Quinta-feira, 6 de Abril de 2017

Poema Infinito (349): A obliquidade do desejo

 

 

 

Vou para além das aparências. Fujo do escuro de algumas almas. As verdadeiras máquinas humanas são devoradoras de instintos. Alimentam-se da pálida magia dos reflexos subterrâneos. São vítimas das suas antigas obsessões. A doença provoca sempre lábios de fogo. Noutros continentes, os povos adormecidos constroem enormes esconderijos. Procuram o sentido da vida na intuição do futuro. A sua memória revela-se entorpecida. Por isso abandonaram o litoral e agora habitam junto aos círculos de pedra. A mancha dos demónios é o sinal evidente de uma antiga presença. Interpretam as figuras através das mãos e os espíritos através dos olhos. O impulso criativo une os símbolos mais diversos e as palavras mais abstratas. O universo está repleto de objetos e imagens contraditórias. O brilho original contamina os gestos poéticos, os contactos físicos, as realidades essenciais ou as mais primitivas. O sentido geral do mundo é o acaso. Baixo a respiração, olho fixo a revelação do nada. Giro sobre mim próprio como se pretendesse acompanhar o movimento de rotação da Terra. Tento compreender o outro lado dos objetos, a parte mais longínqua e inacessível dos sentidos. Toco as palavras com os dedos, tento sentir a sua música implícita, o peso da sua acústica, as cores das suas infinitas combinações, o sentido da sua queda e da sua elevação dentro do meu cérebro até que os horizontes fiquem mais explícitos. As forças luminosas influem na mobilidade, integram a compreensão do mundo, perseguem a necessidade perfeita dos conflitos, buscam a transição entre identidades e a evolução breve das mariposas. São diversos os desejos das aves, dos répteis e dos insetos. Por vezes cai sobre nós o brilho uniforme do luar. Os nossos olhos assemelham-se a planetas. As noites ficam mais largas e estendem-se pelos estuários do nosso olhar. Ao longe ouvem-se os gritos da madrugada. Os cavalos relincham e batem com as patas no chão. Desviamo-nos então da realidade e o silêncio cresce nas margens dos sentimentos. O desejo aprende as palavras essenciais e a desmedida ambição poética de morrer ao crepúsculo. Com a idade, as distâncias ficam mais diluídas, as analogias mais defeituosas e as manhãs sofrem o estrangulamento da humidade. Tudo fica mais abstrato, até a vontade. As ausências enchem-se de excesso e de sombras. Protegemo-nos no suave torpor das palavras essenciais. O nosso amor continua impaciente. Deus vindima as uvas mais profanas, abre o mar, submerge a curiosidade e penteia as searas magnânimas. As suas frases divinas são como sussurros. Continua ávido de impossibilidades, de revelações estranhas, de marés desordenadas. Continua surpreendido com aquilo a que os humanos apelidam de metafísica. Há metafísica pessoana bastante em não pensar em nada. O poema ganha o movimento dos nossos lábios, o reflexo exterior da realidade, a direção certa dos textos mais simples, a expressão sincera do desejo do contacto, o excesso mais desconcertante da exatidão. A manhã ainda não nasceu e a humidade dos prados já começou a conjugar as neblinas mais vagas e os animais mais selvagens. O Rei Salomão continua perdido a percorrer os caminhos do amor e dos lírios. As planícies estremecem. O corpo e a alma tentam fundir-se. As divindades constroem precipícios. Eu, como um marinheiro sôfrego, navego no teu corpo e enalteço a obliquidade dos teus lábios.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Julho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. ...

. No Barroso

. Misarela

. 451 - Pérolas e Diamantes...

. Feira dos santos

. Na feira

. O pastor

. Poema Infinito (464): A á...

. O homem da concertina

. Notre-Dame de Paris

. 450 - Pérolas e Diamantes...

. Em Lisboa

. Em Lisboa

. Em Lisboa

. Poema Infinito (463): Fix...

. Em Paris

. Em Paris

. 449 - Pérolas e Diamantes...

. Retrato

. Retrato

. Retrato

. Poema Infinito (462): Sol...

. Retrato

. Retrato

. 448 - Pérolas e Diamantes...

. Paris - Trocadero

. No Louvre

. No Louvre

. Poema Infinito (461): Ent...

. No Louvre

. No Louvre

. 447 - Pérolas e Diamantes...

. Couto Dornelas

. Couto Dornelas

. Couto Dornelas

. Poema Infinito (460): A t...

. Couto Dornelas

. S. Caetano

. 446 - Pérolas e Diamantes...

. No Barroso

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. Poema Infinito (459): O v...

. SF13 - Montalegre

. SF13 - Montalegre

. 445 - Pérolas e Diamantes...

. Em Chaves

. Na aldeia

. Vilarinho Seco

. Poema Infinito (458): Vib...

.arquivos

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar