Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2017

Poema Infinito (343): O alongamento da solidão

 

 

Toca o alarme do silêncio dentro de mim e então abre-se o amanhecer. As palavras são como brinquedos. No fundo do quintal nasce agora outro saber. O tempo voltou a colocar o sol perto do fundo da nossa casa. Agora já só falta inventar um novo rio. O avô voltou a falar: O que é que fizeram aos pardais, parece que voam parados. As pessoas somam-se às distâncias e tanto aparecem como desaparecem. O pai passeia. A mãe faz croché. Um menino travesso vara o corpo do sapo com um pau. Faz de conta que sabe acrescentar uma graça infantil para impressionar as meninas fortes e os meninos medricas. As irmãs infantilizam as formigas fazendo-as perder o carreiro. O meu melhor amigo disse-me que o seu pai morava no fim de um lugar, sem saber bem onde. É filho de uma lacuna de gente. Por isso aperta os bichos, morde as andorinhas e sobe às árvores para apalpar os frutos e tardar o amanhecer. Por vezes aparecia na aldeia um homem com uma carroça que parecia um baú e tirava de lá de dentro caramelos, bolachas, pentes, argolas, brincos, laços para as meninas, espelhos redondos, canivetes, lenços brancos, saias amarelas, espingardas de pau, apitos de barro e muitas coisas para a saúde e para a santidade. As mulheres compravam aquilo que podiam e riam-se muito enquanto levantavam ligeiramente as saias. A minha avó abastecia-se de solidão. Os sentimentos, de tão longínquos, pareciam residir perto. Eu desenhava a esperança com um lápis de lousa. E desenhava também os meninos em planos expansivos e o meu avô a dar amoras. A minha avó dizia que os seus filhos teriam alcançado melhor sorte se tivessem nascido de uma árvore. O meu avô alongava a solidão. Ao fim da tarde, eu olhava para os fundos do quintal por onde a minha mãe costumava aparecer. Quando o dia envelhecia, entrávamos para dentro de casa e púnhamo-nos a comer as batatas, ou os chícharros, com couves e carne de porco cozida. Era nessa altura que os lagartos entravam nas folhas caídas no chão para adormecerem. Na hora de dormir, a minha avó construía brinquedos com as palavras e deixava-os dentro da minha cabeça. Nos dias de festa subíamos ao coreto da aldeia e apregoávamos bondade. Aprendi a ser autodidata das proclamações. Nos dias de neblina, as minhas irmãs perdiam o rasto das formigas e começavam a chorar. A mim pingavam-me gotas frias no coração. A tristeza é uma coisa fácil. Sentia-me crescer como um passarinho. Sentia também a sua insegurança. Aprendi com eles a encolher-me. De manhã, desciam pelos lameiros as brisas e as borboletas exibiam a estultícia dos seus voos atrapalhados. Também aprendi a subir aos telhados para esperar pela lua prateada. A mãe ralhava-me. O avô ralhava-me. O pai ralhava-me. A avó ralhava-me. Eu dizia-lhes que não era motivo para tanto. Muitos dos meus colegas, durante a noite, disfarçavam-se de insetos e desapareciam. Alguns ficavam dentro do mato até de manhã. E luziam como pirilampos. As plantas cresciam junto dos seus corpos. Agora chove toda a noite. O rio engorda, como se fosse um menino comilão. O sol ilumina as águas. O perfume das giestas continua a entontecer-me. Algumas árvores ainda me reconhecem. Olho para elas e encosto-me ao azul da tarde para descansar. O voo dos patos prolonga o meu olhar. Acompanho-os enquanto posso. A família habita agora a minha memória íngreme. Apesar de ainda fabricar brinquedos com palavras, a minha alegria perdeu a voz.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Na Póvoa de Varzim

. Em Paris

. 460 - Pérolas e Diamantes...

. Póvoa de Varzim

. Póvoa de Varzim

. Bragança

. Poema Infinito (473): Dis...

. Porto

. Paris

. 459 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Farinha de milho

. Fato

. Poema Infinito (472): O a...

. Na aldeia

. Sorrisos

. 458 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. No elevador

. S. Lourenço

. Poema Infinito (471): O s...

. No Louvre

. No Louvre

. 457 - Pérolas e Diamantes...

. Chaves

. Barroso

. Barroso

. Poema Infinito (470): Do ...

. Barroso

. Loivos

. 456 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. No Barroso

. No Barroso

. Poema Infinito (469): O l...

. No Barroso

. No Barroso

. 455 - Pérolas e Diamantes...

. O cabrito

. No Couto de Dornelas

. ST

. Poema Infinito (468): Voo...

. No Louvre

. O anjinho

. 454 - Pérolas e Diamantes...

. Gente bonita em Chaves

. Luís em Santiago

. No Louvre

. Poema Infinito (467): A a...

. Louvre

.arquivos

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar