. Eram os cães de Deus. Perseguiam os demónios e as bruxas que se armavam com açoites de ferro e vassouras feitas de rabos de cavalo. Combatiam pela fertilização dos campos. Nas refregas lutavam também as bravas mulheres do apocalipse. Todos combatiam as bruxas e os mostrengos do fim do mar. As metamorfoses eram múltiplas, mas temporárias. Os humanos transformavam-se em leopardos, hienas, tigres e jaguares. Os lobisomens eram as vítimas inocentes do destino. Um deus indisposto com as suas virtudes transformou-os em devoradores de rebanhos e crianças. Alguns escaparam ao divertimento divino e transfiguraram-se em homens-soldados que se armavam com ramos de erva-doce e bonitos caules de cevada. Nasceram assim as procissões. Os espíritos libertados entravam em êxtase ou catalepsia. As insolências, naqueles tempos, eram alegres, pois estavam sempre associadas ao sarcasmo. Só assim era possível enfrentar os inquisidores. Os homens de bem separavam as águas dos rios que atravessavam com as chicotadas dos seus bastões. Muitos dos que ainda guardavam dentro de si a alma de lobo entravam nas adegas e esvaziavam os tonéis de vinho, de hidromel e de cerveja. Ninguém percebia o sentido de tudo isso. Um deus maior decidiu então formar os seus filhos ainda dentro da barriga das mães, enquanto dormiam e depois de copularem. Seguidamente colocaram-nos sob as suas asas e fizeram-nos voar no céu como se fossem grandes aves, para combaterem os demónios e os feiticeiros. Eram estes filhos do deus maior silenciosos, melancólicos e fortes como touros. Treinavam lutando entre si em forma de garanhões brancos. Antes de se transmutarem em animais eram invadidos por um calor intenso e soletravam palavras desconhecidas de todos. Entravam assim em contacto com o mundo dos espíritos. Cavalgavam árvores arrancadas pela raiz, rodas de carroças, paletes de fornos, arados, molidas e jungos. Rangiam os dentes e lançavam fogo pelos olhos e pela boca. Do céu começaram a cair pedaços de cavalgaduras, assustando o mundo. Combatiam os inimigos entre as nuvens e provocavam tempestades. No final, os vencedores ateavam fogo aos adversários. Quando o galo cantava, os contendores dispersavam. As safras de uns ficavam a salvo, enquanto as dos outros ardiam como se fizessem parte do inferno. Os vencedores asseguravam sete anos de colheitas abundantes. Também descobriam tesouros ocultos, curavam as doenças difíceis, identificavam os demónios, os feiticeiros e as bruxas que andavam disfarçadas pelos povoados. Tocavam os tambores e as cornetas e punham o povo todo a dançar. Tinham sonhos poderosos e presságios infalíveis. Para alcançar o prado da vida montavam em pombas, falcões, cavalos, vacas, vassouras ou escanos feitos com a madeira de carvalho. Chegados aos prados, deixavam-se atrair pelo perfume das flores e dos frutos. As donzelas bailavam a dança da fertilidade. Diante delas, as mesas enchiam-se de alimentos raros. Era muito difícil fugir do lugar das delícias. Finalmente, as almas voltavam aos próprios corpos e assim se completava o ciclo dos heróis lendários. O céu enchia-se de flechas de fogo.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 14 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poema Infinito (453): A n...

. No Barroso

. No Barroso

. 438 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. Na aldeia

. São Sebastião - Couto Dor...

. Poema Infinito (452): Hes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. No Couto de Dornelas

. 437 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (451): Os ...

. No Barroso

. No Barroso

. 436 - Pérolas e Diamantes...

. Na Feira

. Na aldeia

. Olhares

. Poema Infinito (450): O d...

. Vaca atenciosa

. BB

. 435 - Pérolas e Diamantes...

. ST

. ST

. ST

. Poema Infinito (449): Inc...

. ST

. Na aldeia

. 434 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Mulheres

. Na aldeia

. Poema Infinito (448): O g...

. Na aldeia

. Na conversa

. 433 - Pérolas e Diamantes...

. No elevador do CCB

. Em Paris

. Em Paris

. Poema Infinito (447): Des...

. Em Paris

. Em Paris

. 432 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Couto Dor...

. ST

. Perfil

. Poema Infinito (446): O p...

.arquivos

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar