Quinta-feira, 12 de Outubro de 2017

Poema Infinito (375): O guincho metafórico das memórias

 

 

 

Na hora mágica do sol se pôr eu desengancho-me do teu corpo. Nem todo o barulho do mundo preenche este silêncio, nem a saudade deixada pelos pardais desaparecidos alivia o nascer do dia. O crepúsculo faz de oposto. O regresso a casa realiza-se por turnos. Os fantasmas reúnem-se por turmas. O membro decepado continua a doer como se fosse uma árvore cortada à nascença. As pessoas continuam a chamar nomes à mágoa como se ela fosse um palhaço do circo. A infelicidade atira pedras. Nenhum bálsamo alivia a dor da ausência. Imãs cegos conduzem as orações da amizade e da vingança. A tua companhia lembra-me os livros de poesia, o som metálico dos discos riscados, os velhos harmónios, os álbuns de fotografias, a roda dentada dos jornais encadernados, os incêndios dentro dos armários, o tempo em que fumava sarilhos, a vontade de mudar de assunto, o tom afetado da indiferença. Deus continua a ser a verdade pintada na traseira dos autocarros, o rugido das autoestradas, o enterro das orações, a inclinação do tempo, o azul por cima do vermelho e do laranja. Nasce o sol por detrás da tua cabeça, com a profundeza mortal do desencanto. Ainda não sei onde os pássaros velhos costumam ir morrer. As árvores inclinam-se no sentido dos sussurros. Caem do céu almas como se fossem pedras. Mesmo de forma tangencial, a vida continua a necessitar de sombras, de sonhos e de alguma crueldade. Também a noite precisa de labirintos e de ilusões e até de partos. Por mais que lhes custe, as palavras dos poderosos não conseguem fazer uma língua. Depois da criação, tudo no mundo se baralhou. As passagens abertas transformaram-se em vaginas e o tempo divino compreendeu a plenitude da misericórdia. Os minutos são como passos que dirigem o tempo. A nudez pública continua a ser uma apostasia. As nuvens deslizam no céu, os pássaros ficam paralisados em pleno voo e o ar que nos veste tornou-se denso e incompreensível. As orações soam a falso. Engordam-se os cães, os gatos e os mitos como antigamente se cevavam os eunucos, os porcos e os vitelos. O som do tempo e da saudade torna-se vago. Os velhos ficam translúcidos. As mulheres cantam com voz doce e melodiosa a timidez das flores, a arrogância das casas, o extraordinário princípio dos caminhos e a esperança dissipada da igualdade. Estranhas febres chegam do lado de lá, dos verões escaldantes, da metrópole envelhecida, da fronteira onde se gera o ódio. As famílias antigas fogem das cidades muradas. As árvores genealógicas transformam-se em papéis quebradiços. A dignidade é agora uma espécie de nostalgia. A nossa ignorância aparente faz-nos beber chá forte para enrijecer as aparências. Existe dispersa pelo mundo a subtil noção da estagnação. Os jovens riem-se do seu pressentimento, do choque inicial. Tentam, por isso, estabilizar a incompreensão, controlar as tendências e converter a angústia num problema prático. As histórias já não lhe dizem nada. A tarde alarga-se e incha para se transformar em noite. O tempo estende as suas garras. O lugar onde nasci ainda é o único onde sinto o ar a abrir-se quando eu passo. A casa onde fui parido ainda possui as portas degradadas do Paraíso. O telhado abateu parcialmente. Os gatos miam encostados às paredes. Alguém sorri com a expressão mais triste do mundo. As memórias guincham como se as estejam a matar.


publicado por João Madureira às 07:15
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 13 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. No Louvre

. Em Paris

. Poema Infinito (486): Dis...

. Em Paris

. Em Paris

. 472 - Pérolas e Diamantes...

. Feira dos Santos

. ST

. Na cozinha

. Poema Infinito (485): Sed...

. Olhares

. Vacas e balizas

. 471 - Pérolas e Diamantes...

. Em Amarante - Cultura que...

. Na feira

. No Porto

. Poema Infinito (484): Eco...

. Chega de bois em Boticas

. No Barroso

. 470 - Pérolas e Diamantes...

. Interiores

. Castelo de Montalegre

. No Barroso

. Poema Infinito (483): Ilu...

. No Barroso

. Na aldeia

. 469 - Pérolas e Diamantes...

. Na aldeia

. Noturno

. ST

. Poema Infinito (482): Res...

. No Barroso

. No Louvre

. 468 - Pérolas e Diamantes...

. AB

. VS3

. VS2

. Poema Infinito (481): Que...

. VS

. CL

. 467 - Pérolas e Diamantes...

. Pisões

. Misarela

. Olhares

. Poema Infinito (480): As ...

. Na Abobeleira

. Barroso

. 466 - Pérolas e Diamantes...

. São Sebastião - Alturas d...

. Em Coimbra

.arquivos

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.favoritos

. Poema Infinito (404): Cri...

.Visitas

.A Li(n)gar